Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Recurso e razões de ausência de materialidade de estelionato

Petição - Penal - Recurso e razões de ausência de materialidade de estelionato


 Total de: 15.245 modelos.

 

ESTELIONATO - PERÍCIA - AUSÊNCIA DE MATERIALIDADE - RECURSO E RAZÕES

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ____ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE _________

Processo-crime nº _________

Objeto: apelação de sentença condenatória e oferecimento de razões

_________, devidamente qualificado, pelo Defensor subfirmado, vem, respeitosamente, a presença de Vossa Excelência, nos autos do processo crime em epígrafe, ciente da sentença condenatória de folha ____ até ____, e do despacho de folha ____, interpor, no prazo legal, o presente recurso de apelação, por força do artigo 593, inciso I, do Código de Processo Penal, eis encontrar-se desavindo, irresignado e inconformado com apontado decisum, que lhe foi prejudicial e sumamente adverso.

ISTO POSTO, REQUER:

I.- Recebimento da presente peça, com as razões que lhe emprestam lastro, franqueando-se a contradita a ilustre integrante do parquet, remetendo-o, após ao Tribunal Superior, para a devida e necessária reapreciação da matéria alvo de férreo litígio.

Nesses Termos

Pede Deferimento

_________, ____ de _________ de _____.

Defensor

OAB/

EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO _________

COLENDA CÂMARA JULGADORA

ÍNCLITO RELATOR

RAZÕES AO RECURSO DE APELAÇÃO FORMULADAS POR: _________

Volve-se, o presente recurso contra sentença exarada pelo digna julgadora monocrática da ____ª Vara Criminal da Comarca de _________, DOUTORA _________, a qual em oferecendo respaldo parcial de agnição à denúncia condenou o recorrente a expiar pela pena de (1) um ano de reclusão, acrescida de multa, por infringência ao artigo 171, caput, do Código Penal, sob a franquia (presume-se) do regime aberto.

A irresignação do apelante, ponto nevrálgico e aríete do presente recurso, centra-se e circunscreve-se a um único tópico, a saber: inexistência da prova da materialidade do suposto delito imputado ao réu, o que desautoriza o veredicto adverso gerado, de forma nitidamente equivocada, pela sentença, aqui respeitosamente reprovada.

Passa-se, pois, a análise do ponto alvo de inconformidade.

Cumpre, inicialmente, consignar-se que o recorrente - ao contrário do afirmado pela honorável Magistrada - não admitiu a imputação que lhe é tributada pela denúncia, ao asseverar, em seu termo de interrogatório de folha ____, que: "_________ Não lembra se foi o responsável pelo caso referido na denúncia"

Aponta a peça portal coativa, que o réu teria obtido vantagem ilícita, em detrimento de _________, ao fazer inserir no Certificado de Registro e Licenciamento de veículo, declaração falsa, consistente na quitação do seguro obrigatório.

Entrementes, de se consignar, que inexiste nos autos comprovação da materialidade da infração, uma vez que a perícia solicitada pelo Ofício de folha ____, carece de resposta até a presente data!

Outrossim, reputar, como obrado pela sentença estigmatizada, que a materialidade da infração estaria sedimentada pelos documentos unilaterais de folhas ____, consubstancia gritante quiproquó, na medida em que a inicial não especifica qual o dia em que teria sido realizada a adulteração do certificado de propriedade, enquanto que missiva dirigida pela Caixa Econômica Estadual ao juízo, consigna lançamentos alusivos ao dia ___ de _________ de _____ - Vide folha ____ - (SIC).

Ademais, no caso em tela, assoma imprescindível para apurar-se aludida falsificação o exame pericial do documento original, o qual, consoante proclamado pela exordial foi adulterado pela via mecânica, (quitação bancária), enquanto o réu, nega tal modus operandi, visto que não possuía "... máquina para inserir a falsa quitação bancária. Usava um alfinete..." Vide folha ____.

Descurando-se de fazer-se a prova técnica, tem-se por impossível agasalhar-se a pretensão inculpatória, a qual falece e fenece, ante a inexistência da materialidade, a qual somente seria alcançada via pericial, reputada esta indispensável e impreterível em tais casos, consoante entendimento pacificado pelo STF, no HC nº 67.611, DJU, 29.9.89. p. 15191).

Em secundando o entendimento testilhado, veicula-se imperiosa a transcrição da mais abalizada e alvinitente jurisprudência parida dos pretórios pátrios:

"HABEAS CORPUS. Estelionato. Ausência de exame de corpo de delito nos documentos falsificados para obtenção da vantagem indevida. Nulidade. Indispensabilidade da diligência nos crimes que deixam vestígios, enquanto esses existirem (art. 158 do Código de Processo Penal). Princípio da verdade real" (RT, 672:388)

Nesse sentido é o magistério do consagrado penalista, ADALBERTO JOSÉ Q. T. DE CAMARGO ARANHA, in DA PROVA NO PROCESSO PENAL, São Paulo, 1.996, Saraiva, 4ª edição, onde a página 165, leciona, com sua peculiar autoridade:

"a-) Se o delito se inclui entre os que deixam vestígios, a prova pericial é essencial, obrigatória, não suprível por outra, sequer pela confissão do acusado, importando sua ausência na absolvição por falta de prova quanto ao fato criminoso (CPP, art. 386, II)

Destarte, carecendo o feito de prova da materialidade do delito imputado ao denunciado, tem-se, que a improcedência da ação penal assoma inexorável.

Demais, fundar-se a reprimenda penal, tendo por suporte a palavra falsa da vítima do tipo penal - inquirida à folha 119 - constitui-se num disparate processual, porquanto a vítima, sabidamente, age por vindita, e não por caridade, a qual consoante proclamado pelo apóstolo e doutor dos gentios São Paulo, é a maior das virtudes.

Donde, a palavra da vítima, deve repelida, visto que, possui em mira inculpar o réu, sendo insusceptível, face sua notória parcialidade e tendenciosidade de emprestar esteio a um juízo condenatório, consoante pacificado pela jurisprudência, que jorra do tribunais pátrios:

"As declarações da vítima devem ser recebidas com cuidado, considerando-se que sua atenção expectante pode ser transformadora da realidade, viciando-se pelo desejo de reconhecer e ocasionando erros judiciários" (JUTACRIM, 71:306)

Porquanto, a sentença de primeiro grau de jurisdição, clama e implora por sua reforma, missão esta reservada aos Preclaros Sobre juízes que compõem essa Augusta Câmara Criminal.

ANTE AO EXPOSTO, REQUER:

I.- Seja desconstituída a sentença aqui estigmatizada, frente a inexistência da prova da materialidade da infração (pericial), a teor do artigo 386, inciso II, do Código de Processo Penal.

II.- Na remotíssima e longínqua hipótese de não vingar a tese primeira, seja cassada a sentença, face a defectibilidade probatória, que jaz hospedada pela demanda, impotente em si e por si, para referendar um juízo adverso, absolvendo-se o apelante, a teor do artigo 386, VI, do Código de Processo Penal.

Certos estejam Vossas Excelências, mormente o Ínclito e Douto Desembargador Relator do feito, que assim decidindo estarão julgado de acordo com o direito, e sobretudo, realizando, perfazendo e restabelecendo, na gênese do verbo, o primado da mais lídima JUSTIÇA!

_________, ____ de _________ de _____.

DEFENSOR

OAB/


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal