Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Constitucional Impetração de mandado de segurança com a finalidade de corte de árvores

Petição - Constitucional - Impetração de mandado de segurança com a finalidade de corte de árvores


 Total de: 15.244 modelos.

 
Impetração de mandado de segurança com a finalidade de corte de árvores.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

....., brasileiro (a), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ..... e ....., brasileiro (a), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., casados entre si, residentes e domiciliados na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vêm mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência impetrar

MANDADO DE SEGURANÇA

em face de

.... (qualificação), autoridade lotada no Instituto Ambiental do ...., autarquia estadual, pessoa jurídica de direito público, com sede na Rua .... nº ...., na Comarca de .... - ...., e escritório regional na Av. .... nº ...., na Comarca de .... - ...., no qual exerce a função de ...., ou seu ato abusivo e ilegal, pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

Os impetrantes são senhores e possuidores de um imóvel rural denominado Fazenda ...., constituída do lote de terras sob nº ...., da subdivisão do lote nº ...., da Gleba nº ...., do Núcleo ...., Município de ...., Comarca de ...., Estado do ...., com área de .... hectares, segundo matrícula nº ...., de ..../..../...., do Cartório de Registro de Imóveis da Comarca de ...., Estado do ...., ....º Ofício, a qual é destinada à exploração de pecuária e madeiras.

Há no citado imóvel rural uma área de .... hectares cultivada em grevileas cujo plantio se fez intercalado em lavoura cafeeira, a qual foi radicada e transformada em pastagens anos depois, contando, hoje, essas árvores, em número de .... (....), com a idade entre .... a .... anos, como se vê das fotos ilustrativas (docs. junto).

Os impetrantes pretendendo colher .... (....) árvores dessas grevileas para serem cortadas, transformadas em toras e entregues à serraria de propriedade da firma ...., quem, em ..../..../...., as adquiriu, consoante contrato de compra e venda (doc. junto), para serrá-las, transformando-as em madeiras industrializadas para usos diversos, e, com efeito, livrar a área de terras respectivas ao desenvolvimento das pastagens, postulou ao órgão do impetrado autorização ao corte das citadas árvores, cujo pedido foi acolhido e, no dia ..../..../...., expedido autorização ao corte, a qual denominou informação de corte nº ...., com validade de ...., sob condição de ser revalidado, se não concluído o corte (doc. junto).

O adquirente dessas árvores não concluiu o corte delas no prazo concedido. Um, porque havia no pátio de sua serraria estoque de toras outras para serem serradas antes. Dois, porque grevilea é uma madeira de fácil decomposição, exigindo corte e industrialização de inopino, não podendo ficar suas toras em estoque, de modo que é preferível que permaneçam em pé durante a espera do corte. Daí, hoje, como acabou o estoque de toras da citada serraria, chegou a vez delas. Mas, no dia ..../..../...., o impetrado indeferiu o pedido dos impetrantes de revalidação dessa autorização, sob o fundamento de que lhes havia concedido mais .... (....) dias de prazo ao término do corte, além do prazo inicial de .... meses, que é longo, e que, segundo a Portaria nº 098/95, inexiste segunda renovação.

Vê-se, pois, que a autoridade impetrada, ferindo direito líquido e certo dos impetrantes, impede-lhes o exercício do direito de propriedade. Impede-lhes a colheita dos frutos de seu trabalho, o aproveitamento das árvores cultivadas para a produção de madeiras e de lenhas.

Os impetrantes têm no cultivo de grevilas fonte de rendas ao sustento de sua família e de seus empregados. Impedir o corte delas é como lhes subtrair, tirar, suprimir seus alimentos. É como lhes conduzir ou condenar a fome.

Ademais, como já dito, os impetrantes já venderam as citadas árvores. Com efeito, se não for renovado a autorização ao corte, não terão como adimplir o respectivo contrato. Inclusive, com prejuízo considerado, já que a citada serraria está parada por lhe faltar toras para serem serradas, estando seus empregados de braços cruzados, ganhando remuneração sem trabalho.

Destarte, visando atenuar os efeitos, os prejuízos que terão que suportar pelo pagamento dos salários dos empregados da citada serraria e dos seus, os quais irão ganhar sem trabalhar, além de outros compromissos urgentes, ser necessário urgência na renovação da autorização ao corte das citadas árvores.

DO DIREITO

As árvores referidas são de propriedade dos impetrantes. Logo, têm-nos o direito de desfrutá-las, usando-as, gozando-as, dispondo-as e reavendo-as do poder de quem quer que injustamente as possua.

Vejamos os termos destes artigos:

"Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
(...)
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
(...)
XXII - é garantido o direito de propriedade."

"Art. 524 - A lei assegura ao proprietário o direito de usar, gozar e dispor de seus bens, e de reavê-los do poder de quem quer que injustamente os possua."

A jurisprudência não se desvencilha do entendimento legal do direito de propriedade, v.g. in RT 533/222:

"MANDADO DE SEGURANÇA - Impetração para garantir direito de propriedade - Alinhamento de via pública - Concessão."

Segundo a observação contida na autorização de corte em tela (informação de corte nº ....), no campo denominado importante, item ...., a revalidação da autorização de corte das citadas árvores é uma imposição legal.

Vejamos o respectivo termo:

E2"IMPORTANTE: 7. Este documento deverá permanecer no local do corte, para efeito de fiscalização ambiental e terá validade por 06 meses, podendo ser revalidado pelo IAP caso não concluído o corte."

Assevera-se, outrossim, que não há impedimento legal ao corte de árvores, ou florestas plantadas, consoante os termos do artigo 12 do Código Florestal (Lei nº 4.771/65).

Vejamos os termos deste artigo:

"Art. 12 - Nas florestas plantadas, não considerando de preservação permanente, é livre a extração de linha e demais produtos florestais ou a fabricação de carvão."

Por outro lado, não poderá ser negado pedido de renovação de autorização de corte de árvores plantadas, sob o fundamento de que portaria lhe impede (Portaria nº 098/95), havendo multa pendente, a qual, após discutida, poderá ser objeto de execução fiscal, e sendo o pedido de renovação formulado pela segunda vez. Ou, em outras palavras, não pode o poder público indeferir pedido de pessoa interessada de colheita de frutos, a pretexto de que há sobre ela multa pendente, máxime como forma coercitiva ao seu recolhimento. Um, porque fere o direito de propriedade. Dois, porque fere o direito de ampla defesa (art. 5º, LV, da CF). Três, porque portaria não é lei e ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei (art. 5º, II, da CF).

Vejamos alguns julgados publicados nas Revistas dos Tribunais nºs 626/150, 641/123, cujas questões são similares à questão deste writ:

ENERGIA ELÉTRICA - Corte no fornecimento - Falta de pagamento de tarifa de consumo - Medida visando a compelir o usuário a saldar o débito - Inadmissibilidade - Mandado de segurança concedido - Voto vencido.
Ementa oficial: Mandado de Segurança. Atraso no pagamento de débito resultante de consumo de energia elétrica. Interrupção no fornecimento. Inadmissibilidade. Não se admite o corte do fornecimento de energia elétrica como forma de compelir o usuário a pagar dívida em atraso.
ApMS 2.640 (reexame) - 2ª C. - j. 17.11.87 - rel. Des. Hélio Mosimann.

ALVARÁ - Licença de funcionamento de atividade - Ato administrativo unilateral vinculado - Outorga obrigatória uma vez preenchidos os requisitos legais - Negativa fundada em motivos impertinentes - Mandado de Segurança concedido.
Licença é ato administrativo unilateral, vinculado, mediante o qual o Poder Público faculta ao administrado o exercício de determinada atividade que, sem tal anuência, seria verdade. Preenchidas as exigências legais, a Administração é obrigada a outorgar o benefício pleiteado. Assim, não pode subsistir negativa de alvará para licença de funcionamento fundada em motivos impertinentes, pois o poder de polícia municipal tem seus limites.
Ap. 104.873-1 - 1ª C. - j. 22.12.88 - Rel. Des. Álvaro Lazzarini.

Idem, outro julgado publicado na RT 727/189, que diz:

"A brusca vedação das queimadas, sem tempo hábil para que as impetrantes possam planejar a modificação de seu sistema produtivo traz esse risco, justificando a concessão da segurança." (MS 278.526-1/8 - 3ª C. - j. 30.01.1996 - Rel. Des. José Cardinale)

A Lei Maior atribuiu ao Poder Judiciário o poder de examinar a legalidade ao ato administrativo de qualquer autoridade do Poder Executivo ou Legislativo, ou atos, que lesar o direito do indivíduo, anulando-o, se ilegal ou abusivo, ou suprindo-o, se omisso, cujo instrumento é o do mandado de segurança (art. 5º, LXIX), com aplicação dos preceitos contidos na Lei nº 1.533, de 31 de dezembro de 1951.

Ostenta-se da inicial os requisitos e condições indispensáveis à concessão deste writ.

Na seara dos requisitos, demonstrou-se:

a) preexistência de um direito subjetivo individual líquido e certo dos impetrantes;
b) superveniência de um ato administrativo que prejudicou e está prejudicando esse direito; e
c) preexistência de violação ao citado direito por parte de uma autoridade.

E, na seara das condições, demonstra-se:

a) não se tratar de um ato que caiba recurso administrativo sem prejuízo aos impetrantes;
b) não se tratar de um ato judicial que haja recurso previsto na lei processual ou que possa ser modificado por correição; ou
c) não se trata de ato disciplinar.

O rito processual in specie sub judice é o especial, previsto pela Lei nº 4.348/64.

DOS PEDIDOS

Ex Positis, os impetrantes requerem a Vossa Excelência se digne:

a) conceder-lhes in limine e inaudita altera parte o presente mandamus, ordenando-se a expedição do competente mandado de segurança a fim de que lhes sejam permitidos o corte de árvores referidas, as quais serão transformadas em toras, transportadas e serradas, transformando-as em madeiras e lenhas, e, com isso, suprindo o ato administrativo de indeferimento do pedido de revalidação da autorização ao corte das respectivas árvores;
b) declarar, após ouvido as autoridades impetradas, e o Ministério Público, ser certo, líquido e inconteste o seu direito de propriedade das citadas árvores, para que seja mantido o direito do corte ou colheita delas, as quais são frutos de plantio destinadas à exploração comercial e industrial, com a expedição do competente mandado de segurança, a fim de que lhes sejam permitidos o corte delas, além do transporte, transformação e vendas de madeiras e lenhas, suprindo o ato administrativo de indeferimento do pedido de revalidação da autorização ao corte das respectivas árvores, se não deferido liminarmente; e
c) condenar a autoridade impetrada aos efeitos da sucumbência, já que o seu ato administrativo aqui citado é abusivo e ilegal.

Protesta-se por todos os meios de provas em direito admitidos.

Dá-se à causa o valor de R$ .....

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Constitucional
Impetração de mandado de segurança em face de autoridade que condicionou o licenciamento de veícu
Mandado de segurança em face de paralisação de serviços de empresa
Ação Civil pública impetrada para a obstrução de construção de shopping center e manutenção de pa
Ação Direta de Inconstitucionalidade de lei estadual
Pedido de suspensão de execução de sentença prolatada em ação civil pública
Informações prestadas por autoridade coatora em mandado de segurança
Mandado de segurança em face de ato de diretor que vedou a matrícula de aluno em universidade
Mandado de segurança em face de juiz que proibiu que o impetrante tomasse vista dos autos
Recurso extraordinário interposto por parte de Estado
Ação popular ante a contratação de promotores públicos para cargos de secretários de Estado, conf
Mandado de segurança em face de juiz que impediu vistas dos autos à estagiários inscritos na OAB
Ação direta de inconstitucionalidade em face de lei que instituiu a Comissão de Conciliação Prévi