Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Trabalhista Reclamatória trabalhista de reconhecimento de vínculo empregatício

Petição - Trabalhista - Reclamatória trabalhista de reconhecimento de vínculo empregatício


 Total de: 15.245 modelos.

 

RECLAMATÓRIA TRABALHISTA - RECONHECIMENTO DE VÍNCULO EMPREGATÍCIO

EXMO. SR. DR. JUIZ DO TRABALHO DA ___ VARA DO TRABALHO

DA COMARCA DE ____________ - ___.

RECLAMATÓRIA TRABALHISTA, contra:

____________ LTDA., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o n.º ____________, sediada à Rua ____________, ___, CEP ____________, ____________, ___, pelos fatos e fundamentos jurídicos que a seguir passa a expor:

- DOS FATOS -

1. O reclamante foi admitido na empresa reclamada no dia __/05/2000, percebendo a quantia mensal de R$ ______ (____________ reais) por mês e pediu demissão dia __/11/2000.

2. Neste período, o reclamante trabalhou sem registro em sua CTPS e a reclamada não efetuou os depósitos na conta vinculada do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), sobre nenhum direito do trabalhador.

3. Em setembro, a reclamada obrigou o reclamante a abrir uma empresa, visando mascarar o vínculo empregatício. Os custos da abertura da empresa foram arcados pelo próprio reclamante.

4. O reclamante tinha horário de trabalho das 9h. às 18h30min., com 1h. de almoço, de segundas às sextas-feiras. Este, fazia uma média de 3 horas extras diárias, que nunca foram pagas pela reclamada, com exceção dos R$ ______ (____________ reais) pagos pela mesma na rescisão conforme anotações da Sra. ____________ em anexo.

5. Além disto, o reclamante tinha direito ao recebimento de lanches e reembolso de despesas referente a transporte quando efetuava horas extras, bem como, vale-refeição ou alimentação, nunca pagos ou reembolsados pela reclamada.

- DOS DIREITOS -

I – DO REGISTRO NA CARTEIRA DE TRABALHO

6. O registro do contrato laboral na Carteira de Trabalho é um direito selado pela legislação ao trabalhador. O empregador tem o dever de anotar o que foi pactuado entre as partes, quando da admissão do empregado, conforme determina o caput do art. 29 da CLT.

7. A CTPS do reclamante não possui nenhuma anotação por parte da reclamada (doc. 02). Esta, portanto, terá a obrigação de fazer as devidas anotações.

II – DO FUNDO DE GARANTIA POR TEMPO DE SERVIÇO

8. Durante o período de trabalho, a empregadora não depositou o percentual devido na conta bancária vinculada do empregado junto ao Fundo de Garantia por Tempo do Serviço (FGTS) sobre os ganhos do trabalhador.

9. A Lei n.º 8.036/90 dispõe sobre a regulamentação básica do FGTS, definindo que o empregador deverá efetuar na rede bancária um depósito correspondente a 8% (oito por cento)da remuneração paga ao trabalhador no mês anterior.

10. O valor a ser depositado não é referente apenas ao salário e sim a todos os adicionais, tais como repouso remunerado, 13º salário e horas extras.

III- DAS HORAS EXTRAS

11. O reclamante foi contratado para trabalhar das 9h. às 18h30min., com intervalo de 1h. de almoço.

12. Acontece que o horário contratado nunca foi realizado, pois o reclamante fazia aproximadamente, 3h15min. de horas extraordinárias por dia, totalizando 16 horas extras por semana. Estas horas foram efetuadas nos meses de junho a outubro.

13. A cláusula vinte e quatro da Convenção Coletiva de 1999, trata das horas extras (doc. 03). Estas, deverão ser pagas com adicional de 50% (cinqüenta por cento) até 40 (quarenta) horas por mês, as excedentes, deverão ser acrescidas de 100% (cem por cento).

14. Na rescisão contratual, a reclamada pagou R$ ____ (____________ reais) referente as horas extras, surpreendendo o reclamante, pois até então nunca havia lhe pago, valor este que deverá ser diminuído do total a ser recebido pelo reclamante.

15. Sobre as horas extras, deverão ser computados o percentual referente ao FGTS, 13º salário e repouso remunerado.

IV - DO LANCHE E DESPESAS NAS HORAS EXTRAS

16. O reclamante, conforme disposto nos itens anteriores, fez horas extras nos meses de junho, julho, agosto, setembro e outubro.

17. A Convenção Coletiva de 2000, na cláusula Sexta (doc. 04), dispõe a obrigação da empresa, quando seus funcionário fizerem horas extras, em fornecer lanche gratuito, no valor mínimo de R$ 3,00 (três reais) cada.

18. Além disto, a reclamada deverá ressarcir as despesas de condução dos funcionários que fazem horas extras, para retornarem para suas residências.

19. O reclamante ficava todas as noites trabalhando até tarde, normalmente até às 21h. e para se deslocar até em casa, pegava um táxi.

20. Os custos desta despesa sempre foram arcados pelo reclamante no valor médio de R$ 7,00 (sete reais) por corrida.

21. Quanto ao lanche, a reclamada nunca pagou ou ressarciu de alguma maneira o reclamante, embora tivesse o direito de receber no mínimo o valor de R$ 3,00 (três reais), que obviamente, não são suficientes para cobrir as despesas de um lanche.

22. Destes R$ 3,00 (três reais), R$ 1,00 (um real) será o custo despendido para a bebida. Com R$ 2,00 (dois reais) não se compra nem uma torrada.

23. A média do preço de lanches completo, ficam em torno de R$4,50 (quatro reais com cinqüenta centavos) a R$ 5,00 (cinco reais), menos que estes valores, não se consegue fazer nenhum tipo de lanche.

24. Deve, portanto a reclamada restituir o reclamante pelas despesas referente ao transporte que ele teve durante o período que efetuou as horas extras, ou seja, R$ _______ (____________ reais) por dia e pagá-lo a quantia referente ao lanche de no mínimo R$ ___ (____________ reais), valor este que deverá ser arbitrado.

V - DO VALE-REFEIÇÃO/ALIMENTAÇÃO

25. A cláusula sétima da Convenção Coletiva de 2000, trata da obrigatoriedade das empresas fornecerem aos seus funcionários, vales-refeição ou alimentação independente do salário ou carga horária.

26. O valor mínimo estipulado na Convenção é de R$6,00 (seis reais) por dia trabalhado, quantia esta, embora normatizada, nunca foi fornecida pela reclamada.

VI- DA ABERTURA DA EMPRESA

27. A reclamada em setembro deste ano, obrigou o reclamante a abrir uma empresa para que desaparecesse, entre eles, o vínculo empregatício.

28. O reclamante com isto, gastou aproximadamente R$ ____________ (____________ reais), para criar esta nova empresa, valor este incluído os impostos pagos por ele.

29. Os valores despendidos pelo reclamante, conforme documentos em anexo (docs. 05 a 09) são divididos em :

29.01 - despesas com abertura da empresa R$ ______

29.02 - despesas com talão de notas e cartório R$ ______

29.03 - taxas da prefeitura R$ ______

29.04 - ISS R$ ______

29.05 - IRPJ R$ ______

29.06 - C. SOCIAL R$ ______

29.07 - PIS R$ ______

29.08 - COFINS R$ ______

29.09 – Honorários contábeis R$ ______

29.10 – INSS – pró-labore R$ ______

Total R$ ______

30. A primeira nota que o reclamante passou para a reclamada é referente ao mês de outubro pelos serviços prestados em setembro.

31. A seqüência das notas fiscais (001 a 003), com os seus respectivos recebimentos, são provas de que realmente o reclamante prestava serviço apenas para a reclamada( docs. 10 a 12).

32. A subordinação do reclamante é evidente. As notas comprovam que prestava serviços apenas para a reclamada e que a esta, era subordinado, não apenas a serviços exclusivos, mas também a horário de trabalho.

VII - DO VÍNCULO EMPREGATÍCIO

33. O caput do art. 3º da CLT, trata do conceito de empregado desta maneira:

"Art. 3º Considera-se empregado toda a pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário."

34. Para que o trabalhador figure como empregado, é necessário que preencha alguns requisitos, especificados por Amauri Mascaro do Nascimento (Curso de Direito do Trabalho, 11ª edição, São Paulo, Saraiva, 1995, pág. 308), desta maneira:

"Na definição legal brasileira estão os seguintes requisitos da figura do empregado: a) pessoa física; b) subordinação compreendida de forma mais ampla que dependência; c) inenventualidade do trabalho; d) salário; e) pessoalidade da prestação de serviços esta resultante não da definição de empregado, mas de empregador."

35. O reclamante preenche todos os requisitos do art. 3º da CLT, ou seja, pessoa física, nos primeiros 03 (três) meses de trabalho, nos demais meses, tornou-se dono de uma empresa que continuou subordinada a reclamada, relação essa, de pessoa jurídica, apenas fictícia.

36. A subordinação e a criação da empresa fictícia é reconhecida pela própria reclamada que pagou-lhe na rescisão contratual (doc. 13), se é que podemos chamar, uma folha de rascunho, com a letra da Sra. _____________, onde a mesma pagou o 13º salário proporcional (seis meses) do reclamante, no valor de R$ _______ (_____________ reais) e descontou o aviso prévio na quantia de R$ _______ (_____________ reais).

37. O reclamante preenche também o segundo requisito. Sempre esteve subordinado a reclamada, tinha horário para cumprir, entanto que, na rescisão foi-lhe descontado a quantia de R$ _______ (_____________ reais) por atraso. Além do horário recebia trabalhos para serem feitos e tinha como obrigação cumpri-los.

38. A relação laboral entre as partes, em nenhum momento teve caráter eventual, pois durante estes 06 (seis) meses de trabalho, o reclamante prestou serviços exclusivos e diários para a reclamada, obviamente, que mediante salário.

39. O egrégio TRT da 4ª Região, assim preleciona sobre esta matéria:

"VÍNCULO EMPREGATÍCIO.

Para que se configure a relação de emprego, mister a reunião dos requisitos ínsitos no art. 3º da CLT, quais sejam, prestação de serviços de natureza não-eventual, com pessoalidade, subordinação e mediante salário.

(Recurso Ordinário n.º 00887.009/94-8, 1ª Turma do TRT da 4ª Região, Porto Alegre, Rel. Jonni Alberto Matte. Recorrente: Famil Sistema de Controle Ambiental Ltda. Recorrido: Ivo Antônio Didoné. j. 14.07.99, maioria)."

VÍNCULO EMPREGATÍCIO. RETIFICAÇÃO NA CTPS.

Presentes os requisitos previstos no art. 3º da CLT, combinado com o art. 2º do mesmo diploma legal, resta configurado o vínculo empregatício. Apelo negado.

(...)

ACORDAM os Juízes da 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região: por maioria de votos, parcialmente vencido o Exmo. Juiz José Carlos de Miranda, negar provimento ao recurso do reclamado. Por maioria de votos, vencido o Exmo. Juiz Relator, negar provimento ao recurso da reclamante.

(Recurso Ordinário n.º 00649.903/96-0, 4ª Turma do TRT da 4ª Região, Pelotas, Rel. Irani Rodrigues Palma. Recorrente: Beatriz Helena Astro Montoito e Rui Carlos Leon Duarte. Recorrido: Os mesmos. j. 17.03.99)."

40. O autor acima destacado, na mesma obra citada, traça a diferença entre o empregado e o trabalhador autônomo, sob o prisma da teoria da propriedade dos instrumentos de trabalho, desta maneira:

"...que considera-se autônomo aquele que exerce atividade profissional detendo os meios de produção porque são de sua propriedade. Será subordinado aquele que no desempenho do trabalho utilizar-se dos meios de produção de outrem."

41. O reclamante, sempre esteve subordinado a reclamada, não apenas em termos de horários ou trabalhos, mas sim, utilizou-se durante todo período contratual, dos meios de produção que a própria reclamada disponibilizava.

VIII - DO AVISO PRÉVIO

42. O reclamante conforme previsto em lei, avisou a reclamada com antecedência mínima de trinta dias que iria pedir demissão.

43. O reclamante trabalhou 17 (dezessete) dias do mês de novembro, mas a reclamada, autoritariamente, descontou o aviso prévio proporcionalmente, quando da rescisão contratual, direito este que deve ser reparado.

IX – DA MULTA CONTRATUAL

44. A reclamada desrespeitou o disposto na norma jurídica, quando não pagou, na rescisão contratual, todos os direitos acima elencados, tais como horas extras, o FGTS sobre o salário, 13º salário proporcional e aviso prévio. Além disto, descontou arbitrariamente o aviso prévio do reclamante.

45. Como não foi respeitado o prazo de rescisão contratual estabelecido no art. 477, § 6º e 8º da CLT, ficará o empregador obrigado a pagar a título de multa o valor do salário de um mês de trabalho de seu funcionário.

Diante do exposto, requer:

a) a anotação na Carteira de Trabalho relativo ao período de __/05/00 a __/11/00, bem como, todas as demais anotações inerentes ao contrato de trabalho, direito disposto no itens 06 e 07;

b) pagamento dos depósitos de FGTS sobre o salário, repouso remunerado, horas extras, gratificação natalina e aviso prévio, conforme itens 08 a 10;

c) pagamento de 16 horas extras semanais a partir do primeiro dia útil de junho até o último dia trabalhado do mês de outubro, descontados os R$ ______ (_____________ reais) já pagos na rescisão contratual, pedidos elencados nos itens 11 a 15;

d) reembolso das despesas referentes a transporte nos dias em que o reclamante fazia horas extras, pedido fulcrado nos itens 16 a 24;

e) que a reclamada seja condenada ao pagamento do lanche, direito garantido ao reclamante quando fazia horas extras, arbitrados entre R$4,50 (quatro reais com cinqüenta centavos) a R$ 5,00 (cinco reais), conforme disposto nos itens 16 a 24;

f) que a reclamada seja condenada ao pagamento de R$ 6,00 (seis reais) por dia trabalhado, referente a vales-refeição ou alimentação, nunca pagos pela mesma, pedido disposto nos itens 25 e 26;

g) reembolso das despesas referentes a abertura da empresa do reclamante, arcadas somente pelo mesmo, em que teve como beneficiária apenas a reclamada, segundo dispõe nos itens 27 a 32;

h) reconhecimento do vínculo empregatício entre o reclamante e a reclamada durante o período de setembro a novembro, conforme itens 33 a 41 ;

i) a devolução do valor descontado pela reclamada referente ao aviso prévio, devidamente efetuado pelo reclamante, direito explícito nos itens 42 e 43;

j) a condenação da reclamada caso não efetue o pagamento dos valores incontroversos ao reclamante na audiência de conciliação, sob pena de quando condenada a restituí-los com o acréscimo de 50%, conforme art. 467 da CLT;

k) valor correspondente a multa contratual estabelecida no art. 477, § 6º e 8º da CLT, paga na base da maior remuneração que tenha percebido, conforme itens 44 e 45;

l) protesta provar o alegado por todos os meios em Direito admitidos, em especial o depoimento pessoal do representante legal da reclamada;

m) seja notificada/citada a reclamada para contestar, querendo, sob pena de revelia e confissão;

n) seja a reclamada condenada ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios;

o) seja-lhe concedido a assistência judiciária gratuita, pelo reclamante não ter condições para arcar com custas processuais, conforme Leis 1.060/50, 7.115/83, 5.584/70 e art. 5º, LXXV da Constituição Federal/88;

p) os valores a serem percebidos corrigidos com correção monetária e juros da mora;

q) valores a serem apurados em liquidação de sentença.

Valor da Ação R$ ______ (para fins de alçada)

N. Termos

P. E. Deferimento

_____________, ___ de _____________ de 20__.

_____________

OAB/


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Trabalhista
Reclamação trabalhista de descontituição da penhora
Reclamatória trabalhista de adicional de periculosidade e noturno para eletricista
Pedido de expedição de carta de sentença
Reclamatória trabalhista de anotação tardia da CTPS
Extinção da empresa e o direito de ser indenizado em dobro do reclamante
Pedido de manutenção de desconstituição de penhora, em execução trabalhista, sobre imóvel residen
Reclamação trabalhista por ausência dos requisitos legais
Consignação em pagamento de verbas rescisórias, em face de recusa de recebimento por parte de tra
Prisão ilegal do depositário infiel
Reclamatória trabalhista, pleiteando-se adicional de insalubridade
Reclamação trabalhista de intervalo intra-jornada e hora extra
Mandado de segurança em face de decisão de juiz do trabalho que feriu direito líquido e certo do