Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Razões de agravo em execução de dispensa e cometimento de novo delito

Petição - Penal - Razões de agravo em execução de dispensa e cometimento de novo delito


 Total de: 15.244 modelos.

 

RAZÕES DE AGRAVO EM EXECUÇÃO - DISPENSA E COMETIMENTO DE NOVO DELITO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DAS EXECUÇÕES PENAIS DA COMARCA DE __________________ (___).

pec n.º ____________

objeto: agravo em execução

____________________, reeducando da __________, pelo Defensor Público subfirmado, vem, respeitosamente, a presença de Vossa Excelência, nos autos em epígrafe, ciente da decisão de folha ______, interpor, no qüinqüídio legal, o presente recurso de agravo, por força do artigo 197 da Leis das Execuções Penais, sob o rito previsto pelo artigo 581, e seguintes, do Código de Processo Penal.

ISTO POSTO, REQUER:

I.- Recebimento da presente recurso com as razões em anexo, abrindo-se vista a parte contrária, para, querendo, oferecer sua contradita, remetendo-o - ressalvado o juízo de retratação, por força do artigo 589 do Código de Processo Penal - ao Tribunal ad quem, para a devida e necessária reapreciação da matéria alvo de férreo litígio.

II.- Para a formação do instrumento, além da guia de expediente, requer sejam trasladadas, as seguintes peças dos autos principais:

a-) Ofício n. _______, à folha _____.

b-) termo de audiência de folhas _____, realizada em ____________ do corrente, onde ocorreu a regressão de regime, ante a falta grave.

Nesses Termos

Pede Deferimento.

_____________________, __ de ________ de 2.0__.

_____________________________________
DEFENSOR PÚBLICO TITULAR DA VEC

OAB/UF ____________________

EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO _____________________

COLENDA CÂMARA JULGADORA

ÍNCLITO RELATOR.

"Se vês, pois, alguém que sofre, não duvides nem um instante: o seu próprio sofrimento dá-lhe o direito de receber ajuda" SÃO JOÃO CRISÓSTOMO (*) Doutor da Igreja.

RAZÕES AO RECURSO EM SENTIDO ESTRITO FORMULADAS EM FAVOR DO RÉU: ____________________________

Volve-se, o presente recurso, contra decisão interlocutória mista, exarada pela notável e operosa julgadora monocrática substituta da Vara das Execuções Penais da Comarca de _________________, DOUTORA _____________________, a qual regrediu o regime de cumprimento de pena do recorrente, tendo por suporte fáctico o cometimento de falta grave.

A irresignação do recorrente, ponto central da interposição da presente peça recursal, circunscreve-se, a um único e relevantíssimo tópico. Entende, o agravante que a regressão de regime obrado pela altiva Magistrada, tendo por estamento o ‘cometimento de delito’ ao largo do presídio, é insustentável sob o ponto de via lógico e jurídico.

O postulado em que se louva a ilustre Magistrada para operar a regressão, qual seja, a prática de novo delito pelo reeducando, extra muros, encontra-se em rota de colisão com a garantia Constitucional da presunção de inocência.

Ora, responder por um delito, é conceito diametralmente diverso de ser condenado pelo mesmo.

Sabido e consabido, que somente a sentença com trânsito em julgado é fonte legítima para erigir restrições e ou criar vencilhos ao réu.

Logo, julgar por antecipação consubstancia postura despótica e arbitrária, na medida em que subverte o primado constitucional da inocência, negando-lhe vigência.

Em sufragando o entendimento aqui esposado, é o magistério da respeitada doutrinadora, CARMEN SILVA DE MOARES BARROS, in, A INDIVIDUALIZAÇÃO DA PENA NA EXECUÇÃO PENAL, São Paulo, 2001, RT, onde a página 162, em formulando a exegese do artigo 52 da LEP, observa com ímpar propriedade:

"No que tange ao art. 52, da LEP, há que se observar que, para que não seja evidentemente inconstitucional por ferir o princípio da ‘presunção de inocência’, a única interpretação que lhe pode ser dada é que a prática do fato previsto como crime constitui falta grave desde que haja sentença penal condenatória transitada em julgado. Portanto, a simples prática de fato previsto como crime não ensejar qualquer sanção disciplinar antes de decisão judicial condenatória. Mas, ainda assim, é de ser observar que mencionado artigo guarda incoerência com a proibição de dupla punição pelo mesmo fato (ne bis in idem)."

A prática de fato, ainda que rotulado, a priori, como delituoso, não pode e não deve deflagrar qualquer conseqüência nefasta ao réu, de sorte, que as elucubrações constantes da denúncia, para serem dignas de crédito, devem ser provadas, pormenorizadamente, durante o deambular do feito, sob o crivo do contraditório e da ampla defesa, ônus, este, que debitado, exclusivamente, ao órgão opressor: MINISTÉRIO PÚBLICO.

Já advertia o imortal RUI BARBOSA:

"A acusação é apenas um infortúnio, enquanto não verificada pela prova. Daí esse prolóquio sublime, com que a magistratura orna os seus brasões, desde que a Justiça Criminal deixou de ser a arte de perder inocentes: Res sacra reus. O acusado é uma entidade sagrada" (RUI, Obras Completas, vol. XIX, t. III, p. 113)

Donde, tem-se, como inadmissível, venha o reeducando ser penalizado - como o foi na decisão hostilizada - por fato que se encontra sub judice, tendo redundando tal e deletéria decisão na regressão de regime pelo agravante, ante a falta grave, elencada no artigo 52, combinado com o artigo 118, inciso I, ambos da LEP.

Postula-se, pois, em grau de recursal, seja revista tal decisão, eis afrontar e vilipendiar de forma direta e figadal o artigo 5º, LVII, da Constituição Federal.

Conseqüentemente, a decisão guerreada, por se encontrar lastreada em premissas inverossímeis, estéreis e claudicantes, clama e implora por sua retificação, missão, esta, reservada aos Sobreeminentes Desembargadores, que compõem essa Augusta Câmara Criminal.

ANTE AO EXPOSTO, REQUER:

I.- Seja conhecido e provido o presente recurso de agravo, para o fim especial de desconstituir-se a decisão atacada, por ter violado mandamento constitucional, consubstanciado na presunção de inocência, cotejado-se, para tanto, aos argumentos dedilhados linhas volvidas, restabelecendo-se, por conseguinte, ao reeducando o regime semi-aberto, com possibilidade de trabalho externo.

Certos estejam Vossas Excelências, mormente o Insigne e Preclaro Desembargador Relator do feito, que em assim decidindo, estarão julgando de acordo com o direito, e, sobretudo, restabelecendo, perfazendo e restaurando, na gênese do verbo, o primado da JUSTIÇA!

_______________, em ___ de ________ de 2.0_____.

_________________________________
DEFENSOR PÚBLICO TITULAR DA VEC

OAB/UF _________________.


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
Recurso e razões de preliminar de nulidade do exame de furto qualificado
Pedido de abertura de inquérito policial em face de estelionato
Apelação por parte de réu condenado pelo crime de atentado violento ao pudor
Alegações finais de estelionato por ausência de materialidade
Alegações finais pelo Ministério Público, solicitando-se a absolvição do réu ante a falta de prov
Contra-razões de associação ao tráfico
Carta testemunhável de denegado seguimento de recurso em sentido estrito
Requer a reforma da decisão (01)
Denúncia ante ao crime de homicídio
Alegações finais em processo-crime, alegando-se falta de provas para condenação do réu
Razões de recurso em desclassificação de homicídio
Recurso e razões de absorção do delito de disparo de arma de fogo por porte ilegal de arma