Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Recurso especial contra decisão que concedeu progressão de regime em crime hediondo

Petição - Penal - Recurso especial contra decisão que concedeu progressão de regime em crime hediondo


 Total de: 15.244 modelos.

 
Recurso especial contra decisão que concedeu progressão de regime em crime hediondo.

 

EXMO. SR. DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ....

O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ......., nos autos do Agravo em Execução nº .............. (Processo nº ................ da Vara das Execuções Criminais da Comarca de ................), em que figura como agravante E. C. e como agravado o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ......., vem perante Vossa Excelência, com fundamento no artigo 105, III, "a" e "c", da Constituição Federal; no artigo 26 da Lei nº 8.038/90; e 255, §2º, do Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça, interpor

RECURSO ESPECIAL

anexando à presente as Razões de Admissibilidade e Razões de Reforma, bem como o comprovante de recolhimento das custas recursais, requerendo que, após as demais formalidades legais, seja admitido o Recurso e, remetidos os autos ao Superior Tribunal de Justiça, para os devidos fins.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]






EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Ação originária : autos nº .....
Recorrente: .....
Recorrido: .....

O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ......, nos autos do Agravo em Execução nº .............. (Processo nº ................ da Vara das Execuções Criminais da Comarca de ................), em que figura como agravante E. C. e como agravado o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ....., vem perante Vossa Excelência, com fundamento no artigo 105, III, "a" e "c", da Constituição Federal; no artigo 26 da Lei nº 8.038/90; e 255, §2º, do Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça, interpor

RECURSO ESPECIAL

pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

RAZÕES DE RECURSO ESPECIAL

Colenda Turma

Vem o recorrente apresentar o que segue.

DOS FATOS

Condenado por crime hediondo (artigo 157, §3º, segunda parte, c.c. o artigo 14, II, do Código Penal), E. C. requereu progressão de regime prisional ao Juízo das Execuções Criminais da Comarca de Itapetininga (fls. 10/11), sendo o pedido indeferido pelo MM. Juiz (fls. 20/21). Inconformado, interpôs agravo em execução, sustentando "que todas as condições exigidas pela lei estão presentes, permitindo a aplicação do regime mais brando" (fls. 55).

A Colenda Quinta Câmara do Egrégio Tribunal de Alçada Criminal de ............., por maioria de votos, deu provimento ao agravo, "para promover agravante ao regime prisional semi-aberto" (fls. 54).

Entendeu o v. acórdão, no tocante ao reconhecimento de admissibilidade da progressão, o seguinte:

"Trata-se de agravo em execução contra r, decisão do MM. Juiz de Direito da Comarca de ............, que indeferiu o pedido de progressão ao regime semi-aberto por ser sentenciado autor de crime hediondo.

Sustenta agravante que todas as condições exigidas pela lei estão presentes, permitindo a aplicação de regime mais brando.

É o relatório.

Recorrente teve negado seu pedido de progressão ao regime prisional semi-aberto. Embora preenchesse os requisitos objetivos, como incontroverso restou nos autos, e não obstante contasse com conceitos de ótimo e bom para, respectivamente, a vida presidiária e para a atividade laborativa prisional, e ainda tivesse, por unanimidade, parecer favorável dos técnicos da Equipe Técnica de Classificação, teve, no entanto, indeferido pedido de progressão ao regime prisional semi-aberto, sob o fundamento da inaplicabilidade dessa progressão aos condenados por crimes hediondos (no caso do recorrente o crime de tentativa de latrocínio).

Mas, de rigor a promoção.

A Lei n° 8.072/90 estabeleceu que a pena pelos delitos hediondos, inclusive a prática de tortura, seria cumprida integralmente no regime fechado.

Posteriormente, a Lei n° 9.455/97, definindo o crime de tortura, estabeleceu que a pena do delito (com exceção da modalidade omissiva) deveria ser inicialmente cumprida no regime prisional fechado.

Evidenciou-se, com a lei última, tratamento mais benigno para o regime prisional possibilitou a progressão de regime prisional.

E se o fez em relação ao crime de tortura, delito hediondo, o fez também, embora não expressamente o declarasse, aos demais crimes hediondos.

É que se trata de lei ordinária, subordinada à Constituição. Esta estabeleceu tratamento unitário aos crimes hediondos. Obviamente, o comando da Lei definidora do crime de tortura, embora -silente (texto), se aplica pelo contexto), em razão de princípio constitucional (individualização da pena e da retroatividade da lei mais benéfica) aos demais crimes hediondos, na parte especial em que abranda o regime prisional (possibilita a progressão de regime).

Não se trata, pois, de afirmar a inconstitucionalidade da Lei 8072/90. Ao contrário. Ambas as Leis (8.072/90 e 9.455/97) são constitucionais e inter-relacionadas, na medida em que disciplinam os crimes hediondos (estes têm sua unidade reconhecida pela Constituição Federal, como já acenado).

Confere-se provimento ao recurso para promover agravante ao regime prisional semi-aberto, comunicando-se." (fls. 55/57).

Decidindo pela derrogação do art. 2º, §1º, da Lei nº 8.072/90, o v. acórdão recorrido negou vigência a esse dispositivo, o qual se encontra em pleno vigor, e dissentiu de julgado do Colendo Superior Tribunal de Justiça, o qual será adiante transcrito.

A causa foi decidida por Tribunal Estadual que julgou Agravo em Execução, não se trata de reexame de prova, a questão é estritamente jurídica; e o v. acórdão negou vigência ao artigo 2º, §1º, da Lei dos Crimes Hediondos (Lei nº 8.072/90, de 25/7/90), além de divergir de julgado de outro Tribunal (Superior Tribunal de Justiça). Justifica-se, portanto, o presente reclamo estribado nas alíneas "a" e "c" do inciso III, do artigo 105, da Constituição Federal.

DO DIREITO

1. DA NEGATIVA DE VIGÊNCIA DE LEI FEDERAL

No caso em foco, o ora recorrido está cumprindo pena, porque foi condenado pela prática do delito do art. 157, §3º, c.c. o art. 14, inc. II, ambos do C. Penal, considerado como crime hediondo. Ora, estabelece a Lei nº 8.072/90, com a redação que recebeu da Lei nº 8.930, de 06.09.94:

"Art. 1º - São considerados hediondos os seguintes crimes, todos tipificados no Decreto-lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, consumados ou tentados:
...
II - latrocínio (art. 157, § 3º, in fine)..." (grifo nosso).

De outra parte, a primeira das leis acima aludidas assim dispõe no parágrafo 1º de seu artigo 2º, após se referir aos crimes hediondos:

§ 1º - A pena por crime previsto neste artigo será cumprida integralmente em regime fechado.

Isso deixa claro a impossibilidade de progressão prisional pelo autor de crime hediondo. Essa conclusão não foi alterada pela Lei nº 9.455, de 07.04.1997. É certo que esta estabelece no parágrafo 7º de seu artigo 1º que o "o condenado por crime previsto nesta Lei, salvo a hipótese do §2º, iniciará o cumprimento da pena no regime fechado", mas referida redação, que admite progressão de regime para autor de crime de tortura, não revogou a vedação contida no parágrafo 1º do artigo 2º da Lei nº 8.072/90, quanto a outros crimes.

Realmente, não houve revogação expressa deste dispositivo. Por outro lado, a lei nova não é com ele incompatível quanto aos crimes de que não cogita. Além disso, ela não regulou inteiramente a matéria de que trata a lei anterior.

Assim, à vista do parágrafo 1º do artigo 2º da Lei de Introdução ao Código Civil, não cabe entender que revogada a proibição de progressão, constante da Lei dos Crimes Hediondos, em caso de latrocínio tentado.

É de observar, em reforço à posição ora defendida, que se o legislador quisesse revogar o artigo em questão, tê-lo-ia feito expressamente, como procedeu em relação ao artigo 233 do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Portanto, a Lei nº 9.455/97 tratou tão-somente da permissão de progressão de regime nos crimes de tortura, e não influiu na proibição contida no parágrafo 1º do artigo 2º da Lei nº 8.072/90, com relação a outros crimes por ela não abrangidos. Aliás, este é o ensinamento do Culto e Didático JÚLIO FABBRINI MIRABETE:

"...a norma que permite implicitamente a progressão prevista na Lei 9.455/97, por ser lei especial com relação aos crimes hediondos ou equiparados, não pode ser interpretada de modo a ter derrogado a norma geral prevista na Lei 8.072/90, continuando a ser proibida a progressão da pena nos crimes hediondos e equiparados, com exceção da tortura. Por isso que, somente quanto à possibilidade de progressão é que se distingue da tortura dos demais crimes previstos na Lei 8.0872/90" (cf. Revista da Associação Paulista do Ministério Público, agosto/97, pág. 31).

Por derradeiro, impende aqui lembrar que tal entendimento está amparado pela Jurisprudência. No sentido de que não houve a revogação em causa tem se manifestado o Egrégio Tribunal de Justiça de São Paulo (HC 249.451-3/5; Apelação Criminal 229.087.3/7-00; HC 252.051-3/7; HC 254.945-3/1-00; HC 256.329.3/5-00 e HC 258.713-3/2-00, entre outros julgados). O Colendo Superior Tribunal de Justiça já decidiu que a Lei nº 9.455/97 só se aplica a crimes de tortura (a exemplo, HC 7226-SP; HC 7383-DF e HC 7998-SP e v. acórdão que transcrevemos adiante). E na mesma esteira, entende o Colendo Supremo Tribunal Federal, confira-se:

EMENTA: - DIREITO CONSTITUCIONAL, PENAL E PROCESSUAL PENAL. TRÁFICO DE ENTORPECENTES. CONCURSO DE AGENTES. PENA-BASE. MAJORAÇÃO DA PENA (ARTIGOS 12, 14 E 18, III, DA LEI Nº 6.369/76). REGIME DE CUMPRIMENTO DE PENA: INTEGRALMENTE FECHADO (LEIS NºS. 8.072/90, ART. 1º, E 9.455, DE 07.04.1997, ART. 1º, § 7º). ART. 5º, XLIII, DA C.F. "HABEAS CORPUS".

Alegações de:

a) falta de fundamentação no acréscimo da pena-base; b) indevida incidência da majorante do art. 18, III, da Lei de Entorpecente; c) descabimento do regime integralmente fechado, no cumprimento da pena.

1. Não procede a alegação de falta de fundamentação no acréscimo da pena-base, pois o aresto, para isso, levou em consideração a "grande quantidade" de cocaína, objeto do tráfico, o que, naturalmente, evidencia a periculosidade dos agentes, pondo a coletividade em risco muito maior do que se se tratasse de apenas algumas gramas de tóxico. Precedentes.

Ressaltou, igualmente, o julgado que, no veículo utilizado, havia "um compartimento preparado para o transporte", o que mostra o propósito de se dificultar sua localização e, conseqüentemente, a apuração do delito, circunstância judicial igualmente considerável.

É de se concluir, portanto, que a pena-base foi fixada acima do mínimo legal, mas com fundamentação adequada.

2. Improcedem, igualmente, a alegação de que a majorante do art. 18, III, da Lei de Entorpecentes, não poderia ter sido aplicada à espécie.

O acórdão fundamentou-a corretamente, pois, se não houve o crime autônomo de associação, como previsto no art. 14, caracterizou-se, pelo menos, o concurso de agentes de que trata o inciso em questão. Precedentes.

3. Improcedem, por fim, a alegação de que indevida a imposição de regime integralmente fechado.

A Constituição Federal, no inc. XLIII do art. 5º, estabeleceu: "a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem".

Não se cuida aí de regime de cumprimento de pena.

A Lei nº 8.072, de 26.07.1990, aponta, no art. 1º, os crimes que considera hediondos (latrocínio, extorsão qualificada pela morte, extorsão mediante seqüestro e na forma qualificada, estupro, atentado violento ao pudor, epidemia com resultado morte, envenenamento de água potável ou de substância alimentícia ou medicinal, qualificado pela morte, e genocídio; tentados ou consumados).

No art. 2º acrescenta: os crimes hediondos, a prática da tortura, o tráfico de entorpecentes e drogas afins e o terrorismo são insuscetíveis de:

I - anistia, graça e indulto;

II - fiança e liberdade provisória.

E no § 1º: a pena por crime previsto neste artigo será cumprida integralmente em regime fechado.

Inclusive, portanto, o de tráfico de entorpecentes, como é o caso dos autos.

4. A Lei nº 9.455, de 07.04.1997, que define os crimes de tortura e dá outras providências, no § 7º do art. 1º, esclarece: "o condenado por crime previsto nesta Lei, salvo a hipótese do § 2º, iniciará o cumprimento da pena em regime fechado".

Vale dizer, já não exige que, no crime de tortura, a pena seja cumprida integralmente em regime fechado, mas apenas no início.

Foi, então, mais benigna a lei com o crime de tortura, pois não estendeu tal regime aos demais crimes hediondos, nem ao tráfico de entorpecentes, nem ao terrorismo.

Ora, se a Lei mais benigna tivesse ofendido o princípio da isonomia, seria inconstitucional. E não pode o Juiz estender o benefício decorrente da inconstitucionalidade a outros delitos e a outras penas, pois, se há inconstitucionalidade, o juiz atua como legislador negativo, declarando a invalidade da lei. E não como legislador positivo, ampliando-lhe os efeitos a outras hipóteses não contempladas.

5. De qualquer maneira, bem ou mal, o legislador resolveu ser mais condescendente com o crime de tortura do que com os crimes hediondos, o tráfico de entorpecentes e o terrorismo.

Essa condescendência não pode ser estendida a todos eles, pelo Juiz, como intérprete da Lei, sob pena de usurpar a competência do legislador e de enfraquecer, ainda mais, o combate à criminalidade mais grave.

6. A Constituição Federal, no art. 5º, inc. XLIII, ao considerar crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, não tratou de regime de cumprimento de pena. Ao contrário, cuidou, aí, de permitir a extinção de certas penas, exceto as decorrentes de tais delitos.

Nada impedia, pois, que a Lei nº 9.455, de 07.04.1997, definindo o crime de tortura, possibilitasse o cumprimento da pena em regime apenas inicialmente fechado - e não integralmente fechado.

Pode não ter sido uma boa opção de política criminal. Mas não propriamente viciada de inconstitucionalidade.

7. "H.C." indeferido." (HC-76543 / SC - 1ª Turma, Rel. Min. SYDNEY SANCHES, j. 03/03/1998, D.J.U. de 17-04-98, EMENT VOL-01906-03 PP-00494 - grifo nosso). No mesmo sentido HC 76894 - RJ, 1ª Turma, D.J.U. de 22-05-98, pp 00005, EMENT VOL-01911-02 PP-00372).

De ressalto, outrossim, que o Colendo Superior Tribunal de Justiça recentemente unificou seu entendimento:

'EMENTA: CRIMINAL. EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA. EXECUÇÃO. CRIME HEDIONDO. PROGRESSÃO DE REGIME. LEI 8.072/90 E LEI 9.455/97. EMBARGOS ACOLHIDOS.

I. A Lei nº 9.455/97 refere-se exclusivamente aos crimes de tortura, sendo descabida a sua extensão aos demais delitos elencados na Lei nº 8.072/90, em relação aos quais mantém-se a vedação à progressão de regime.

II. Embargos acolhidos." (Embargos de Divergência no Recurso Especial nº 170841 - PR, 3ª Seção, Rel. Min. GILSON DIPP, j. 13/12/1999, D.J.U. de 28/02/2000).

Diante do exposto, o v. acórdão recorrido negou, indubitavelmente, vigência ao parágrafo 1º do artigo 2º da Lei nº 8.072/90, não cabendo argumentar que a interpretação por ele adotada seria razoável, afastando, assim, a admissibilidade do recurso em face da Súmula 400 do Pretório Excelso (de discutível invocação no recurso especial), pois aqui se tem negativa de vigência do que está expresso no texto legal, situação que enseja e exige a manifestação do Colendo Superior Tribunal de Justiça.

2. DO DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL

Além de negar vigência à lei federal, o v. acórdão recorrido dissentiu de anterior julgado do Colendo Superior Tribunal de Justiça, o qual, em consonância com os vv. acórdãos a que nos referimos, entendeu que a vedação em foco nestes autos continua a vigorar com relação a outros crimes que não os de tortura.

Assim é que em 01.09.98, ao julgar o "Habeas Corpus" nº 7.770 - RJ, cópia autenticada em anexo, publicado no Diário da Justiça da União de 21.09.98, do qual foi relator o eminente MINISTRO JOSÉ ARNALDO, a Colenda Quinta Câmara do Egrégio Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, assim decidiu:

"EMENTA - PENAL. CRIME HEDIONDO. REGIME PRISIONAL. PROGRESSÃO. DESCABIMENTO. LEI 8.072/90, ART. 2º, §1º.
- Nos chamados crimes hediondos, o regime previsto é o fechado, descabendo progressão.
- Preceito legal declarado compatível com a atual Constituição Federal pelo Supremo Tribunal Federal (HC 69.603).
- Fixando as instâncias comuns que o cumprimento da pena se dará em regime fechado, não é concebível que seja apenas inicialmente, mas, sim, atendo-se ao preceito de lei, integralmente.
- De outra parte, conforme diretriz do STF e do STJ, a Lei 9.455/97, que versa acerca do crime de tortura 'não se aplica, em sede do art. 2º, par. 1º,
da Lei 8.072/90, a outros crimes' (STF, HC 76.371; STJ - 5ª Turma, HC 7.226 - DJ 22.06.98, Rel. Min. Felix Fischer).
Recurso conhecido, mas desprovido."

Constou do r. relatório do v. acórdão:

"Marco Antonio Paixão, condenado a 22 anos de reclusão pela prática prevista no art. 157, §3º, do CP, por seu il. patrono, insurge-se contra a decisão da 7ª Câmara Criminal do TJ/RJ, assim fundada (fls. 49/50):"
...

'A lei 9.455 excepcionou ao permitir a progressão para os crimes de tortura, sem, entretanto, revogar o parágrafo primeiro do artigo segundo da Lei 8.072/90.'

E figurou no r. voto do ilustre Ministro Relator:

"No que se refere à alegada revogação, por extensão, do art. 2º, §1º, da Lei 8.072/90, que inibe a progressão do regime carcerário, pela Lei 9.455/97, é de todo inconsistente.

A propósito, lê-se do parecer do Dr. Arx Tourinho (fls. 72/73):

'A uma, porque a lei posterior não se afigura incompatível com a antiga e desta difere, tão-somente, quanto ao regime prisional de um dos vários crimes qualificados como hediondos. Não se pode admitir, pois, que norma específica revogue outra, de caráter geral, salvo se houver determinação expressa no seu texto, o que não é o caso.

A duas, porque a matéria versada na Lei nº 8.072/90 não foi disciplinada de modo diverso, a dar azo ao entendimento de ter ocorrido eventual derrogação tácita.

No ponto, teve essa C. Turma, recentemente oportunidade de ser pronunciar:

'PROCESSUAL PENAL. EXECUÇÃO PENAL. TRÁFICO DE DROGAS. PROGRESSÃO DE REGIME. LEI 8.072/90 E LEI 9.455/97.
A LEI 9.455/97 QUE TRATA ESPECIFICAMENTE, DO CRIME DE TORTURA, NÃO SE APLICA, EM SEDE DO ART. 2., PAR. 1. DA LEI 8.072/90, A OUTROS CRIMES. WRIT INDEFERIDO'. (STF - 5ª TURMA, HC Nº 7.226/SP, REL. MIN. FÉLIX FISCHER, DJU 22.06.98).

Este também é o entendimento defendido pelo Eg. STF, o qual em sessão plenária no julgamento do HC nº 76.371, concluiu que a Lei nº 9.455/97, quanto à execução da pena, não derrogou a Lei dos Crimes Hediondos (8.072/90).'

Em conclusão, conheço do recurso, mas lhe nego provimento".

Emerge patente, assim, o dissídio jurisprudencial causado pela prolação em Quinta Câmara do Egrégio Tribunal de Alçada Criminal de São Paulo.

3. DEMONSTRAÇÃO ANALÍTICA

Como podemos verificar pela transcrição ora realizada, é evidente o paralelismo entre o caso trazido à colação e a hipótese decidida pelo v. acórdão recorrido, pois em ambos houve decisão sobre pedido de progressão de regime prisional formulado em favor de autor de crime hediondo.

No entanto, as soluções foram diversas, pois enquanto o v. acórdão recorrido entende que a progressão é possível em tais condições, por achar que a Lei nº 9.455/97 revogou o parágrafo 1o do artigo 2º da Lei nº 8.072/90; o v. acórdão citado como paradigma deixou certa a impossibilidade da progressão em tal caso, afirmando que a Lei nº 9.455/97 que versa sobre o crime de tortura não se aplica a outros delitos no que tange ao artigo 2º, parágrafo 1º da Lei nº 8.072/90.

Assim é que disse o v. acórdão do Colendo Superior Tribunal de Justiça transcrito linhas atrás: "No que se refere à alegada revogação, por extensão, do art. 2º, §1º, da Lei 8.072/90, que inibe a progressão do regime carcerário, pela Lei 9.455/97, é de todo inconsistente". Já para o acórdão recorrido: "Evidenciou-se, com a lei última, tratamento mais benigno para o regime prisional possibilitou a progressão de regime prisional. E se o fez em relação ao crime de tortura, delito hediondo, o fez também, embora não expressamente o declarasse, aos demais crimes hediondos."

Desse modo, para semelhantes situações cotejadas, houve divergência de soluções, sendo mais correta, a nosso ver, a adotada pelo Colendo Superior Tribunal de Justiça.

DOS PEDIDOS

Diante de todo o exposto, demonstrados fundamentadamente a negativa de vigência ao artigo 2º, §1º, da Lei nº 8.072/90, de 25/7/90; e o dissenso pretoriano, aguarda esta Procuradoria Geral de Justiça que seja deferido o processamento do presente recurso especial por essa E. Presidência; e, posteriormente, que ele seja conhecido e provido pelo Colendo Superior Tribunal de Justiça, a fim de cassar o v. acórdão recorrido, reconhecendo-se que a Lei nº 9.455/97 não derrogou o artigo 2º, §1º, da Lei nº 8.072/90, o qual estabelece regime integralmente fechado para cumprimento de pena por crime nele previsto; e, como conseqüência, seja restabelecida a decisão de primeiro grau, para impedir que o recorrido obtenha a progressão de regime prisional.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
Revogação de liberdade provisória por falta de intimação
Solicitação de diligência
Razões de recurso de agravo em execução de progressão de regime
Recurso e razões de tráfico de entorpecentes
Ameaça de sofres constragimento fisico por parte do delegado de polícia
Defesa prévia com pedido de liberdade provisória de ré presa
Denúncia para abertura de ação penal referente a crimes fiscais
Memorial com apresentação de pedido de progressão de regimes, para réu preso
Alegações finais de ação penal
Recurso e razões de roubo qualificado tentado com arma de brinquedo
Alegações finais pelo assistente de acusação, pugnando pela pronúncia de réu denunciado pelo crim
Apelação em face de condenação para cumprimento de pena na Colônia Penal Agrícola em regime semi-