Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Alegações finais de porte ilegal de arma e nulidade do exame de ofensividade

Petição - Penal - Alegações finais de porte ilegal de arma e nulidade do exame de ofensividade


 Total de: 15.244 modelos.

 

ALEGAÇÕES FINAIS - PORTE ILEGAL DE ARMA - NULIDADE DO EXAME DE OFENSIVIDADE

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO TITULAR DA ______ VARA CRIMINAL DA COMARCA DE _________________ (___).

processo-crime n.º___________

alegações finais

___________________________, brasileiro, solteiro, pedreiro, residente e domiciliado nesta cidade de ________________, pelo Defensor Público subfirmado, vem, respeitosamente, a presença de Vossa Excelência, nos autos do processo em epígrafe, oferecer, no prazo legal, as presente alegações finais, aduzindo o que entende pertinente e relevante para infirmar a peça pórtica, na forma que segue:

PRELIMINARMENTE

1.) Segundo reluz do depoimento prestado pelo perito subscritor do auto de exame de ofensividade de arma de fogo de folha ____, temos, como dado incontroverso, que os experts nomeados não efetuaram disparos com o arma apreendida, para aferir sua capacidade vulnerante.

Tal aspecto inquina a perícia, uma vez que os peritos limitaram-se ao exame formal da arma - isto na melhor das hipóteses - sem contudo aquilatarem se a mesma é dotada de eficácia no quesito alusivo a deflagração de projéteis.

Como assiná-la com propriedade LUIS FLÁVIO GOMES, inexiste a cognominada ‘presunção de funcionamento de arma de fogo', in, LEI DAS ARMAS DE FOGO, LUIS FLÁVIO GOMES & WILLIAM TERRA DE OLIVEIRA, São Paulo, 1999, RT, página 80, item 1.9 (Ofensividade: a potencialidade lesiva do objeto material da conduta).

Logo, entendemos necessário e imprescindível para positivação do quesito alusivo a ofensividade real da arma de fogo, a conjugação de dois fatores: o primeiro condiz com seu exame formal, aqui compreendido a inspeção da arma (montagem e desmontagem), bem como a verificação de seu mecanismo de funcionamento, em suma, sua capacidade teórica de produzir disparos; o segundo e mais relevante, centra-se na comprovação de sua eficácia no mundo dos fenomênico, o que somente é alcançado com a deflagração dos projéteis, necessariamente os apreendidos.

A ineficácia, dá-se, seja pela inapetência da arma em produzir os disparos, seja pela não deflagração dos projéteis apreendidos, embora percutidas.

Em assim sendo, não tendo os peritos, deflagrado com a arma apreendia qualquer disparo, resta comprometido o laudo confeccionado, uma vez não demonstrado o poder lesivo e vulnerante da referida arma, soçobrando, por via de conseguinte, a própria materialidade do delito em comento.

2.) Não bastasse tal mácula, temos que o primeiro perito, ______________, como afirmado pelo próprio à folha ____, não possui curso superior.

Mencionada circunstância, fulmina o laudo, visto que à luz do artigo 159, parágrafo 1º, do CPP, deve o perito contar, necessariamente, com curso superior, para ser convocado.

Em decorrência do que nulo é o auto de ofensividade, por ausência de requisito de admissão do primeiro perito para compor o corpo técnico, de sorte, que como dito e repisado o mesmo não possui curso superior.

3.) Outrossim, tendo-se presente que a norma penal a que indevidamente subjugado o réu, visa como fim primeiro e último a salvaguarda da segurança coletiva, e tendo-se presente, que do fato tributado ao denunciado, não decorreu lesão e ou ofensa a segurança pública - ainda que remotamente - temos, que a conduta testilhada pelo mesmo é atípica sob o ponto de vista criminal, uma vez que carece de requisito capital e vivificador do tipo, qual seja ter decorrido com a ação do réu, lesividade a incolumidade pública.

Neste sentido é a mais candente jurisprudência, colhida junto aos tribunais pátrios, digna de decalque, por sua extrema pertinência e similitude a hipótese em discussão:

"APELAÇÃO - PORTE DE ARMA - Art. 10 da Lei n.º 9.437/97 - Ausência de provas da autoria do delito - Crime de perigo abstrato - Inconstitucionalidade - Princípio da lesividade - Porte não ostensivo - Ausência de risco à incolumidade pública - Absolvição decretada.

I.- Não existindo prova suficiente de que a arma apreendia era de propriedade do réu, não há que se falar em caracterização do delito de porte de arma na modalidade ‘guardar’.

II.- Quanto o agente não utiliza a arma de fogo em porte ostensivo, não colocando em risco a incolumidade pública, é de se reconhecer a ausência de lesividade ao bem jurídico protegido pela lei penal.

III.- Não havendo a imperiosidade da proteção de bem jurídico, fato existente nos chamados crime de perigo abstrato meramente formais, é inaceitável a intervenção penal, porquanto inócua e estigmatizante.

IV.- O princípio da lesividade ou ofensividade possui lastro constitucional exatamente no art. 5º. inciso XXXIX, Constituição Federal/88, e, no âmbito penal, qualquer tentativa de aplicação de um direito preventivo mostra-se insubmissa e desgarrada da Regra Excelsa, o que é vedado.

V.- Absolvição decretada" (Acórdão 0317434-3, ApCrim, ano 2000, julgado em 19.12.2000, 2ª Câmara Criminal do TAMG, Rel. Juiz ALEXANDRE VICTOR DE CARVALHO).

DO MÉRITO

Segundo sinalado pelo réu em seu termo de interrogatório de folha _______, temos como dado incontroverso que a arma apreendida não pertencia ao réu, mas sim a ______________, o qual transportada aludido artefato no porta-luvas de seu automóvel VW Brasília.

Quanto a prova reunida à demanda, pretensamente inculpatória, a mesma resume-se a inquirição de dois milicianos.

O policial militar __________, ouvido à folha _______, não possui lembrança do fato, salientando apenas, que foi procedido o arresto de um revólver, nas proximidades do ________________, atribuindo ao policial ____________ a realização da apreensão aludida arma.

Por seu turno o policial militar, __________, ouvido à folha _____, em aberta contradição com seu colega de farda, atribuiu a apreensão da arma ao policial _______, aduzindo, entretanto que coube ao mesmo o confisco do artefato, localizado no porta-luvas do automóvel, precisando, ainda, que eram dois os ocupantes do veículo, sendo que um deles assumiu a propriedade da arma, omitindo, conduto, o nome deste.

Assim, temos, que a prova arregimentada no deambular da instrução é insuficiente para servir de estamento a um juízo de exprobação, haja vista, não elucidou a identidade do proprietário da arma apreendida, a qual pertencia a ____________, consoante proclamado pelo réu.

Sinale-se, ademais, que para referendar-se uma condenação no orbe penal, mister que a autoria e a culpabilidade resultem incontroversas. Contrário senso, a absolvição se impõe por critério de justiça, visto que, o ônus da acusação recai sobre a artífice da peça portal. Não se desincumbindo, a contento, de tal tarefa, marcha, de forma inexorável, a peça parida pela dona da lide a morte.

Neste norte, veicula-se imperiosa a compilação de jurisprudência autorizada:

"A prova para a condenação deve ser robusta e estreme de dúvidas, visto o Direito Penal não operar com conjecturas" (TACrimSP, ap. 205.507, Rel. GOULART SOBRINHO)

"Sem que exista no processo um prova esclarecedora da responsabilidade do réu, sua absolvição se impõe, eis que a dúvida autoriza a declaração do non liquet, nos termos do artigo 386, VI, do Código de Processo Penal" (TACrimSP, ap. 160.097, Rel. GONÇALVES SOBRINHO).

"O Direito Penal não opera com conjecturas ou probabilidades. Sem certeza total e plena da autoria e da culpabilidade, não pode o Juiz criminal proferir condenação" (Ap. 162.055. TACrimSP, Rel. GOULART SOBRINHO)

"Sentença absolutória. Para a condenação do réu a prova há de ser plena e convincente, ao passo que para a absolvição basta a dúvida, consagrando-se o princípio do ‘in dubio pro reo’, contido no artigo 386, VI, do C.P.P" (JUTACRIM, 72:26, Rel. ÁLVARO CURY)

Destarte, todos os caminhos conduzem, a absolvição do réu, frente ao conjunto probatório domiciliado à demanda, em si sofrível e altamente defectível, para operar e autorizar um juízo de censura contra o denunciado.

ANTE AO EXPOSTO, REQUER:

I.- Seja acolhida a primeira preliminar para o efeito de proclamar-se a nulidade do exame de ofensividade da arma de fogo, visto que não foram produzidos disparos para atestar a capacidade vulnerante desta, com o que resta comprometida a própria materialidade da infração, a ter do artigo 386, inciso II, do Código de Processo Penal.

II.- Seja apreciada e agasalhada a segunda preliminar, declarando-se nulo o auto de exame de ofensividade de arma de fogo, eis confeccionado por pessoa impedida para tal tarefa, em virtude de não possuir a escolaridade exigida (curso superior)

III.- Como última prefacial, seja reputada, tida e havia como atípica a conduta palmilhada pelo réu, de sorte que não restou evidenciado ter este lesado o bem jurídico protegido pela lei, qual seja a segurança coletiva, cumprindo ser absolvido a teor do artigo 386, inciso III, do Código de Processo Penal.

IV.- No mérito, seja o réu absolvido, uma vez que negou de forma peremptória e concludente a imputação que lhe foi assacada pela peça portal coativa, por força do artigo 386, IV, do Código de Processo Penal.

Nesses Termos

Pede Deferimento.

________________, ___ de _________ de 2.0___.

_______________________________
DEFENSOR PÚBLICO TITULAR

OAB/UF _______________


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
Alegações finais por parte do réu, em face de crime fiscal
Contra-razões de pena corporal e multa
Contra-razões de apelação de substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direit
Alegações finais de estelionato
Pedido de nulidade do auto de prisão em flagrante por inexistência de representação
Pedido de abertura de inquérito policial (02)
Contra-razões de preliminar de nulidade contra desentranhamento de alegações finais
Habeas corpus para trancamento da ação penal com pedido de liminar
Habeas corpus de instituição financeira
Impetração de ordem de habeas corpus, com consequente pedido de alvará de soltura
Recurso de agravo de execução para anulação de laudo de exame criminológico e de sentença
Apresentação de memoriais em ação penal por crime de receptação culposa