Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Contra-razões de agravo de instrumento interposto de decisão que deferiu penhora sobre a conta corrente do executado

Petição - Civil e processo civil - Contra-razões de agravo de instrumento interposto de decisão que deferiu penhora sobre a conta corrente do executado


 Total de: 15.244 modelos.

 
Contra-razões de agravo de instrumento interposto de decisão que deferiu penhora sobre a conta corrente do executado, alegando-se perda do objeto para a oposição do recurso, uma vez que a constrição já ocorreu.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO .......

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

CONTRA-RAZÕES DE AGRAVO DE INSTRUMENTO

nos autos ..... em que litiga com....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., o que faz pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

COLENDA CORTE
EMÉRITOS JULGADORES

PRELIMINARMENTE

DA PERDA DO OBJETO DO AGRAVO

Apesar do esmero do Agravante ao interpor recurso contra decisão que determinou a penhora sobre numerário depositado em sua conta corrente, não se pode ter o recurso como eficaz, pois no momento da interposição do recurso (.../.../...), a penhora já havia sido efetivada, conforme se observa pelo auto de penhora lavrado pelo Sr. Oficial (cópia anexa).

Somente após a efetivação da penhora, que culminou no cumprimento do despacho, que determinou a penhora, é que o Devedor recorreu ao E. Tribunal, pleiteando a reforma do despacho prolatado pelo Juízo Singular.

O fato foi omitido pelo Recorrente na peça inicial do recurso, levando o Relator, a erro quanto à realidade dos fatos, pois se a penhora já havia sido efetivada em cumprimento à ordem do Juízo de 1º Grau, o recurso de Agravo de Instrumento não é o meio hábil e legal para desconstituir a constrição judicial, a qual só pode ser revogada pela via dos Embargos.

Com isso, tem-se que não pode ser mantida a decisão proferida pelo Juiz Relator, que recebeu o recurso em ambos os efeitos (suspensivo e devolutivo), haja vista que o despacho de 1º Grau já havia sido cumprido em sua totalidade, com a efetivação da penhora.

Cumprido o despacho e efetuada a penhora, Agravo de Instrumento não pode servir como remédio legal para desconstituir o ato já praticado e que possui medida própria para tal finalidade.

Posto isso, requer seja reformada a decisão de fls. ...., para indeferir liminarmente o recurso de Agravo de Instrumento, pela perda do objeto perseguido no recurso, ante o cumprimento integral da decisão atacada anteriormente à proposição da medida.

DO MÉRITO

O ora "Agravado" propôs Execução de Título Extrajudicial contra o ...., em data de .../.../..., junto ao Juízo da .... Vara Cível da Comarca de ....

Citado, o executado indicou à penhora 15 (quinze) títulos patrimoniais do Clube.

Intimado o Exeqüente/Agravado para se manifestar quanto à nomeação dos bens, esse manifestou sua discordância com a referida indicação, tendo-se em vista que a ordem legal do art. 655 do Código de Processo Civil não foi observada pelo Executado. Requereu o Exeqüente a penhora sobre saldo em conta corrente bancária de titularidade do Executado, ou ainda, sobre renda dos jogos, em que o mandante do jogo fosse o clube devedor.

Apreciando a manifestação do Credor/Agravado, o douto Juízo singular esclareceu que a penhora na forma requerida não poderia ser efetivada, vez que o Exeqüente não havia indicado a agência bancária e o número da conta corrente do Executado.

À vista do teor do esclarecimento do Juízo da .... Vara Cível, o Exeqüente indicou o número da conta corrente de titularidade do Executado, bem como o banco e a agência onde a aludida conta é movimentada.

Com base nas informações do Credor, foi deferida a penhora sobre os valores depositados até o montante da dívida, conforme se transcreve:

"Vistos, etc.
1 - Defiro a penhora sobre os valores depositados na conta corrente indicada às fls. ...., em nome do executado, até o montante da dívida. Desentranhe-se o mandado.
Intime-se.
Em, .../.../...
........................
Juiz de Direito"

Em virtude do r. despacho foi desentranhado o mandado de penhora e entregue ao Sr. Oficial de Justiça.

De posse do mandado judicial, o Sr. Meirinho efetivou a penhora sobre o valor depositado na conta corrente do Executado, até o montante da dívida, isso na data de .../.../..., intimando o Devedor da constrição judicial, na data de .../.../...

Referido mandado foi juntado aos autos da execução às fls. ...., na data de .../.../...

Após a formalização da penhora, o executado interpôs o presente Agravo de Instrumento contra a decisão retro, junto a esse E. Tribunal.

Analisando as razões contidas no Agravo de Instrumento, o Juiz Relator houve por receber o recurso em ambos os efeitos, como segue:

I. Recebo o recurso em ambos os efeitos, já que a suspensão ocorre em razão do que se alega a fls. 03, principalmente com relação a poder impossibilitar o agravante de pagar empregado e saldar impostos, o que redundaria em conseqüências drásticas ao mesmo. Comunique-se o Juiz processante.

II. Requisitem-se informações ao digno Juiz da causa, em 10 dias.

III. Intime-se o agravado, via imprensa, através seu advogado, para que, em 10 dias, responda, facultando-lhe juntar cópias das peças que entender convenientes.

Em .../.../...

..................
Relator

Prolatada a decisão, foram requisitadas informações ao Juízo originário, o qual se proferiu sua manifestação juntada às fls. .../...

Ocorre, entretanto, que a decisão passada pelo nobre Juiz Relator não pode ser mantida, bem como, o recurso, a final, deve ser improvido, como se passa a demonstrar:

1. FALTA DE PROVAS DAS ALEGAÇÕES DO DEVEDOR/Agravante

Alegou o Devedor/Agravante, que a constrição judicial sobre os valores depositados em sua conta corrente ou sobre a renda dos jogos de futebol do Clube, culminaria em conseqüências drásticas ao mesmo, levando a impossibilitar o pagamento de empregados e saldar impostos, dentre outros argumentos.

Com base em tais alegações, o douto Juiz Relator houve por receber o recurso e deferir o efeito suspensivo ao mesmo.

Nada mais equivocado, no entanto.

As alegações Agravante carecem de provas, que possam vislumbrar qualquer indício de veracidade aos fatos alegados. Não há nos autos nenhum documento ou prova que possa indicar que o Devedor/Agravante estaria em estado de insolvência ou que o valor penhorado inviabilizaria o pagamento de seus compromissos.

Ora, para que uma decisão judicial seja suspensa pela Instância "ad quem", motivos relevantes e provas cabais devem ser ofertadas. Nos presentes autos não há o menor indício de prova das assertivas do recorrente/devedor.

2. DA ALEGADA AUSÊNCIA DE IMPUGNAÇÃO DO EXEQÜENTE SOBRE A NOMEAÇÃO DOS BENS

O ora Agravante fundamentou seu insurgimento contra a nomeação dos bens, cujo conteúdo foi o seguinte:

"...., esclarecer que não concorda com o bens ofertados, haja vista que referidos bens não atendem a ordem legal prevista no art. 655 do Código de Processo Civil." (grifou-se)

A aceitação da nomeação dos bens é faculdade concedida ao credor nas execuções, o qual pode utilizá-la sempre que entender necessária. Por isso não merece consideração as alegações do Agravante quanto à falta de impugnação do Agravado, até porque, o credor não deve impugnar, mas sim concordar ou discordar.

Sobre o tema, vale rever as lições doutrinárias que seguem:

"282. Em regra, todos os bens que se encontram no patrimônio do devedor respondem igualmente pelas obrigações deste: é princípio básico de direito obrigacional que os bens do devedor são a garantia comum dos credores, salvo as preferências legítimas. Mas, conquanto possa a penhora recair em quaisquer bens dos executados, deve observar-se a ordem para penhorá-los.

...

Protegendo os interesses de ambas as partes, define a lei os limites dentro dos quais pode o executado exercer o direito de nomeação, e ao mesmo tempo permite ao exeqüente fiscalizar o exercício desse direito, examinando a nomeação projetada e dizendo se a mesma lhe convém, ou não. Assim é que a nomeação pretendida pelo devedor não vale, exceto convindo o credor, nos casos mencionados no art. 656." (Comentários ao Código de Processo Civil, Almícar de Castro, Editora RT, 1974, Vol. VIII)

A jurisprudência tem se pronunciado sobre a matéria nos seguintes termos:

"Penhora. Nomeação de bens. Ineficácia da nomeação. Inobservância da ordem legal. Devolução ao credor. Desnecessidade do credor obedecer a gradação legal. CPC, art. 655." (TJPR - Agravo de Instrumento 99/82, Paraná Judiciário, 2/154, Banco de dados Juruá)

"Execução. Penhora sobre dinheiro de funcionário público, depositado em conta bancária ou de poupança. Admissibilidade. Bem que não pode ser equiparado a vencimentos, estes sim, impenhoráveis. Saldo excedente que pode suportar a constrição. (CPC, art. 649, IV. (Cita doutrina)." (TAPR - Agravo de Instrumento 332/88, Paraná Judiciário, 27/162 - Banco de dados Juruá)

3. DA ALEGADA FALTA DE FUNDAMENTAÇÃO DO DESPACHO DE 1º GRAU - PENHORA

O despacho atacado pelo Agravante, não possui cunho decisório e terminativo, até porque os bens penhorados não podem ser alienados a terceiros, não passam para a esfera patrimonial do credor (antes da solução judicial da execução) e não fulmina o direito de propriedade em relação ao devedor. Tal penhora visa a garantia do Juízo até que finde a demanda.

O Agravado apontou a ilegalidade da nomeação dos bens feitas pelo devedor, tendo o Juízo "a quo" proferido despacho, o qual não necessita de fundamentação, pois tem cunho interlocutório. Nesse rumo cumpre observar as informações prestadas pelo MM Juiz que proferiu o despacho na Instância inferior:

"... A propósito dos termos do recurso, creio oportuno salientar que a alegação de nulidade da interlocutória, por falta de fundamentação, parece desarrazoada, na medida em que o óbvio não necessita de ser fundamentado, assim como os fatos notórios, tão só para exemplificar, segundo a legislação processual civil (CPC, art. 334, I) independem de produção probatória. A fundamentação do óbvio (aplicação pura e simples da lei processual em ação executiva), repito, parece-me desnecessária."

O ora agravado se reporta ao texto retro transcrito, o qual bem define a legalidade e justiça do despacho atacado pelo Devedor.

4. DOS BENS PENHORADOS

Em sua argumentação o Clube Agravante sustentou que a penhora sobre a renda dos jogos era medida drástica, que implicaria em prejuízos a terceiros, inclusive que a renda não é toda do Clube, devendo ser recolhidas as taxas e INSS sobre o valor da bilheteria, etc.

Tal argumentação faria algum sentido se a penhora determinada pelo despacho de 1º Grau fosse sobre a renda de jogos. Esse não é o caso.

O despacho determinou a penhora sobre os valores depositados na conta corrente do Clube Devedor, indicada pelo Credor.

O Sr. Oficial, cumprindo seu mister, efetivou a penhora sobre o valor depositado na conta corrente.

Em momento algum foi determinada penhora sobre renda dos jogos.

5. DAS RENDAS DOS JOGOS

Vale observar que o agravante em suas últimas partidas disputadas em ...., teve uma arrecadação vultuosa. Para exemplificar, o produto da renda do último jogo ocorrido no final de semana próximo passado (.... x ....), totalizou R$ .... (....), conforme reportagem no jornal ...., do dia .... de ...., juntada em anexo, que conferiu aos cofres do Devedor mais de R$ .... (....), já descontadas as taxas, previdência social e impostos. Levando-se em conta que tal Clube realiza, em média, 3 (três) jogos em sua sede por mês, tem-se que o valor arrecadado mensalmente ultrapassa a ordem de R$ .... (....); ou seja, o valor penhorado representa menos de 7% (sete por cento) das receitas auferidas pelo Devedor através dos seus jogos, em um só mês. Some-se a isso a verba percebida com os patrocínios obtidos dos anunciantes das placas no estádio de propriedade do Devedor (Estádio ....), do patrocinador dos uniformes, direitos de transmissão de jogos, venda de jogadores, mensalidades pagas pelos sócios, etc..

Vê-se que o valor penhorado para garantia da execução não inviabilizará a gestão financeira do Agravante.

Com isso, torna-se evidente que as alegações do Clube/Devedor não podem prosperar, até porque o crédito do Exeqüente é anterior e deve ter preferência para ser liquidado.

6. DA MAIOR UTILIDADE DOS BENS PENHORADOS

A penhora sobre os valores depositados na conta corrente do Clube Devedor consiste em maior utilidade, uma vez que o dinheiro em espécie é o meio menos oneroso para a satisfação do crédito, evitando, dessa maneira, despesas com leilões e outras medidas.

7. DO PRECEDENTE JUDICIAL

Mantendo-se a decisão proferida pelo eminente Juiz Relator, estar-se-á diante de precedente raro e perigoso para o conceito da Justiça, isso porque não se pode aceitar a simples alegação de que a penhora sobre bens do devedor podem lhe causar prejuízos irreparáveis, pois estará sendo deixado à margem da lei o direito do credor, que está sendo penalizado desde a inadimplência do devedor. Denota-se que o crédito do ora agravante venceu em data de .../.../..., portanto ha mais de .... meses.

É notório, no caso em apreciação, que o Agravante tem maior poder econômico que o Agravado, sendo que esse vem suportando o ônus do inadimplemento do Devedor/Recorrente há vários meses. Portanto, o perigo de danos irreparáveis é iminente ao Agravado e não ao Agravante, o qual não tendo condições de saldar suas dívidas deveria se abster da prática desportiva profissional, evitando prejuízos às pessoas de boa-fé, como o ora agravante.

DOS PEDIDOS

Posto isso e o que mais será certamente suprido pelo notório saber jurídico de Vossas Excelências, requer seja negado provimento ao presente recurso, mantendo-se a decisão agravada, reconhecendo-se em preliminar a perda do objeto da presente medida, ante a efetivação do despacho agravado, e no mérito, por falta de amparo legal.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Ação monitória de cheque prescrito
Pedido de autuação de carta de sentença (01)
Interposição de embargos de terceiro, sob alegação de falta de notificação da esposa acerca de de
Embargos de declaração interpostos de acórdão omisso
Trata-se de embargos de devedor referentes à execução hipotecária
Execução de sentença de locação
Ação divisória interposta para venda de imóvel indivisível com o rateio dos valores auferidos
Impugnação à contestação, sob alegação de que a ação foi interposta dentro do prazo estabelecido
Ação de rescisão contratual, cumulada com reintegração de posse de imóvel e perdas e danos
Parecer favorável ao crédito habilitado
Execução para entrega de coisa incerta em razão de contrato de arrendamento de semoventes
Declaração de nulidade de ato jurídico, ante realização de compra e venda através de mandato e su