Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Contestação à ação de indenização decorrentes de contrato de arrendamento rural

Petição - Civil e processo civil - Contestação à ação de indenização decorrentes de contrato de arrendamento rural


 Total de: 15.244 modelos.

 
Contestação à ação de indenização decorrentes de contrato de arrendamento rural, sob alegação de ilegitimidade passiva, afirmando, no mérito, que jamais deixou o autor sem terra para plantio.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

AUTOS Nº .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência apresentar

CONTESTAÇÃO

à ação de indenização interposta por ....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

PRELIMINARMENTE:

ILEGITIMIDADE PASSIVA - CARÊNCIA DE AÇÃO

O Código de Processo Civil determina que o réu, antes de discutir o mérito, deve, se for o caso, alegar a carência de ação, segundo o artigo 301, X.

Ocorre que o réu já não mais é proprietário de mencionado imóvel desde ..../..../...., por tê-lo alienado gratuitamente, por doação, a suas filhas ...., ....., .... e ...., consoante se vê na anexa xerox autenticada da escritura pública de Doação lavrada em ..../..../...., no Tabelionato ...., da Comarca de ...., no livro ...., fls. ...., devidamente registrada na matrícula nº ...., sob nº ...., em ..../..../...., no Cartório do Registro de Imóveis da Comarca de ...., como se vê no carimbo aposto na última folha da escritura retro mencionada, de cópia anexa.

Indiscutível, pois, que o réu não mais é proprietário do imóvel objeto da questão, em área parcial, desde o último mês de .... de ....

O Estatuto da Terra - Lei nº 4.504, de 30.11.64 - prevê, no artigo 92, § 5º que:

"A alienação ou a imposição de ônus real ao imóvel não interrompe a vigência dos contratos de arrendamento ou de parceria, ficando o adquirente sub-rogado nos direitos e obrigações do alienante."

Fica evidenciado que qualquer ação relativa a direitos sobre contratos que envolvam a terra, e que partam de arrendatários, deve ser dirigida ao proprietário da terra.

No presente caso o réu, não sendo mais o proprietário, é parte ilegítima para responder a ação, caracterizando-se a carência de ação contra ele, porque ajuizada após a transação acima noticiada.

Nesse passo a jurisprudência:

"Arrendamento Rural - A alienação do imóvel objeto do contrato agrário não interrompe a relação contratual que passa do antigo ao novo proprietário (§ 5º do art. 92 da Lei nº 4.504, de 1964 e art. 15 do Decreto nº 59.566, de 1966) computando-se, pois, na duração do contrato, o prazo que antecedeu a transferência." (Ap. Cível 83/75, do TA/RS, publicado na RT 478/198).

Em conseqüência, Requer, preliminarmente, reconheça a ilegitimidade do réu para a presente ação, julgando o autor carecedor de ação.

Pede também condenação do autor nos honorários advocatícios de 20% s/o valor da causa, já que o fato de ser beneficiário de Justiça gratuita não o isenta de tal condenação, segundo jurisprudência mais atual.

DO MÉRITO

O réu doou o imóvel às filhas, conforme demonstrado na preliminar, em razão do que há carência de ação contra ele, como se viu.

Mas ele tem conhecimento dos fatos, porque continuou administrando a propriedade em foco.

Em razão disso, "ad cautelam" permite-se, embora a carência de ação seja patente, em contestar também o mérito da causa.

Também no mérito a ação é improcedente, porque as alegações da inicial não correspondem à realidade.

O autor não ficou sem terra para plantar, não sofreu prejuízo algum por qualquer ato do réu e, ademais a área de plantio informada não corresponde à realidade. Além disso continua ocupando a casa de moradia, com pertences dele, autor, na propriedade objeto da ação.

DOS FATOS

O início do contrato, feito verbalmente, efetivamente foi .... de ....

A participação do autor na colheita, de ....% no algodão, e de ....% no milho, bem como as condições contratuais indicadas, quanto aos serviços, tratos na terra, estão também corretas.

Mas a área objeto do plantio indicada na inicial não é verdadeira.

Na verdade o contrato compreendia apenas .... alqueires de algodão e apenas .... alqueire de milho, sendo este apenas para os gastos do autor, sem intuito de venda. O milho era usado, pelo autor, apenas para criação de animais seus, razão porque não o vendia.

O réu está, na verdade, formando pastagens na propriedade, mas em momento algum deixou o autor sem terra para o plantio e cultivo das culturas previstas no contrato verbal mantido com o autor.

A alegação de que "o Requerente ficou sem um palmo de terra para plantar" (item 5 da inicial) é um absurdo.

O réu plantou, para a safra ..../...., naquela propriedade, .... alqueires de algodão, tendo oferecido ao autor o cultivo da área relativa a seu contrato, mas este, o autor, recusou-se, alegando que não interessava.

Dessa maneira, o réu não infringiu qualquer disposição legal a respeito do contrato que mantinha com o autor. Em razão disso inexiste qualquer dano, não há nenhum lucro cessante a ser indenizado ao autor.

Além disso, o autor foi notificado, verbalmente, pelo réu, com antecedência de .... meses, para desocupação imóvel.

Sem infração contratual do réu e, ademais, tendo notificado o autor para a desocupação - o que não se efetivou até o momento - nada pode ser exigido do réu, pelo autor.

Ademais, o autor não teve um procedimento totalmente honesto perante o réu, no tocante ao cultivo da terra, por duas razões, pelo menos:

a) Plantou, uma vez, amendoim, numa pequena área, de aproximadamente .... alqueire, não tendo prestado contas ao réu da ....ª parcela da venda;

b) Doutra feita, plantou girassol, também em cerca de .... alqueire, plantio esse feito sem consulta ao réu, tendo feito a colheita e também não prestou contas. Evidentemente não é um procedimento recomendável, porque apesar de pequena área utilizada, não era de propriedade do autor, e sequer era objeto de qualquer contrato com o réu.

Na verdade, o autor foi quem deixou de proceder ao cultivo da área que lhe cabia cultivar, em razão do contrato mantido com o réu.

O autor, sob o falso entendimento de prorrogação do contrato de parceria agrícola por .... anos, quando na verdade este é o prazo mínimo para os contratos verbais, pediu indenização por mais .... anos, o que não tem qualquer fundamento, quer fático, quer legal e, muito menos, jurisprudencial.

DO DIREITO

O art. 95, II, do Estatuto da Terra prevê que:

"Presume-se feito, no prazo mínimo de três anos, o arrendamento por tempo indeterminado, observada a regra do item anterior."

E o inciso I prevê:

"Os prazos de arrendamento terminarão sempre depois de ultimada a colheita, inclusive a de plantas forrageiras temporárias cultiváveis ..."

Dessa forma, passado o prazo mínimo legal, de .... anos, existe, na falta de denúncia do contrato, a prorrogação do mesmo por prazo indeterminado, até que uma das partes resolva rescindi-lo mediante apenas o tempestivo aviso com os .... meses de antecedência exigidos na lei.

Assim, com a notificação, ainda que verbal, nada se poderá exigir do proprietário a título de indenização, lucros cessantes, ou qualquer outra verba, desde que respeitado o prazo para a colheita dos frutos objetos do contrato, como manda a lei.

A jurisprudência a respeito é uníssoma:

RT 474/213
"ARRENDAMENTO RURAL - Duração do contrato - Prazo mínimo - Liberdade para Renovação ... Ação de Despejo procedente ... A notificação premonitória dos réus foi procedida há mais de seis meses antes da distribuição da ação ... Não importa que a notificação não tenha sido feita judicialmente: não há essa exigência na lei e, por outro lado, a que foi feita atingiu plenamente a sua finalidade, ou seja, a de levar ao conhecimento dos réus a intenção do proprietário de retomar o imóvel para exploração direta. Não é outro o espírito do art. 244 combinado com o art. 250, parágrafo único, do CPC. ...
Quanto aos prazos mínimos de duração dos contratos, foram ultrapassados em ambos os casos: .... está no imóvel há mais de .... anos e .... há mais de ...., de maneira que o prazo mínimo de .... anos foi respeitado. É verdade que nos contratos agrários, qualquer que seja a sua forma (verbal ou escrita), hão de ser observados obrigatoriamente os prazos mínimos de duração, previstos no art. 13, nº II, 'a' do Decreto nº 59.566, de 14.11.1966. O mesmo, entretanto, não se dá com a renovação do contrato, que pode ser convencionado livremente pelas partes (art. 96, nº V, 'c', da Lei nº 4.504, de 30.11.64." (Ac. 35/75, Londrina, TA/PR, em 05.03.75).

Paraná Judiciário 3/59:
"Rescisão de contrato - Parceria agrícola - O prazo do contrato só é de .... anos, se não convencionado, de acordo com a Lei nº 4.504, de 30.11.64. Parceiro que abandona o trabalho não pode pedir rescisão do contrato com perdas e danos." (Ac. 1155/69, Cambé, TJ/PR, em 25.03.70).

Paraná Judiciário 18/108:
"Apelação Cível. Parceria Agrícola. Notificação. Nos contratos verbais e por tempo indeterminado de parceria agrícola, já vigindo há mais de .... anos, pretendendo o proprietário retomada das terras para sua exploração direta, a notificação não tem necessariamente que obedecer às formalidades exigidas pelo Estatuto da Terra, pois não há preferência para ser assegurada. - Desejando o proprietário explorar diretamente a terra, como afirma, não havia porque assegurar a preferência aos parceiros, e não tem aplicação o disposto no art. 96, nº II, da Lei nº 4.504 (Estatuto da Terra), e art. 22, do Decreto nº 59.566. Nenhuma notificação com as formalidades exigidas pela legislação agrária era necessária." (Ac. 184/74, Jaguapitã, TJ/PR, em 15.05.74).

Paraná Judiciário 28/71:
"Parceria Agrícola. Rescisão. Notificação. Se o contrato prorrogou-se por tempo indeterminado, a notificação para desocupação pelo ser feita a qualquer tempo, obedecido o prazo de seis meses." (Ac. 124440, TJ/PR, em 09.11.76).

No caso presente não houve nenhuma retomada da terra pelo réu, para que o autor pleiteasse qualquer valor por indenização e muito menos retomada ex-abrupto, como referido na inicial.

Muito ao contrário, tendo sido comunicado pelo réu, de que utilizaria a terra após a colheita do algodão, limitou-se o autor a mudar-se da propriedade e, segundo se diz reside agora na Comarca de ...., mas não desocupou a casa onde morava, tendo lá deixado pertences seus, sujeitando-se, inclusive a sofrer despejo.

Nem mesmo interessou-se o em cultivar a área de algodão da safra que agora se finda (em ....), porque tal foi oferecido pelo réu, sem que o autor aceitasse sua proposta, como já dito.

Tais fatos, por si mesmos já tornam a ação totalmente improcedente.

Conforme demonstrado pelo V. Acórdãos trazidos acima, vencido o prazo mínimo de .... anos para a parceria verbalmente contratada, há uma prorrogação do contrato por prazo indeterminado.

Nesse caso, para a retomada da terra por seu proprietário, basta a notificação, por simples aviso, com a antecedência mínima de seis meses, sempre respeitada a produção pendente de colheita.

Ora, apenas para argumentar, ainda que inexistisse a notificação, ainda que a retomada fosse sem aviso, o máximo que o parceiro arrendatário poderia pleitear seria o valor líquido da safra seguinte, do mesmo produto objeto do contrato. Por valor líquido entenda-se o valor da produção menos todo o custeio, como sementes, adubos, venenos, manutenção da lavoura, colheita, combustíveis, despesas de transportes, impostos incidentes, etc. e deduzida também a participação do proprietário, evidentemente.

Evidente que, se a notificação visa salvaguardar apenas a safra seguinte, o direito do arrendatário-parceiro não ultrapassaria, em qualquer hipótese, aos valores, já líquidos, dessa mesma safra.

Exatamente por essa razão o pedido da inicial não tem qualquer fundamentação, já que pleiteou valores das safras ..../.... até ..../...., ou seja, a produção de .... safras.

Além disso o autor supervalorizou, elevou a realidade dos valores, para sua apresentação em Juízo.

Com relação ao milho, pediu o autor o valor de R$ ...., por safra, considerando uma produtividade de .... sacas por alqueire, e cultivo de .... alqueire, como dito no início da petição exordial.

Entretanto, a produtividade da lavoura de milho do autor mais atingiu .... sacas por alqueire, porque a terra não era mecanizada e a produção sempre foi muito baixa. Se muito, a produção alcançaria no máximo .... sacas por alqueire.

Aliás, o milho produzido pelo autor não era nunca debulhado, porque era o mesmo utilizado por ele na propriedade, para trato de seus animais.

O autor, apresentando o cálculo do total de R$ .... (inclusive a parte do réu) para .... sacas de milho, utilizou o valor de R$ .... por saca, muito elevado para a época da colheita de ....

Mas, ainda que se utilizasse o mesmo valor por saca, teríamos o seguinte cálculo:

.... (sacas por alqueire) x R$ .... (por saca) = R$ ....

Como a parte do autor era de ....%, sua participação seria de R$ ...., em valor bruto.

No caso do milho o autor "fazia todo o serviço na referida lavoura", isto é, o réu apenas participava com a terra.

Assim, do valor bruto de R$ .... teriam que ser deduzidas todas as despesas, desde a semente, o preparo da terra, o cultivo, e tudo o mais, inclusive o valor do frete, etc., restando, a final, pouca coisa para o autor, em face da pequena área de apenas .... alqueire objeto do contrato com relação ao milho.

E isto utilizando-se dos valores fornecidos na inicial.

Na verdade, porém, o valor da produção é ainda menor.

Veja-se:

Na última safra de milho plantada pelo autor, o réu recebeu, pelos seus ....% da colheita de milho, apenas .... balaios de milho não debulhado.

Ora, se o réu recebeu .... balaios e sua parte era de ....%, significa o seguinte:

- produção total = .... balaios = ....%
- parte do réu .... balaios = ....%
- parte do autor .... balaios = ....%

Ora, na medida rural, .... balaios equivalem a cerca de apenas .... carros de milho que, ao preço de então, de R$ .... por carro, dariam ao autor o valor de apenas R$ .... brutos, afora o custo total.

Estes os dados reais da última colheita de milho, já que o réu recebeu apenas .... balaios referentes à sua parte do milho.

Vê-se, pois, a irrealidade dos valores constantes da inicial.

Da mesma forma que o milho, o cálculo para algodão, além de ter sido feito sobre a falsa base de .... alqueires, quando na verdade o cultivo era de apenas .... alqueires, utilizou também uma produtividade muito elevada para a região, de .... arrobas, quando não passa de ...., no máximo, estando a média por volta de .... arrobas.

Ainda com os critérios da inicial, apenas com o acerto da área, teríamos, ao invés de .... alqueires, .... na realidade, o que já reduziria a verba de .... Dessa forma, pelo cálculo da inicial, a parte do autor seria .... do que pediu, que equivaleriam a R$ ...., nada mais. Isto para abandonar o realismo do cálculo.

E, considerando o valor bruto de R$ ...., o valor líquido a renda efetiva seria muito menor, na realidade.

Nota-se, pois, e isto deverá ficar provado na instrução a improcedência das alegações do autor.

Ainda no campo da jurisprudência, dias atrás, ou mais precisamente no último dia ..../..../...., conforme publicação no Diário da Justiça do ...., nº 928, pág. 8, veio a lume o V. Acórdão nº 12.960, do E. Tribunal de Alçada do Paraná, julgando a apelação cível nº 1204/80, de Rolândia, julgado em 10.03.81, onde se vê:

EMENTA:
"Parceria agrícola. Contrato por prazo indeterminado. Retomada do imóvel, a qualquer tempo. Notificação. Direito à conclusão da colheita pendente. Inexistência de relação jurídica decorrente de prorrogação contratual. A legislação agrária fixa um prazo mínimo para o contrato primitivo, mas não para a sua renovação ou prorrogação, que, por isso, pode ser livremente convencionada ao arbítrio das partes, por qualquer prazo, assegurada sempre a conclusão da colheita pendente, sem que isso importe em infração aos limites por ela traçados. Assim, em se tratando de contrato de parceria agrícola, celebrado verbalmente e por prazo indeterminado, cumprindo que seja o prazo mínimo de três (3) anos (art. 96, I, da Lei nº 4.504/64), poderá o parceiro-outorgante, a qualquer tempo, pela inexistência de termo adéqüem e relação jurídica decorrente de prorrogação contratual, recuperar o imóvel, uma vez procedida a notificação do parceiro-outorgado, concedendo-lhe o prazo de seis (6) meses para a sua desocupação (art. 1209, do Código Civil), mas assegurando-lhes, contudo, o direito à conclusão de colheita dos frutos pendentes."

DOS PEDIDOS

Ante todo o exposto - e se superada a preliminar provada - Requer o julgamento da improcedência da ação, cominando ao autor o pagamento dos honorários advocatícios na base de 20% sobre o valor da causa, por ser tal verba devida ainda que beneficiário o autor da Justiça gratuita.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Ação ordinária de declaração de crédito cumulada com repetição de indébito
Alvará judicial de conta bancária de falecimento de esposo
Ação de imissão de posse, com pedido de tutela antecipada
Ação de imissão de posse, cumulada com perdas e danos
Embargos de devedor, sob alegação de inexistência de negócio jurídico entre as partes
Ação de rescisão de contrato de consórcio, com pedido de restituição de parcelas pagas, corrigida
Ação monitória para fins de recebimento de valores referentes à intermediação de compromisso de c
Contestação e pedido de indenização
Pedido de protesto em face de inadimplemento contratual
Embargos à título executivo extrajudicial que se encontra prescrito
Contestação à ação de indenização por acidente de trânsito, requerendo a conversão do rito sumári
Ação ordinária de dissolução de união estável cumulada com separação de corpos, alimentos e parti