Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Contestação de ação de reintegração de posse (02)

Petição - Civil e processo civil - Contestação de ação de reintegração de posse (02)


 Total de: 15.244 modelos.

 

CONTESTAÇÃO - AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE

EXCELENTÍSSIMA SENHORA DRA. JUÍZA DE DIREITO DA ___ª VARA CÍVEL

COMARCA DE ____________ - ___

Processo nº

AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE

____________, portador da carteira de identidade - RG nº ____________, e ____________, inscrita no CPF sob o nº ____________, brasileiros, casados entre si, ele pintor, ela doméstica, residentes e domiciliados na Rua ____________, nº ____, em ____________, ___, por seu procurador que esta subscreve, com endereço profissional nesta cidade à Rua ____________, nº ____, Bairro ____________, CEP ______-___, onde recebe intimações, vem respeitosamente à presença de V. Exª, na forma da lei, oferecer:

Contestação, à AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE, proposta por ____________, já qualificado na inicial, da forma que se segue:

I - DA DENUNCIAÇÃO DA LIDE

1. Conforme estabelece o Art. 70, I do Código de Processo Civil, é ônus da parte denunciar a lide " ao alienante, na ação em que o terceiro reivindica a coisa cujo domínio foi transferido a parte, a fim de que esta possa exercer o direito que da evicção lhe resulta."

2. Esclarecendo este dispositivo legal, o doutrinador Celso Agrícola Barbi (Comentários ao Código de Processo Civil, Forense - 8ª edição - Forense, pág 202), comenta:

"Prevê o artigo apenas a hipótese de ação para reivindicar a coisa. Mas a limitação é inadmissível, porque o bem pode ser perdido em conseqüência de outras ações. Para que a garantia contra a evicção produza os resultados queridos pela Lei civil, a denunciação deve ser admitida toda vez que houver ação do denunciante, ou contra ele, e de que possa resultar a perda da coisa por direito anterior à alienação."

3. A coisa ameaçada pela ora contestada ação de reintegração de posse, é o imóvel adquirido pelos Réus, sito área de ___ m², medida de ___ m x ___ m (lote nº ___), contida em comum e dentro de maior área, fazendo parte do lote rural nº ___ do _____________, em _____________, município de _____________, conforme escritura pública registrada no Ofício de Registro de Imóveis da ___ª Zona deste município, sob o nº ___, fls. ___, livro ___ e matrícula ______, de ___ de ___________ de ______ (doc. 01).

4. Este imóvel foi adquirido pelos Réus, do Sr. _____________, brasileiro, casado, do comércio, CI nº _____________ e CPF nº _____________, na qualidade de procurador dos casais:

- _____________, professor, CI, nº _____________ e _____________, professora, CI nº _____________, brasileiros, casados entre si pelo regime da comunhão universal de bens, residentes e domiciliados na Rua _____________, s/nº ,em _____________, município de _____________/___, CEP ______-___, e

- _____________, do comércio, CI nº _____________ e _____________, do lar, CI nº _____________, casados entre si pelo regime da comunhão universal de bens, residentes e domiciliados na Rua _____________, nº ____, em _____________/___, tudo conforme procuração pública lavrada no Cartório Distrital de _____________ às fls. nº ___ do livro nº ___ datada de ___ de ___________ de ____ (doc. 02).

5. Os dois casais ainda são os proprietários do lote acima descrito conforme o registro na matrícula ______ do Ofício do Registro de Imóveis da ___ª Zona desta Comarca.

6. Embora a negociação do imóvel tenha se havido apenas entre os Réus e o procurador _____________, torna-se necessária a denunciação da lide dos mandatários / proprietários cuja responsabilidade pela evicção, até prova em contrário, permanece igual a do procurador.

7. Desta forma, apesar do alienante - o Sr. _____________, procurador dos proprietários já ter sido citado pelo Autor em sua petição inicial, remanesce aos Réus o ônus de denunciá-lo da lide, nos termos do Art. 70, I do CPC, para que a sua permanência na lide seja garantida.

8. Outrossim, os Réus ratificam a denunciação da lide de _____________ e dos casais: _____________ e _____________; e _____________ e _____________,

II - DOS FATOS NARRADOS NA INICIAL

9. O Autor afirma em sua exordial que é proprietário e possuidor de um terreno de ___ m² situado dentro de um todo maior de ___ ha, matriculado no Ofício de Registro de Imóveis sob a matrícula nº ______ datada de ___ de ___________ de ______.

10. Afirma ter adquirido o referido imóvel dos vendedores _____________ e sua mulher _____________, esta representada pelo procurador _____________ em ___________ de ______.

11. Alega sempre ter possuído de forma mansa e pacífica o referido terreno, pois ia periodicamente verificar o lote com o que ficaria caracterizada a posse ostensiva, direta e vigilante.

12. Comenta, inclusive, que autorizou vizinhos a plantarem amendoim e milho no terreno, bem como, solicitou que alguns vizinhos cuidassem e vigiassem o terreno.

13. O Autor alega que foi esbulhado de sua posse do referido imóvel em março de ______, data em que os Réus começaram a construir sobre o terreno. Afirma que, em reunião com os Réus, foi informado que os mesmos haviam adquirido o terreno do Sr. _____________, conforme a seguinte descrição: uma fração ideal de terras, sem benfeitorias, com área de ___ m², (lote ___) contida em comum e dentro de maior área, fazendo parte do lote rural nº ___ do _____________, em _____________, município de _____________. Não menciona a matrícula do imóvel.

14. Sugere o Autor, que o Sr. _____________ usando de má-fé, teria apontado o terreno de sua propriedade e vendido outro para os Réus, iludindo os mesmos.

15. O Autor conclui que os Réus foram enganados e acusa o Sr. _____________ de cometer estelionato e crime contra a administração pública.

16. Requer em seu pedido a sua reintegração na posse e/ou o acerto entre as partes pelo valor do imóvel, assim como demais pedidos formais.

17. A ação aforada, contudo, não colhe procedência, como se demonstrará.

III - PRELIMINARMENTE

- CARÊNCIA DE AÇÃO - ILEGITIMIDADE DE PARTE E IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO

18. Embora o Autor afirme, na peça petitória, a sua propriedade sobre o imóvel onde atualmente os Réus residem, há que ser analisado - em primeiríssima ordem - o fato de existirem dois números de matrícula de imóveis: um para o imóvel do Autor e outro para o imóvel dos Réus.

19. O imóvel descrito pelo Autor como sendo de sua propriedade, possui o número de matrícula ______, já o imóvel adquirido pelos Réus conforme consta no contrato de promessa de compra e venda (doc. 03), possui como número de matrícula ______.

20. O Autor tem conhecimento das duas matrículas. A matrícula ______ consta do contrato pelo qual os Réus adquiriram seu imóvel e que foi juntado pelo Autor em sua inicial.

21. Ora, é evidente que os imóveis em questão não podem ser o mesmo imóvel, uma vez que ambos estão registrados no Ofício do Registro de Imóveis da ___ª Zona desta comarca com matrículas diferentes.

22. Logo, se os imóveis e as matrículas a eles correspondentes são divergentes, evidenciam-se duas possíveis situações, cujas conseqüências são ao mesmo tempo, causas da alegada carência de ação por parte do Autor:

22.1. A primeira situação refere-se a hipótese de estarem corretas as matrículas registradas e a localização do terreno dos Réus, pela qual haveria a ilegitimidade passiva para a ação de parte dos Réus, haja vista que o terreno de propriedade do Autor seria diferente do terreno adquirido pelos Réus através do citado contrato de promessa de compra e venda, datado de janeiro de ______. O Autor não poderia ter se voltado contra os Réus, uma vez que não existe relação jurídica entre os mesmos. A posse que os Réus exercem sobre o seu imóvel não impede o exercício da posse do Autor sobre o outro imóvel, de sua propriedade, já que são imóveis diferentes;

22.2. A segunda possível situação leva em consideração a hipótese de ter havido erro na matrícula ou na localização dos imóveis citados. Neste caso, também carece o Autor de uma das condições da ação, qual seja, a possibilidade jurídica do pedido, pois a discussão acerca de domínio é matéria de ação reivindicatória, e não como propôs o Autor, de ação possessória, cujo processo é destinado exclusivamente para discussão de posse.

23. A presente ação, muito embora esteja intitulada como Ação de Reintegração de Posse, não se trata de ação possessória na realidade, como quer induzir.

24. Pelo contrário, a presente ação, em toda sua argumentação e motivação, sobretudo quanto aos fatos que relaciona, nada mais certo que constitui uma discussão clara acerca do domínio - propriedade sobre o lote em disputa.

25. A propriedade / domínio é assunto destinado à solução judicial através da ação reivindicatória cujas bases não cogitam de posse, mas apenas da titulação sobre o imóvel. A verdadeira propriedade e validade dos títulos é o que deseja o Autor na presente ação.

26. Não há qualquer discussão a ser feita sobre a posse do litigado imóvel, pelo contrário, a justa posse dos Réus é comprovada pelos documentos e fatos levantados pelo próprio Autor em sua inicial, os quais serão, a seguir, melhor revistos e analisados.

27. Desta forma, fica demonstrada a impossibilidade jurídica do pedido do Autor, que utilizou-se do meio inapropriado para conduzir a sua ação, bem como da ilegitimidade passiva dos Réus, caso fiquem comprovadas as localizações e as matrículas dos terrenos.

28. Neste sentido estão decidindo os tribunais pátrios:

"AÇÃO POSSESSÓRIA - Reintegração de posse - Ação ajuizada por quem nunca exerceu qualquer ato relativo à posse - Inadmissibilidade da reintegração e da conversão desta em ação de imissão de posse. ( TRF - 5ª Região, RT, 756/411)

29. Por tudo isso, requerem os Réus, desde já, a extinção do processo sem o julgamento do mérito, nos termos do Art. 267 do CPC, por faltar ao Autor as necessárias condições da ação.

IV - DO MÉRITO

- DA INEXISTÊNCIA DE POSSE E PROPRIEDADE DO AUTOR -

30. O Autor alega ser o proprietário e possuidor do imóvel - lote, onde os Réus construíram sua residência, desde o ano de ______, quando teria efetuado a compra do referido imóvel.

31. O Autor, embora tenha procurado demonstrar a sua propriedade através de documentos, nada comprovou com relação a alegada posse - mansa e pacífica do terreno, a qual teria ocorrido nestes quase 20 anos, ficando vazias estas informações.

32. Quanto a localização do terreno em função das matrículas registradas, caberá a perícia técnica, determinar - conforme acordado em audiência de justificação prévia - o seu exato posicionamento e valor, não existindo necessidade de maiores comentários a respeito.

33. Posse é fato, afirma a doutrina pátria dominante. O Autor tenta justificar a sua posse no terreno dos Réus pelo fato de ter autorizado o plantio de amendoins e milho neste terreno e, além disso, por ter solicitado a alguns vizinhos para que vigiassem o seu terreno.

34. Ora, data máxima vênia!! Que tipo de vigilância é esta que permite sejam realizadas obras, terraplanagem, fundações e construções sem oposição de nenhum tipo?

35. Além disso, é fato comum e cotidiano vizinhos utilizarem-se de terrenos denominados comumente por "baldios", para plantar alguma cultura, seja ela amendoim, alface ou cenoura, ou ainda como forma de lazer como campinhos de futebol, canchas de bocha e outros divertimentos.

36. O imóvel não tinha cercamento e nenhum indício de que pudesse comprovar a alegada posse do Autor, pelo contrário, estava vazio e descuidado.

37. Se realmente o Autor fosse proprietário e/ou possuidor do referido terreno, certamente não o deixaria abandonado da forma em que ele se encontrava quando lá estiveram os Réus para comprá-lo.

38. A suposta vigilância do Autor não condiz com os fatos reais, tendo em vista que os Réus compraram o terreno, limparam-no, trabalharam sobre ele durante mais de dezesseis meses antes de receber qualquer aviso do Autor. E observe-se que o terreno fica situado em um bairro de _____________ permitindo uma vigilância efetiva sempre, sem maiores gastos ou dificuldades.

39. Dessa forma é de se tomar por inexistentes as provas da posse apresentadas pelo Autor, uma vez que não apresentaram consistência ou credibilidade.

- DA POSSE JUSTA E DE BOA-FÉ DOS RÉUS

40. Os Réus adquiriram seu imóvel em janeiro de ______, tendo feito a limpeza do mesmo e a sua terraplanagem a partir do mês de junho do corrente ano. Em janeiro de ______ o terreno já estava pronto para a construção que se iniciou a partir de então, continuando até outubro de ______.

41. Os Réus iniciaram a construção de uma casa simples para sua residência, com muita dificuldade e de acordo com seus escassos recursos, suspendendo a construção em outubro de ______, com o mínimo necessário de habitabilidade por causa dos problemas levantados pelo Autor e seus advogados.

42. Os Réus adquiriram seu imóvel através de contrato de promessa de Compra e Venda que é meio hábil para aquisição de bens imóveis de acordo com o Decreto-Lei nº 58/37 e com a Lei 6766/79, portanto não há que se falar em posse injusta ou de má-fé.

43. O Código Civil contempla em seu Art. 1.200 a definição de posse justa: " É justa a posse que não for violenta, clandestina ou precária". Ora, os Réus não se utilizaram de força, nem fizeram nada às escondidas, tampouco abusaram da confiança de ninguém para possuir o imóvel que haviam comprado e se tornado proprietários.

44. A posse quanto a intenção do possuidor é abordada nos Artigos 1.201 e 1.202 do Código Civil, cujo teor define a posse de boa-fé nos seguintes termos: "É de boa-fé a posse se o possuidor ignora o vício, ou o obstáculo que lhe impede a aquisição da coisa".

45. A esse respeito intervém o culto doutrinador e professor Renan Falcão de Azevedo (Posse - Efeitos e Proteção, EDUCS, 3ª edição, 1993, pág. 66):

"Nestas Condições, o comprador de um objeto, com justo título, é possuidor de boa-fé, apesar de que este título, afinal, venha a ser desconstituído, perdendo sua validade".

46. Ora, os Réus adquiriram seu terreno com um contrato legal e válido, limparam e terraplanaram o mesmo e passaram a construir a sua tão sonhada casinha - depósito das esperanças e das economias de trabalhadores honestos - e assim, não podem, sob hipótese alguma, serem acusados de invasores ou esbulhadores por ninguém.

47. Não encontra o menor fundamento as alegações feitas pelo Autor a respeito do suposto esbulho praticado pelos Réus.

48. Em primeiro lugar, não foi em março de ______, mas em junho de ______ que os Réus iniciaram a construção da sua residência, através da terraplanagem do terreno, ou seja, já fazia um ano e meio que os Réus trabalhavam no terreno quando foi intentada a ação ora contestada.

49. A irregularidade do imóvel junto a Prefeitura Municipal de _____________ apontada pelo Autor é regra no Bairro _____________, uma vez que os loteamentos são irregulares e que a Prefeitura não regulariza imóveis em loteamentos irregulares.

50. O cadastramento no IPTU confirma a boa-fé dos Réus em relação ao imóvel que adquiriram e a sua intenção de mantê-lo devidamente em dia com as obrigações legais.

51. Com relação às alegadas tratativas para buscar uma solução para o caso, é importante salientar que elas ocorreram sem a presença do advogado dos Réus. Os Réus confirmam que o denunciado _____________ comprometeu-se em resolver a situação, todavia com relação a conhecer ou não os _____________, os Réus não confirmam a alegação do Autor.

Por todo o exposto, requerem os Réus:

a) Seja recebida a presente Contestação, para a seguir ser encaminhada a realização da prova pericial da localização dos lotes e da avaliação dos mesmos;

b) Seja efetuada a citação dos denunciados: _____________ e _____________; e _____________ e _____________, nos endereços indicados no item 4 (quatro) retro, bem como seja considerada a citação do co-réu _____________ como denunciado;

c) Seja o presente processo julgado extinto sem o julgamento do mérito, nos termos do Art. 267 do CPC, por faltar ao Autor as necessárias condições da ação;

d) Caso as preliminares argüidas não venham a prosperar, a provar o alegado por todos os meios de prova no direito admitidas, além da já requerida prova pericial, entre elas, o depoimento pessoal do Autor e dos Denunciados, prova testemunhal e documental a ser requerida, se necessário, junto a Prefeitura Municipal de _____________ e Ofícios de registro de imóveis desta comarca.

e) Que por final a Ação proposta seja julgada totalmente improcedente, condenando-se o Autor no pagamento das custas processuais, porventura existentes, e nos honorários advocatícios de 20% do valor da causa.

f) No caso de procedência da ação, que a sentença declare, nos termos do Art. 76 do CPC, o direito do evicto, ou a responsabilidade por perdas e danos.

g) Seja concedido o benefício da Assistência Judiciária Gratuita, nos termos da Lei 1.060/50, por não estarem, os Réus, em condições de pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo do sustento próprio ou de seus familiares, uma vez que a soma do salário mensal de cada um (R$ ______ - _____________ e R$ ______ - _____________), representa apenas R$ ______.

Pede e Espera Deferimento.

_____________, ___ de ___________ de 20__.

_____________
OAB/


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Mandado de segurança ante a condição de licenciamento de veículo ao pagamento de multa
Execução extrajudicial de nota promissória (02)
Impugnação à contestação em declaratória de inexigibilidade de débito
Interposição de medida cautelar inominada para retirada do nome de empresa de cadastro de inadimp
Interposição de exceção de incompetência, sob alegação de prevenção de competência
Ação rescisória de pré-contrato, cumulada com perdas e danos, lucros cessantes e danos emergentes
Ação de revisão de contrato bancário
Interposição de embargos de terceiro, ante à ocorrência de constrição em bem imóvel do embargante
Pedido de juntada de documentos e de termo de comprovação de renúncia ao mandato de advogado
Contestação à ação de indenização, alegando-se falta de comprovação acerca de erro médico
Pedido de restituição de parcelas pagas em decorrência de rescisão contratual
Interposição de medida cautelar para sustação de protesto de duplicata emitida sem causa