Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Trabalhista Interposição de embargos à penhora, para impugnação de cálculos de liquidação trabalhista

Petição - Trabalhista - Interposição de embargos à penhora, para impugnação de cálculos de liquidação trabalhista


 Total de: 15.245 modelos.

 
Interposição de embargos à penhora, para impugnação de cálculos de liquidação trabalhista.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA ..... VARA DO TRABALHO DE ....., ESTADO DO .....

RECLAMATÓRIA TRABALHISTA N.º .....

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA, instituição financeira sob a forma de Empresa Pública, autorizada a constituir-se pelo Decreto-lei n.º 759/69, com seu Estatuto aprovado pelo Decreto n.º 1.138/94, com sede em Brasília/DF, com Escritório de Negócios neste Estado e representação em ....., na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por seus advogados credenciados, instrumento de mandato anexo, vem

EMBARGOS À PENHORA

pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DO MÉRITO

Denota-se que ocorreram alguns equívocos nos cálculo de liquidação de sentença, conforme veremos a seguir:

Os cálculos de fls. .... homologados por esse Juízo, data vênia, merecem reformas, eis que não se coadunam com as decisões do julgado.

1. DO FGTS

O cálculo apresenta-se equivocado no que tange ao FGTS do período laboral compreendido entre 15.08.1992 a 15.08.1995, valores referentes à prescrição do direito de agir com relação a todos os direitos anteriores a 15.08.92, declaradas em desfavor do Reclamante falecido.

Junta-se, em anexo, consulta ao FGTS, que comprova tais alegações.

A sistemática de cálculo adotada pelo Perito gera uma duplicidade de pagamento, pois o Reclamante, através de seus herdeiros, já efetuou o saque dos valores contidos em sua conta vinculada de FGTS em 26.01.96 e 21.02.96, datas em que foi efetivado os saques, no código 23 – falecimento, ver documento anexo.

Como demonstrado os depósitos foram feitos normalmente até junho de 1995, restando somente os depósitos referentes às verbas deferidas, a serem regularizados em sede de liquidação de sentença.

Diante disso, impõe-se a reforma nos pontos aqui atacados.

Sendo assim, para evitar o pagamento incorreto, o perito deverá retificar os demonstrativos do FGTS, excluindo no período em que houve pagamento em dobro.

2. DA ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA

O método utilizado pelo perito para atualizar o débito não encontra respado legal, logo, o calculista aplicou indevidamente a correção dos valores do mês de referência, à título de ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA, contrariando a legislação vigente – CLT, Art. 459, e parágrafo único, que assegura a aplicação do índice do mês subseqüente ao mês de referência.

Logo merece reforma os cálculos apresentados pelo “expert” para retificá-lo de acordo com o caput art. 459.

Diante de tal ressalva, incorreta está a apuração do RSR sobre os reflexos de horas extras pagos em dobro, assim, impõe-se a reforma.

3. DOS JUROS

Incorreta o critério utilizado pelo expert para apurar os juros de mora, pois a Reclamação Trabalhista está sendo movida contra MASSA FALIDA, nesta situação não é devido juros de mora, segundo a Lei de Falências.

Como a Caixa está sendo executada subsidiariamente, na qualidade de tomadora de serviços em relação a devedora principal, a qual está em processo de falência, por analogia, seria aquela beneficiária da Lei de Falências, corroborada por entendimento majoritário na doutrina e jurisprudência que afasta a incidência de juros nas execuções sobre massas falidas.

A não aplicação dos referidos Juros de Mora encontra-se prevista na Lei de Falências.

Logo, tendo sido a CAIXA condenada a arcar com os deveres da “MASSA FALIDA - em sua condenação subsidiária - ela também deverá ter a prerrogativa de usufruir seus direitos, no caso, o de não ser condenada (penalizada) ao pagamento de JUROS DE MORA - conforme determinação contida na Lei de Falências”.

Como a Lei de Falências afasta a APLICAÇÃO DOS JUROS, o valor bruto devido ao Reclamante monta o total de R$ 8.093,44.

DOS PEDIDOS

Por todo o exposto, do que dos autos consta e por tudo o mais que com certeza será suprido por Vossa Excelência, a CAIXA, respeitosamente , requer:

a) sejam recebidos os presentes EMBARGOS, suspendendo-se a execução até anterior decisão;
b) seja intimada a Embargada para, no prazo de cinco dias impugnar os presentes embargos, sob pena de revelia;
c) sejam reformados os cálculos apresentados pelo expert, uma vez que na remota hipótese da Caixa vier a ser condenada ao pagamento seja no valor total de R$ 6.000,00.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Trabalhista
Falência da reclamada
Defesa prévia à reclamatória trabalhista
Reclamação trabalhista de apresentador de tv
Informação acerca de assédio moral de instituição bancária, que impede que seus empregados deponh
Mandado de segurança impetrado contra ato de juiz trabalhista que determinou a penhora de valores
Pedido de ofício à junta comercial de alterações da empresa
Reclamação trabalhista de hora extra e reflexos
Contestação, a ausência de vínculo empregatício, além da inexistência de grupo econômico
Interposição de exceção de impedimento em face de perito
Alegações finais pelo reclamante, nas quais se reitera a existência de: labor extraordinário
Interposição de reclamatória trabalhista por parte de sindicato, na posição de substituto process
Pedido de condenação do depositário