Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Embargos de terceiro, com a finalidade de suspensão de leilão marcado

Petição - Civil e processo civil - Embargos de terceiro, com a finalidade de suspensão de leilão marcado


 Total de: 15.244 modelos.

 
Embargos de terceiro, com a finalidade de suspensão de leilão marcado, alegando-se que o imóvel financiado foi adquirido por escritura pública de compra e venda.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA ..... VARA DA JUSTIÇA FEDERAL DA SUBSEÇÃO DE .... - SEÇÃO JUDICIÁRIA DO .....

....., brasileiro (a), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ..... e ....., brasileiro (a), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., casados entre si, residentes e domiciliados na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vêm mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

EMBARGOS DE TERCEIRO

em face de

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, pessoa jurídica de direito público interno com sede na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ...., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

Conforme se infere dos autos sob nº .... de Ação Ordinária Cominatória, os embargantes são os legítimos proprietários do bem imóvel constituído pelo .... nº .... do Edifício ...., situado na Rua .... nº ...., na Comarca de ...., objeto do registro imobiliário ...., respeitada a hipoteca que existe em favor da instituição financeira, que é agente do Sistema Financeiro de Habitação.

A propriedade foi adquirida por escritura pública de compra e venda outorgada por ...., que sub-rogou aos embargantes todos os direitos e obrigações relativos ao contrato de financiamento e demais avenças firmado em data de .../.../..., com a pessoa jurídica embargada, que recusou a anuência expressa na escritura.

Baseando-se no contrato de mútuo existente com a alienante e sem acatar a sub-rogação do ônus real, a pessoa jurídica embargada ajuizou a execução de título extrajudicial sob nº .... contra a mutuária ...., exigindo o pagamento do saldo devedor antecipado por ela contratado. Assim, no processo de execução, foi efetivada a penhora e o depósito do imóvel de propriedade dos embargantes, procedendo-se aos demais atos processuais para a venda em leilão, que está designado para o próximo dia .... de ....

Os embargantes, portanto, têm direito, pretensão e ação contra a pessoa jurídica embargada, no sentido de impedir a venda em hasta pública do imóvel penhorado e avaliado por R$ ...., em data de .../.../..., porquanto são os legítimos proprietários e foram sub-rogados nos direitos e obrigações do contrato de mútuo e demais avenças firmado pela executada.

DO DIREITO

A possibilidade jurídica do pedido, nestas circunstâncias, decorre da melhor exegese dos arts. 1.046 e seguintes do Código de Processo Civil, considerando-se que a compra e venda com sub-rogação de ônus real é válida e legal, consoante a norma dos arts. 292 e 293 da Lei de Registros Públicos (com a redação dada pela Lei 6.941/81), que derrogou qualquer forma de vencimento antecipado da dívida e execução do contrato, na hipótese de alienação pelo mutuário do imóvel hipotecado, sem anuência do credor.

Ademais, a execução da pessoa jurídica, sem dúvida, esbarra no art. 122 do Código Civil, pois a cláusula que prevê o vencimento antecipado da dívida e a execução contratual é nitidamente potestativa e portanto, irrita, anulando a avença. Em recente decisão, o Tribunal de Justiça do Paraná, através da Egrégia 1ª Câmara Cível, em acórdão da lavra do Des. Otto Sponholz, acatou integralmente esse entendimento, concluindo que o imóvel hipotecado é de propriedade do mutuário e que o credor deve limitar seus direitos aos casos previstos no Código Civil (art. 1425), pois a hipoteca não torna inalienável o imóvel dado em garantia.

A sub-rogação do ônus real, nestas condições, deve ser respeitada em nome dos embargantes, pois a legislação especial do Sistema Financeiro de Habitação, na época da lavratura do contrato de mútuo e demais avenças admitia a simples transferência ao novo mutuário, sem qualquer refinanciamento do saldo devedor, como pretende a pessoa jurídica embargada, segundo se infere na ação ordinária cominatória, em andamento perante este Juízo Federal, e que depende de sentença final.

A modificação inserida na Lei nº 4.380/64, conforme a Circular 1.214/87, do Banco Central do Brasil e o Decreto-lei nº 2.406/88, no sentido de admitir a transferência do contrato de financiamento pelo Sistema Financeiro de Habitação através de outro contrato afronta o princípio do direito adquirido, decorrente do ato jurídico perfeito e, assim, não pode atingir o contrato em exame, que foi firmado em data de ..../.../... Logo, a execução de título extrajudicial contra .... e a recusa da pessoa jurídica embargada em transferir o contrato originário ao casal embargante, inegavelmente, autorizam o processamento dos embargos de terceiros pelos novos proprietários do imóvel hipotecado à embargada.

Respondendo consulta formulada pela Caixa Econômica Federal, acerca do Provimento nº 32/88 da Corregedoria de Justiça do Paraná, o então corregedor, Desembargador Nunes do Nascimento, teve oportunidade de afirmar o seguinte:

"Sem dúvida a cláusula de inalienabilidade não cabe no imóvel hipotecado, como a hipoteca não cabe imóvel inalienável; não há forma de convivência legítima entre a hipoteca e a inalienabilidade e vice-versa."

Walter Ceneviva, in Lei dos Registros Públicos Comentada e agora no seu Manual de Registro de Imóveis, edição de 1988, referencia claramente a dispensabilidade do credor hipotecário intervir no instrumento, ensinando:

"O imóvel hipotecado pode ser alienado, assim como podem ser transacionados pelo devedor os direitos a ele referentes, sem que o credor intervenha no instrumento negocial, desde que satisfeitas as exigências deste dispositivo (art. 292, da Lei nº 6.015/73 com a redação da Lei nº 6.941 de 14/09/81)."

Em consulta formulada a 1ª Vara de Registros Públicos de São Paulo, publicada na Revista de Direito Imobiliário nº 11/159, o emérito Juiz de Direito Narciso Orlandi Neto, já dava a melhor interpretação ao texto legal, dizendo:

"O art. 292 da Lei 6.015/73, com a redação dada pela Lei nº 6.941/81, não exige anuência do credor hipotecário, mas prévia comunicação, nos prazos previstos, da alienação de imóvel dado em hipoteca a agente financeiro do Sistema Financeiro de Habitação em garantia de financiamento de casa própria."

Resta comprovado que mesmo com a discordância expressa do agente financeiro, o mutuário pode transferir a unidade hipotecada, satisfeitas as exigências dos artigos 292 e 293 da Lei de Registros Públicos.

Verificado no caso presente, que o mutuário alienante do bem imóvel, por ocasião da lavratura da escritura de compra e venda com sub-rogação de ônus real, procedeu legalmente e satisfez as exigências dos arts. 292 e 293 da Lei nº 6.015/73 combinada com a Lei nº 6.941/81, evidentemente, a pessoa jurídica embargada não pode se opor ao negócio jurídico entre os particulares, eis que incorre na hipótese o vencimento antecipado da dívida para autorizar a execução do contrato de mútuo e demais avenças. Por isso, vale lembrar o acórdão nº 7613, lavrado pelo Des. Otto Sponholz de 05/03/91, onde a Egrégia 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná decidiu o seguinte:

"(1) O ordenamento legal vigente não permite ao agente financeiro interferir no contrato, a não ser naquelas questões que dizem respeito à garantia instituída a seu favor, ou seja, à hipoteca. O imóvel é do mutuário, pois o pacto adjeto de hipoteca não retira ou afeta o direito de propriedade."

"(2) A instituição de novo encargo com a transferência do bem representa uma limitação ao poder de dispor e uma deturpação do instituto da hipoteca."

"(3) Ademais, a própria Lei nº 4.380/64, que instituiu o Sistema Financeiro para aquisição da casa própria, deixa transparecer a possibilidade de transferência. A oneração com um novo financiamento é contrária ao Direito positivo vigente, que sempre admitiu a cessão de contratos relativos a imóveis mediante simples trespasse ou transferência, sem que se inove as obrigações passadas para o cessionário relativamente ao credor do cedente."

"(4) É curial que mera circular administrativa não tem força para alterar o disposto na Lei Federal nº 4.380, de 21 de agosto de 1964, que admite expressamente a cessão de contratos de financiamento. Ora, ainda que se admita a legalidade da circular referida, esta não pode alcançar e querer modificar os contratos firmados anteriormente, à época em que se permitia a transferência mediante cessão.
Apelação improvida."

Daí, inegavelmente, a certeza jurídica de que o casal embargante não deve sofrer a constrição judicial deferida em favor da instituição financeira embargada, pois o título executivo extrajudicial, apesar de líquido e certo, é inexigível. O processo de execução contra ...., atingindo o bem imóvel de propriedade dos terceiros embargantes, sem dúvida, afronta as normas de direito positivo, no campo substantivo e processual, ensejando a pronta intervenção do Judiciário.

DOS PEDIDOS

1) Na exposta conformidade, respeitosamente, os embargantes propõem perante Vossa Excelência os presentes Embargos de Terceiro, esperando que se digne deferir liminarmente o pedido, de modo a suspender o leilão do bem imóvel de propriedade dos mesmos e que está penhorado no processo de execução de título extrajudicial (autos nº ...., .... x ....), procedendo-se a posterior citação da instituição financeira embargada.

2) Outrossim, diante dos jurídicos fundamentos invocados, os embargantes pedem a Vossa Excelência que haja por bem julgar procedente a ação incidental, reconhecendo a ilegalidade da penhora e demais atos executórios praticados contra a propriedade de terceiros, na pendência da ação ordinária cominatória (autos nº ....),que visa o cumprimento da obrigação do agente do Sistema Financeiro de Habitação fazer a sub-rogação dos direitos e obrigações decorrentes do contrato de mútuo e demais avenças que instrui o processo de execução de título extrajudicial movido pela embargada.

3) Pedem ainda os embargantes, que a embargada seja condenada a pagar as custas judiciais e honorários advocatícios a serem arbitrados sobre o valor da ação, que corresponde a R$ ...., conforme a avaliação do imóvel objeto do processo de execução.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Réplica de ação de prestação de contas
Contestação de ação de interdito proibitório
Pedido de oitiva de perito em audiência
Impugnação à contestação, em ação de cobrança, alegando-se renúncia ao benefício de ordem, incabi
Ação revisional de contrato de arrendamento mercantil (leasing)
Interposição de ação cautelar para obstar especulação de ações
Recurso de ação de cobrança de reparação de danos
Contestação à impugnação ao valor da causa
Pedido de indenização face a prejuízos ocasionados ao imóvel, por obras efetivadas em terreno viz
Recurso extraordinário de ação revisional de contrato de cooperativa
Agravo de instrumento para admissão de recurso especial ou extraordinário
Ação de imissão de posse cumulada com ação de ressarcimento de danos