Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Impugnação aos embargos à arrematação, alegando-se ilegitimidade ativa para tanto

Petição - Civil e processo civil - Impugnação aos embargos à arrematação, alegando-se ilegitimidade ativa para tanto


 Total de: 15.244 modelos.

 
Impugnação aos embargos à arrematação, alegando-se ilegitimidade ativa para tanto.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

AUTOS Nº .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor;

IMPUGNAÇÃO

aos embargos à arrematação opostos por ........, pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

PRELIMINARMENTE

DA ILEGITIMIDADE ATIVA

Dispõe o art. 746 do Código de Processo Civil:

"É lícito ao devedor oferecer embargo à arrematação ou à adjudicação, fundados em nulidade da execução, pagamento, novação, transação ou prescrição, desde que supervenientes à penhora." (grifamos)

Com efeito, os embargantes são partes ilegítimas para a propositura dos presentes embargos, pois cabe ao devedor fazê-lo, desde que presente alguma das hipóteses mencionadas.

Tem-se como devedores, a empresa ...... e o alienante do imóvel em questão, ..... , na condição de garantido do contrato e avalista da cártula (autos nº ........ em apenso).

Os embargantes, na realidade, são pessoas estranhas à execução e carecedores da ação de embargos à arrematação, pois não detém legitimidade para ocuparem o pólo ativo da relação processual, quer pela legislação, quer pelo entendimento jurisprudencial:

"O terceiro não tem legitimação para opor embargos à p. arrematação", (TRF - 4ª Turma, AC 120.849 - RJ, rel. Min. Antônio de Pádua Ribeiro, j. 31.8.87, v. u. DJU 17.9.87, p. 19.583)."

Os embargantes, anteriormente, interpuseram embargos de terceiro, os quais foram julgados improcedentes (fls. 196/2000). Mantida a sentença em segunda instância, restou transitada em julgado (fls. 201/213 dos autos em apenso).

Pugnado pelo conhecimento da preliminar, devem ser considerados carecedores da ação proposta e, via de conseqüência, declarada a extinção do processo, sem julgamento do mérito, com escopo no artigo 267, inciso VI, do Código de Processo Civil.

DO MÉRITO

DOS FATOS

Os embargantes alegam, em síntese, a falta de intimação própria e do ........., dos atos do leilão, requerendo, assim, a declaração da nulidade do praceamento e da arrematação.

Num segundo plano, asseveraram que o bem foi avaliado fora do preço vil, pedindo, também, a nulidade da arrematação, com base no artigo 692 do Código de Processo Civil.

Argumentaram ainda, que a penhora recaiu em bem da família, que pela Lei n 8009/90 é impenhorável, devendo, também nesse caso, ser decretada a nulidade da execução.

Foram regularmente intimados do leilão, juntamente com os devedores, na forma da certidão exarada às fls. 236 - verso dos autos em apenso.

Argüíram, ainda, que não houve intimação do ................, porém, esta se tornou desnecessária, pois a hipoteca que recaia sobre o imóvel objeto da penhora restou cancelada pela quitação do financiamento (fls. 51).

Questionam que a avaliação do imóvel está abaixo do preço de mercado. Ocorre que, que a avaliação foi realizada por avaliador judicial que goza de fé pública (fls. 83 e 84), mantida pelo despacho de fls. 90.

E ademais, a arrematação não foi por preço vil como alegam os embargantes. Como se vê no auto de arrematação, esta se deu pelo valor de R$ ......., portanto , acima de ...... do valor da avaliação (fls. 102).

DO DIREITO

Dentro do pacífico entendimento jurisprudencial, destacam-se os seguintes arrestos;

"PROCESSUAL CIVIL - AGRAVO REGIMENTAL - RECURSO ESPECIAL - EXECUÇÃO FISCAL - ARREMATAÇÃO - PREÇO VIL - IMPROVIDO - I - Considera-se preço vil o inferior à metade do valor da avaliação. Precedentes desta Corte. II - Inexistência de violação à Súmula nº 07/STJ. III - Agravo regimental a que se nega provimento". (STJ - AGRESPE 347327 - SP - 1ª T. - Rel. Min. Francisco Falcão - DJU 01.07.20020)".

"PROCESSO CIVIL - AGRAVO DE INSTRUMENTO - ARREMATAÇÃO - NULIDADE - PREÇO VIL - 1 . Considera-se nula a arrematação realizada por menos de 55% do valor da avaliação dos bens. 2. Agravo provido. (TRR 1ª R. - AG. 01000400399 - MG - 4ª T. - Rel. Des. Fed. Hilton Queiroz - DJU 19.06.2002 - p. 85).

"EXECUÇÃO FISCAL - EMBARGOS À ARREMATAÇÃO - AVALIAÇÃO - PREÇO VIL - 1. O rol das matérias passíveis de discussão em sede de embargos à arrematação, elencadas no art. 746 do CPC, é taxativo, não admitindo ampliação. 2. considera-se preço vil aquele inferior a 50% do valor pelo qual foi o bem constrito avaliado. 3. Na hipótese dos autos, foi o bem arrematado, em segundo leilão, atingindo a oferta montante superior a 50% do valor da avaliação, não se caracterizando a arrematação por preço vil."
(TRF 4ª R. - AC 2000.71.05.004902-5 - RS - 2ª T. - Rel. Des. Fed. Dirceu de Almeida Soares - DJU 06.03.2002 - p. 2225).

"APELAÇÃO CÍVEL - EMBARGOS A ARREMATAÇÃO - A embargante não pode ser beneficiada com a argüição de nulidade da praça por falta de intimação de credores outros da sua realização, pois somente os preteridos pela arrematação poderiam suscitar tal nulidade. Preço vil. Regular avaliação do imóvel através de perito. Lanço de 60% do valor da avaliação não constitui preço vil. Impossibilidade de se promover a execução de modo menos gravoso para o devedor. Sentença de improcedência dos embargos mantida. Apelação desprovida". (TJRS - APC 70001596048 - 6ª C. Civ. - Rel. Des. Cacildo de Andrade Xavier - J. 20.02.2002).

Aduzem ainda, que a penhora recaiu em bem de família, portanto, impenhorável de acordo com a lei n. 8.009/90.

Dispõe o artigo 1º da referida lei;

"O imóvel residencial próprio do casal, ou da entidade familiar é impenhorável e não responderá por qualquer tipo de dívida civil, comercial, fiscal previdenciária ou de outra natureza, contraída pelos cônjuges ou pelos pais ou filhos que sejam seus proprietários e nele residam ... (grifamos).

Conclui-se, com isso, que os embargantes não podem invocar tal norma para se beneficiar, pois não contraíram nenhuma obrigação perante o embargado.

Os embargantes, como visto, estão tentando, a todo modo, procastinar o andamento normal da execução. Já usaram do remédio legal para desconstruir a penhora (embargos de terceiro) e não obtiveram sucesso.

E ao interporem os presentes embargos, sem qualquer legitimidade ativa para tanto, devem ser considerados litigantes de má-fé, a teor dos artigos 16 e 17, incisos II e VI do Código de Processo Civil.

"art. 17. Reputa-se litigante de má-fé aquele que:
II - Alterar a verdade dos fatos.
VI - Provocar incidentes manifestamente infundados."

De ressaltar ainda, que anteriormente os embargantes haviam manifestado interesse em retardar o regular andamento da execução via petições de fls. 238/239 e 240/241. As pretensões foram rechaçadas pelo despacho de fls. 100, o qual restou irrecorrido.

Por isso, devem os embargantes serem considerados litigantes de má-fé e condenados ao pagamento de indenização em favor do embargado (artigo 18 e seus §§ do CPC).

DOS PEDIDOS

Considerando o exposto, requer:

a) o conhecimento da preliminar, para o fim de ser decretada a extinção do processo sem julgamento do mérito (art. 267, VI do CPC);
b) sendo outro o entendimento do magistrado, quanto ao mérito, a total improcedência dos embargos;
c) a condenação dos embargantes, em qualquer das hipóteses, ao pagamento das custas e verbas honorária.
d) sejam os embargados reputados como litigantes de má-fé e condenados ao pagamento de uma indenização a ser fixada.

O embargado não tem provas a produzir, vez que a matéria é exclusivamente de direito.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Ação de execução de honorários advocatícios
Agravo inominado, haja vista recurso de agravo de instrumento não ter sido conhecido pelo Tribuna
Hipótese de não haver acordo quanto à nomeação do árbitro
Ação ordinária de revisão e redução de cláusula penal de distrato contratual
Ação de execução de obrigação de fazer
Réplica de adoção c/c destituição do pátrio poder
Informação da conta bancária para depósito de alimentos
Ação de indenização por danos morais e materiais, em decorrência de erro judiciário consistente e
Alvará judicial de resíduos previdenciários
Ação rescisória da contribuição social
Ação de execução de título executivo judicial
Contestação, sob alegação de impossibilidade de indenização decorrente de contrato de seguro em g