Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Notícia crime

Petição - Penal - Notícia crime


 Total de: 15.245 modelos.

 

Notícia Crime


Ilmo. Sr. Dr. Delegado de Polícia do .... ª Distrito Policial da Comarca de Belo Horizonte/MG

FULANA DE TAL, brasileira, casada, carteira de identidade n° XXXX, SSP/MG, residente e domiciliada à XXXXXXXXXXXXX, vem, à presença de Vossa Excelência, através de seu advogado infra assinado, apresentar

NOTÍCIA-CRIME

contra BELTRANA DE TAL, brasileira, solteira, CPF n° XXXXXXXXXXXX, residente e domiciliada à Rua XXXXXXXXXXXXXXXXX, pelos fatos e fundamentos a seguir:

1 – DOS FATOS

1.1. BELTRANA foi amante do marido de CICLANA por um período de três anos. O romance entre os dois foi descoberto pela peticionaria no ano de 1996, tendo sido de pronto interrompido. Por razões de foro íntimo, o casal se reconciliou, com o perdão da traição.

1.2. Desde então, o casal nunca mais passou por quaisquer problemas relacionados à infidelidade dos cônjuges. Da mesma forma, a antiga amante nunca mais deu qualquer notícia, até um passado recente.

1.3. No dia 04/06/2006, BELTRANA telefonou para a residência de CICLANA, ligação que fora atendida pela empregada doméstica FULANA, ora requerente. BELTRANA pediu, então, para falar com CICLANA. Desconfiada, a requerente disse que CICLANA não estava, perguntado ainda se a interlocutora gostaria de deixar algum recado ou telefone para contato.

1.4. Foi então que BELTRANA, em tom agressivo, disse a FULANA que se não colaborasse com ela, sofreria com as conseqüências também.

1.5. Apavorada, a requerente chamou CICLANA, que não se identificou ao telefone, mas que também pode escutar e reconhecer a voz de BELTRANA, enquanto essa última repetia a FULANA que ela deveria colaborar para não sofrer também.

2 – DO DIREITO

2.1. O Código Penal prevê em seu artigo 147 o delito de ameaça:

“Art. 147. Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar-lhe mal injusto e grave”.

2.2. A ameaça é a violência moral, destinada a perturbar a liberdade psíquica e a tranquilidade da vítima. É o anúncio da prática de um mal injusto e grave, que pode ser um dano físico, econômico ou moral.

2.3. O mal prometido tem de ser injusto, ou seja, não autorizado pela ordem jurídica.

2.4. Ameaça pode ser implícita, quando realizada de maneira velada, ou explícita, quando levada a cabo de modo inequívoco, às claras.

2.5. O tipo penal permite que a ameaça seja realizada por meio de palavras, nada impedindo que a ameaça seja feita pela via do telefone. Esse é o posicionamento da jurisprudência pátria:

TACRSP: “Nada impede que o crime de ameaça se configure num iter indireto, por via telefônica”. (JTACRIM 95/87)

2.6. A doutrina assevera ainda o delito previsto no art. 147 pode se configurar tanto sendo a ameaça implícita ou explícita. Nas palavras de Luiz Régis Prado:

“Aquela é feita de modo inequívoco e às claras; esta, por sua vez, é feita através de subterfúgios ou de maneira velada, que encobre o propósito de intimidar (v.g. alguém afirma a outrem que “costuma resolver suas dívidas com sangue” ou lhe escreve dizendo que “Jesus está prestes a recebe-lo” etc.)”.

2.7. Nada impede também o reconhecimento da ameaça condicional, senão vejamos:

TACRSP: “A ameaça feita sob a forma condicional, subordinando à realização do mal à própria vontade da pessoa ameaçada, ou mesmo de fato alheio, não exclui o crime, pois este existe pelo simples fato da intimidação”. (RJTACRIM 723/593)

2.8. Aplicando-se o exposto ao presente caso se pode concluir que, em tese, BELTRANA teria praticado o crime de ameaça contra FULANA DE TAL.

2.9. Afinal, a mesma teria prometido a FULANA um mal, ainda que de forma velada, de fazê-la sofrer com as conseqüências.

2.10. Esse mal seria injusto, vez que não amparado por qualquer causa excludente de ilicitude.

2.11. O meio utilizado por BELTRANA, o telefone, é entendido pelos Tribunais como forma hábil a configurar o crime de ameaça. Da mesma forma, o caráter condicional dos dizeres da requerida em nada obsta a materialização da tipicidade de sua conduta.

3 – DO REQUERIMENTO

3.1. Diante do exposto, conclui-se que existem indícios consistentes de que BELTRANA, em tese, teria cometido o delito de ameaça, previsto no art. 147 do Código Penal Brasileiro.

3.2. Requer-se, portanto, seja lavrado o respectivo Termo Circunstanciado de Ocorrência, sendo de pronto marcada audiência preliminar a ser realizada no Juizado Especial Criminal, com a maior celeridade possível.

3.3. Requer-se também sejam tomadas outras providências cabíveis, de acordo com o arbítrio de Vossa Excelência.

3.3. O requerente já arrola, nesse momento, o rol de testemunhas abaixo.


Nesses termos,

Pede deferimento.


Belo Horizonte, 06 de julho de 2006.


ADVOGADO
OAB/MG


ROL DE TESTEMUNHAS:

1 – XXXXXXXXXXXXXX


Carteira de Identidade: XXXXXXXXXXX

Endereço Residencial: XXXXXXXXXXXXXXXXXXX


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
Pedido de abertura de inquérito policial em face de estelionato
Recurso e razões de falsa identidade
Defesa prévia de revogação da prisão preventiva de réu não primário
Denúncia pelos crimes de furto de veículos, adulteração das placas e receptação dos mesmos
Razões de recurso de furto qualificado
Pedido de oitiva do réu na comarca de sua residência, ante dificuldades financeiras de locomoção
Impossibilidade de prestar fiança por pobreza
Contra-razões de majoração da pena em reicidência
Apelação requerendo a absolvição do réu por falta de provas, em acusação de crime de latrocínio
Pedido de abertura de inquérito policial - Obtenção de vantagem indevida
Defesa prévia com pedido de exame de dependência toxicológica
Alegações finais pelo acusado, aduzindo a inexistência de apropriação indébita