Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Alegações finais de memoriais em que a ré afirma não ter cometido crime de sonegação fiscal

Petição - Penal - Alegações finais de memoriais em que a ré afirma não ter cometido crime de sonegação fiscal


 Total de: 15.244 modelos.

 
Memoriais em que a ré afirma não ter cometido crime de sonegação fiscal.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA .... VARA CRIMINAL DA COMARCA DE .....

PROCESSO N.º .... / ....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência oferecer razões finais na forma de

MEMORIAIS

pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

Não merece prosperar em hipótese alguma a imputação contida na denúncia de fls., principalmente pelo que está inserido nos autos, pois, conforme veremos, a conduta da Ré em momento algum encaixa-se na forma prevista no artigo 1º, inciso II da Lei n.º 8.137 / 90.

Inexistem provas que demonstrem ou confirmem a conduta infratora da Ré, pois sua atuação sempre foi no sentido de agir conforme determina a legislação fiscal, emitindo sempre que necessário as devidas notas fiscais de saídas de mercadorias e remetendo o talonário para o escritório de contabilidade.

Os depoimentos colhidos nestes autos, confirmam que a Ré sempre atuou comercialmente dentro da lei, ou seja, jamais demonstrou a intenção de sonegar seja por omissão ou não qualquer nota fiscal.

Nos depoimentos das testemunhas de defesa comprovou-se que a Ré emitia nas competentes notas fiscais e enviava para o escritório de contabilidade, contratado para prestar assessoria na área fiscal.

A testemunha de acusação arrolada as fls. foi sincero em afirmar que na sua experiência como agente fiscal de rendas, o indivíduo quando quer omitir ou fraudar o fisco não preenche qualquer documento ou notas, ou seja, o infrator simplesmente omite tais documentos comprobatórios e sujeitos a fiscalização, sendo que no caso em tela ocorreu o inverso, demonstrando a atipicidade da conduta empreendida pela Ré .

A Ré jamais facilitou ou incentivou qualquer omissão visando lucro de seu estabelecimento comercial, mesmo porque caso fosse verdade não preencheria as notas e as enviaria para o escritório de contabilidade, consequentemente a Ré com esta conduta isenta-se de qualquer infração e não deixa dúvida quanto a sua idoneidade.

DO DIREITO

Inexistem sequer indícios de conduta delituosa por sua parte, pois não basta a prática de um fato típico e lícito para infligir pena, é imprescindível, sempre, que fique demonstrada a culpabilidade. Além da imputabilidade do sujeito e a exigibilidade de conduta diversa, há que se exigir a potencial consciência da ilicitude do fato cuja ausência exclui a culpabilidade

Os delitos econômicos em geral atualmente previstos, na sua grande maioria, somente são punidos a título de "dolo''. Raramente o legislador faz referência à figura culposa, que, por isso mesmo, não sendo expressamente prevista, inexistirá. Prevalece o princípio da excepcionalidade do delito culposo, acolhido no art. 18, parágrafo único, do nosso CP vigente.

Portanto, não é justo imputar a Ré a prática de crime fiscal por omissão de lançamentos das notas fiscais de saídas de mercadorias nos competentes livros fiscais, pois conforme já sobejamente relatado neste processo crime, a Ré sempre agiu dentro da lei e obedecendo todas as normas pertinentes a espécie.

Na ausência do dolo, não existe a conduta descrita na denúncia, razão pela qual a Ré não merece ser condenada.

DOS PEDIDOS

Estando sobejamente demonstrada a conduta atípica da Ré e, consequentemente a desconfiguração da infração descrita na denúncia, requer pela IMPROCEDÊNCIA "IN TOTUM" da presente Ação Penal, e consequentemente pela absolvição da Ré .....

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
Réu sofrendo prisão ilegal
Recurso e razões de inexigibilidade de conduta diversa de furto tentado
Contra-razões de agravo em execução interposto contra decisão que concedeu alta progressiva em me
Impetração de habeas corpus, ante à ilegalidade de prisão preventiva de acusado por crime de homi
Denúncia por crime de latrocínio
Contra-razões de apelação de homicídio por legítima defesa
Alegações finais de memoriais apresentados pelo Ministério Público, nos quais pugna-se pela pronú
Ação cautelar de arresto de bens de devedor sem domicílio
Recurso e razões de apelação de furto simples
Pedido de abertura de inquérito policial pelo crime de estelionato, ante à devolução de cheque se
Requerimento de diligência
Requerimento de mandado de expedição de buscar e apreensão domiciliar com o objetivo de localizar