Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Tributário Restituição da taxa de iluminação pública

Petição - Tributário - Restituição da taxa de iluminação pública


 Total de: 15.244 modelos.

 
Restituição da taxa de iluminação pública.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ___ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE _______

____________, brasileiro, ________, ___________, portador da Carteira de Identidade n.º _________ CPF n.º __________, residente e domiciliado à _________n.º ___ ,_______, ________ e _________, brasileiro, _________, _____, portador da Carteira de Identidade n.º ________ - __ CPF n.º _________, residente e domiciliado à Rua ______, _______, _____, __________, vêm, por intermédio de seu advogado infra - firmado, propor a presente

AÇÃO DECLARATÓRIA CUMULADA COM REPETIÇÃO DO INDÉBITO E PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA

em face do MUNICÍPIO DE ________, com endereço na ___________,_______,_________ pelos motivos de fato e de direito que passa agora a aduzir:

1 - DOS FATOS

Os autores da presente ação, bem como os demais moradores desta cidade, vêm sendo cobrados mensalmente em consórcio com a Companhia ___________ , tributo ilegal e inconstitucional, denominado de "TAXA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA".
A cobrança da referida Taxa é compulsória, haja vista que vem embutida mensalmente na conta de luz que é fornecida ao consumidor, e o não pagamento da taxa ali inserida enseja no imediato corte da energia elétrica.
Assim, não resta outra alternativa aos residentes nesta cidade, a não ser efetuar o pagamento da taxa ilegal que lhes vem sendo imposta.

2 - DO DIREITO

Ao estabelecer a competência para instituir tributos, a Constituição Federal preceitua em seu art. 145, caput e inciso II:
"Art. 145. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes tributos:
II - taxas, em razão do exercício do poder de polícia ou pela utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos ESPECÍFICOS E DIVISÍVEIS, prestados ao contribuinte ou postos à sua disposição."

Em conformidade com nossa Carta Magna, diz ainda mais o Art. 77 do Código Tributário Nacional:

"Art. 77. As taxas criadas pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, no âmbito de suas respectivas atribuições, têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia, ou a utilização, efetiva ou potencial de serviço público específico e divisível, prestado ao contribuinte ou posto à sua disposição.
Excelência, ao analisarmos os preceitos acima elencados, podemos chegar à conclusão de que os municípios, dentro de suas atribuições, podem instituir taxas relativas a serviços públicos, desde que esses sejam específicos e divisíveis.
De acordo com art. 79 do Código Tributário Nacional, os serviços públicos se consideram:
"II - Específicos, quando possam ser destacados em unidades autônomas de intervenção, de utilidade ou de necessidade públicas;"
"III - Divisíveis, quando suscetíveis de utilização, separadamente, por parte de cada um dos seus usuários."

Como se pode observar, a Taxa de Iluminação Pública cobrada pela Prefeitura é totalmente ilegal, já que por ser pública, não possui esse caráter de especificidade e de divisibilidade.
É um serviço genérico, à disposição de todos os cidadãos. Essa é a característica básica dos serviços públicos, que dificilmente podem ser definidos como específicos ou divisíveis.
São reiteradas as Jurisprudências de nossos Tribunais, no sentido de que a cobrança da famigerada Taxa de Iluminação Pública é totalmente inconstitucional, não tendo a Prefeitura até a presente data, cancelado a sua cobrança.
Vejamos o acórdão proferido pela Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Espírito Santo em 30/09/97 no processo n.º 013979000133, que tinha como relator o saudoso Desembargador Lúcio Vasconcellos de Oliveira:

"A Taxa de Iluminação Pública cobrada pela municipalidade é MANIFESTAMENTE ILEGAL, afrontando o art. 145, II da Carta Magna, que somente autoriza o poder público instituir cobrança de taxas em casos de serviços específicos, ou seja, serviço que não seja geral, isto é, serviço público propriamente dito."

É importante destacar a Súmula n.º 12 do Egrégio Tribunal de Alçada Cível do Estado do Rio de Janeiro, que se pronunciou a respeito deste assunto, destacando:

"Súmula 12. É ilegítima a cobrança de Taxa de Iluminação Pública Municipal, porque ausentes as características da especificidade e divisibilidade."

Também sobre este tema, já decidiu o Egrégio Superior Tribunal de Justiça, em decisão prolatada pelo insigne Ministro Hélio Mosimann, no RESP nº 19.430/RS, DJ de 25/09/95:

TRIBUTÁRIO. TAXA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. ILEGALIDADE.
"Sem os requisitos da especificidade e da divisibilidade, previstos no Código Tributário Nacional, não se justifica a cobrança da taxa.
O serviço de iluminação pública tem caráter genérico e não divisível ou específico, sendo prestado 'a coletividade, como um todo, sem benefício direto para determinado imóvel ou certo contribuinte."

No mesmo sentido já se manifestou o Supremo Tribunal Federal, a respeito da matéria, mantendo o mesmo entendimento. Vejamos o voto do Ministro Ilmar Galvão no RE 233332-6, proferido em 18/02/99:

"... A hipótese dos autos é de singela solução, eis que de aplicação da Súmula 12 desta Corte, verbis: 'É ilegítima a cobrança de Taxa de Iluminação Pública municipal, porque ausentes as características de especificidade e divisibilidade.' Isso porque a inexistência desses pressupostos do serviço prestado a cada munícipe importa a INCONSTITUCIONALIDADE da instituição e cobrança desse tributo, por ofensa aos arts. 145, II da CF, e 77 e 79 do CTN." (Grifos nossos)

Assim, não obstante a referida Taxa ser ilegal, por infringir o Art. 77 do Código Tributário Nacional, bem como o Art. 145, II da Constituição Federal, os contribuintes têm o direito de serem restituídos pelos valores pagos indevidamente, a teor do Art. 964 do Código Civil Brasileiro.

DO PEDIDO:

Tendo exposto os fundamentos de fato e de direito, requer a V. Ex.ª:
1 - A concessão de TUTELA ANTECIPADA, com o objetivo de sustar, de imediato, a cobrança da Taxa de Iluminação Pública, tendo em vista que a matéria já foi devidamente analisada e decidida pelo Egrégio Supremo Tribunal Federal, oficiando-se a Companhia ____________ para que se abstenha de cobrar a referida Taxa nas próximas contas de energia elétrica dos autores, devendo a referida intimação ser feita na central de atendimento da empresa nesta cidade, localizada à _______________
2 - A citação do Réu para que, querendo, responda à presente ação, sob pena de REVELIA;
3 - A PROCEDÊNCIA do pedido, com a decretação da ilegalidade da referida Taxa de Iluminação Pública, bem como a condenação do Réu na devolução dos valores pagos indevidamente pelos autores, acrescidos de juros e correção monetária a serem apurados em liquidação da sentença e, ainda, no pagamento das custas judiciais e honorários advocatícios, estes na proporção de 20% sobre o valor da condenação.
Protesta ainda provar o alegado por todos os meios de prova em direito admitidos e, em especial, prova documental, bem como o depoimento pessoal do representante da suplicada, sob pena de confissão.
Para fins do art. 39, I do Código de Processo Civil, o endereço ao rodapé desta página.
Dá a causa o valor de R$_______ ( ________________ ).

Nestes Termos,
Pede Deferimento.
__________, _________ de _________ de 2.007

___________________
OAB


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Tributário
Inconstitucionalidade de recolhimento indevido do INSS
Execução fiscal de direito tributário de depositário fiel
Embargantes reiteram a falta de título líquido e certo para execução fiscal
Impetração de mandado de segurança preventivo, tendo em vista anterior negativa de carga de autos
Embargos à arrematação, alegando-se ausência de citação pessoal e preço vil
Associação de bancários impetra mandado de segurança coletivo contra a Receita Federal, em face d
Embargos à execução fiscal sob a alegação de extinção de crédito tributário pela prescrição
Bitributação de imposto de renda
Impetração de mandado de segurança para retirada do nome de empresa do CADIN
Certidão negativa de débito
Ação de repetição de indébito, pleiteando-se a restituição, pela Fazenda do Estado, de valores in
O Autor é contribuinte do IPTU, imposto de competência municipal, o qual vem recolhendo anualment