Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Tributário Taxa progressiva de juros

Petição - Tributário - Taxa progressiva de juros


 Total de: 15.244 modelos.

 

Petição Inicial FGTS - Taxa progressiva de juros.


Excelentíssimo(a) Senhor(a) Doutor(a) Juiz(a) Federal do Juizado Especial Federal - Seção Judiciária MG.


Prioridade de Tramitação Processual
Juros Progressivos do FGTS
Expurgos Inflacionários 89/90

XXX, brasileira, solteira, aposentada, portadora da Carteira Profissional nº xx , CPF nº xx, PIS nº xx , residente e domiciliado à Rua xxxxx – Conselheiro Lafaiete/MG, com fundamento na legislação vigente e com suporte na pacífica jurisprudência dos tribunais, vem, por seus procuradores infra assinados, propor a presente

AÇÃO ORDINÁRIA DE COBRANÇA

contra a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, instituição financeira sob a forma de empresa pública, inscrita no CGC sob n. 00.360.305/0001-04, com superintendência regional sediada à rua Tupinambás, 486, Centro, em Belo Horizonte/MG, e gestora do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS, conforme razões e pedidos a seguir articulados:

PRIORIDADE DE TRAMITAÇÃO PROCESSUAL

Considerando que a autora preenche os requisitos legais necessários, conforme comprova pelos documentos inclusos, requer se digne Vossa Excelência de deferir-lhe a prioridade na prestação jurisdicional, nos termos da lei 10.173 de 09/01/2003.

JUSTIÇA GRATUITA


A Autora não pode suportar os ônus do processo sem prejuízo do próprio sustento familiar, conforme declaração inclusa, razão pela qual, requer que se digne Vossa Excelência de deferir-lhe os benefícios da Justiça Gratuita.

FATOS


A Autora exerceu a opção para o regime do FGTS em data de 01/04/68, aprovado pelo Dec. 59.820/66, documentos inclusos.

Em face da opção teve garantido o crédito de juros em sua conta vinculada do FGTS calculados pelas taxas progressivas (3% a 6%) asseguradas pelo Decreto n. 69.265/71, parágrafo 2º, combinado com o art. 4º, parágrafo único do Decreto n. 73.423/74.

Entretanto, o banco depositário, extrato incluso, atendendo às determinações do Banco Nacional da Habitação, então gestor do FGTS, creditou na sua Conta Vinculada do FGTS, apenas a taxa fixa de 3% (três por cento) ao ano.

Conforme já pacificado nos tribunais, sobre os reflexos da diferença decorrente do pedido retro em face da aplicação de taxas de juros progressivos, deve incidir, ainda, a recomposição dos expurgos inflacionários dos Planos Collor (janeiro de 1989) e Verão (abril de 1990).

DO DIREITO

Data vênia, na hipótese da situação da autora, o correto seria aplicação da taxa progressiva (de 3 até 6%) ao ano, em consonância com o disposto no art. 4º, da lei 5.107/66, com a redação que lhe deu o art. 2º, da Lei 5.705/71.

“art. 2º - Para as contas vinculadas dos empregados optantes existentes à data da publicação da Lei, a capitalização dos juros dos depósitos de que trata o art. 2º da Lei n. 5.107, de 13 de setembro de 1966, continuará a ser feita na seguinte progressão:

I. 3% (três por cento) durante os dois primeiros anos de permanência na mesma empresa;

II. 4% (quatro por cento) do terceiro ao quinto ano de permanência na mesma empresa;

III. 5% (cinco por cento) do sexto ao décimo ano de permanência na mesma empresa;

IV. 6% (seis por cento) do décimo primeiro ano de permanência na mesma empresa em diante.

Parágrafo único. No caso de mudança de empresa, a capitalização dos juros passará a ser feita sempre à taxa de 3% (três por cento) ao ano”.

A jurisprudência, inclusive na hipótese de opção retroativa, é absolutamente pacífica:

FGTS – OPÇÃO – JUROS Aos empregados que optaram, na forma permitida pelo art. 1º da Lei 5.958, de 10.12.73, com efeitos retroativos, pelo regime da Lei 5.107, de 13.09.66, deve ser assegurada a progressão de capitalização de juros prevista na Lei 5.705, de 21.09.71 (art. 2º). (RO – 3807 – SP – Rel. Min. Elmar Campos – 3ª Turma. Unânime. DJ 22.08.79 – pág. 6178).

Expurgos Inflacionários - Ademais, o valor efetivamente apurado deverá, ainda, ser recomposto, com a aplicação da correta atualização monetária nos meses de Janeiro de 1.989 (plano Collor) e Abril de 1.990 (Plano Verão), em face dos expurgos inflacionários, senão vejamos:

Expurgo de Janeiro de 1989 - ( Plano Verão) - O governo adotou novas regras para correção das Contas Vinculadas do FGTS, aplicando o rendimento acumulado da LFT verificado no mês de janeiro de l989 (art. 17 da lei 7.730/89 combinado com o artigo 6º da lei 7738/89). Entretanto o índice divulgado do IPC, em fevereiro de l989, que deveria corrigir os saldos de janeiro de l989, foi da ordem de 42,72% enquanto a variação da LTF do período sofreu variação de apenas 22,35% , resultando em perda de 16,65% no patrimônio do Autor.

Expurgo de Abril de 1990 - (Plano Collor) - No mês de abril de l990 as contas vinculadas do FGTS foram atualizadas em zero por cento, ou melhor não foram atualizadas, embora em abril tivesse sido apurada e publicada a inflação de 44,80%, conforme IPC do período, , resultando em perda de 44,80% no patrimônio do Autor.

Importa ressaltar que o direito à recomposição das contas vinculadas, relativas aos expurgos inflacionários retro referidos, já se encontra pacificamente reconhecido pelos nossos tribunais, dispensando quaisquer outras considerações.

PEDIDO

Isto posto, requer a citação da CEF - Caixa Econômica Federal, no endereço de sua sede, para responder no prazo legal, querendo, a presente ação, acompanhando-a nos seus ulteriores termos até sentença definitiva, para a final:

I. condenar a Ré a proceder a recomposição de todos os depósitos efetuados na conta vinculada de FGTS do autor, aplicando, além da atualização monetária, a taxa progressiva de juros de 3% a 6%;

II. condenar a Ré a acrescentar sobre os cálculos da aplicação da Taxa Progressiva de Juros, pedido retro, as diferenças relativas aos expurgos inflacionários dos Planos Collor e Verão, nos índices de atualização de janeiro de 1.989 - 16,65% e abril de l990 44,80%, incidentes sobre os saldos da sua conta vinculada naquelas datas;

III. condenar a Ré no pagamento dos valores ao final apurados, ou promover o crédito respectivo na Conta Vinculada do FGTS do autor;

IV. condenar a Ré, ainda, no pagamento de juros de mora de 1% ao mês sobre o valor da condenação, contados da citação, além dos ônus da sucumbência.

PROVAS

Apresenta a Autora, desde já, os documentos acostados a peça exordial, protestando, ainda, pela juntada de complementação de extratos da conta vinculada da Autora, para liquidação.

Requer, finalmente, a intimação da ré para juntar aos autos os extratos da evolução dos depósitos, atualização monetária e juros creditados na conta vinculada da autora, posto que é a atual administradora dos recursos do FGTS.

Para efeitos meramente fiscais dá-se à causa o valor de R$ 1.000,00.

Nestes termos,

pede deferimento.

Belo Horizonte,
XXXXXXXXXXX
OAB/MG xxxx


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Tributário
Recurso especial ante à violação dos pincípios constitucionais da legalidade, tipicidade e irretr
Impetração de mandado de segurança contra apreensão ilegal de mercadorias importadas, posto que i
A presente ação anulatória de débito fiscal proposta pelo Apelante visa precipuamente a declaraçã
Mandado de segurança preventivo, visando a desoneração de pagamento de taxa de importação para ob
Correção monetária de crédito tributário
Certidão negativa de débito
Declaratória de inexigibilidade do tributo
Prescrição de crédito tributário
Defesa administrativa, sob alegação de omissão de informações em auto de infração lavrado para re
Ação anulatória de crédito tributário com pedido de antecipação de tutela
Suspensão da exigibilidade do crédito do CPMF
Exceção de incompetência em denegação de seguimento