Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Ação de indenização por benfeitorias úteis

Petição - Civil e processo civil - Ação de indenização por benfeitorias úteis


 Total de: 15.244 modelos.

 
Ação de indenização por benfeitorias úteis e necessárias realizadas na propriedade do réu, quando da vigência de contrato de parceria agrícola.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR BENFEITORIAS

em face de

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

O autor trabalhou durante .... anos na propriedade denominada Lote nº ...., situada na ...., no Município de ...., mediante Contrato de Parceria Agrícola, tendo a pessoa do réu como parceiro-proprietário.

Tal contrato teve seu início no mês de ...., do ano de ...., ficando convencionado que caberia ao autor, juntamente, com sua família, todo o trabalho com a lavoura de café, até o final da colheita, e que seria dividida entre parceiro outorgante e parceiro outorgado na forma combinada.

Em .... de ...., o .... foi assolado por uma terrível geada que queimou quase por completo as lavouras de café da região.

Na época, como tantos outros fazendeiros, o réu, considerado mais vantajoso, resolveu mecanizar suas terras, extinguindo toda a plantação de café, para dar início, à partir daí, ao cultivo de trigo e de soja em suas terras.

Coube então, ao autor, arrancar o equivalente à .... mil pés de café em serviço extra-contratual, pois, o contrato firmado entre o autor e réu tratava apenas do cultivo e colheita de café.

A partir daí, passou a vigir Contrato de Parceria Agrícola, tendo como objeto, o plantio e colheita de soja e de trigo (Vossa Excelência pode observar cópia de Prorrogação de Contrato de Parceria Agrícola, como também cópia de Contrato de Penhor Agrícola firmado entre o réu e a ...., em favor do autor, anexados à este).

Sendo o autor, pessoa de boa índole, cumpridor de suas obrigações (juntamente com sua família), o contrato entre este e o réu foi prorrogado consecutivamente, durante todos os anos que se seguiram, sendo o último referente a .... de .... com término previsto para .... de ....

Ocorre que em .... de ...., o autor fora acometido por um derrame cerebral, permanecendo internado entre a vida e a morte por .... dias.

Deste infortúnio, resultou-lhe a perda total da sensibilidade e controle do braço esquerdo, ficando afetado também outras partes de seu corpo.

Ainda assim, permaneceu na fazenda até .... de .... e, sem esperança de voltar a ser uma pessoa normal, capaz de realizar pessoalmente suas funções (no período em que esteve doente, o trabalho na fazenda foi realizado pelo irmão mais jovem com a ajuda de alguns vizinhos), autor e réu, em comum acordo, resolveram extinguir de vez o contrato que os mantinham vinculados.

Após as formalidades legais, o autor e família, deixaram a fazenda vindo residir em ....

Excelência, o motivo que faz com que o autor venha pleitear em juízo seus direitos, está no fato de que, o mesmo, durante os anos que trabalhou na fazenda de propriedade do réu, construiu lá, diversas benfeitorias úteis e necessárias, que continuam agregadas ao imóvel, até a presente data. Vejamos então:

a) como fora dito no início desta, no ano de ...., após a geada negra o autor, arrancou a quantia de .... mil pés de café, em trabalho extra-contratual, para poder dar início as novas lavouras de soja e trigo, sem nada receber por este trabalho.
b) neste mesmo ano, o autor construiu .... caixas d'água nos carreadores da fazenda, para evitar que a erosão acabasse com os mesmos e, embora já não existam mais, pois o réu resolveu implantar no imóvel o sistema de curvas de nível, estiveram lá, até final de ....
c) no decorrer de ...., o autor, sendo pessoa zelosa e trabalhadora, plantou na propriedade do réu, o equivalente à .... alqueire de grama, cercando toda esta área com arame farpado, formando assim, um pasto farto para o gado.
d) no ano de ...., o autor, pessoalmente, usando materiais adquiridos com seus recursos, construiu no imóvel, uma garagem com capacidade para abrigar um automóvel.
e) em .... de ...., o autor, comprou e instalou na propriedade, uma bomba da marca ...., com capacidade para .... metros de altura. Para fazer a instalação da bomba, o autor gastou também com equipamentos necessários a fixação da mesma (Vossa Excelência, pode observar cópia autenticada na nota fiscal referente à compra, anexada à este).

A função da bomba, é trazer a água para as caixas d'água existentes na fazenda, evitando, assim, o uso de outros meios mais rústicos para se obter a água.

8. Sabemos Excelência, que benfeitorias são obras ou despesas que se fazem num bem móvel ou imóvel, a outrem pertencente, a fim de conservá-lo, melhorá-lo em embelezá-lo.

Desta forma, as benfeitorias podem ser: voluptuárias, úteis ou necessárias.

Trataremos aqui das benfeitorias úteis e necessárias, que o que nos interessa no momento.

Na acepção do mestre Washington de Barros Monteiro, temos como benfeitorias úteis, as que aumentam ou facilitam o uso da coisa, por exemplo: a edificação de uma garagem numa casa. Essa construção não era necessária para a conservação do prédio, mas veio aumentar-lhe o valor, facilitar-lhe o uso. É portanto, benfeitoria útil.

São necessárias, as que têm por fim conservar a coisa ou evitar se deteriore. Por exemplo: uma cerca de arame farpado para defesa da terra cultivada, o reforço de fundações de um prédio que ameaçam ceder, a restauração de um assoalho, etc.

Diante destas definições podemos enquadrar as benfeitorias feitas pelo autor, da seguinte maneira:

São as benfeitorias úteis:

a) O fato do autor ter arrancado todo o café para iniciar novas culturas, ocorreu para melhorar os lucros no imóvel, que seriam maiores com o cultivo de trigo e de soja na fazenda.
b) A formação do pasto na fazenda, veio melhorar o pastoreio do gado que antes vivia solto pela propriedade.
c) A construção da garagem, também pode ser classificada como benfeitoria útil, já que a mesma serve para proteger o automóvel das intempéries do tempo.
d) A instalação da bomba d'água aumentou o valor da propriedade, como também facilitou a vida dos moradores que ali residiram ou venham a residir.

São as benfeitorias necessárias:

a) As caixas d'água perfuradas na fazenda, tornaram-se necessárias, pois sem elas, a erosão pluvial acabaria por destruir todos os carreadores, prejudicando assim, toda a lavoura de trigo e de soja.

A pretensão do autor encontra amplo respaldo na lei que lhe assegura o direito de pleitear em juízo, indenização pelas benfeitorias realizadas na propriedade do réu.

DO DIREITO

O artigo 1219 do Código Civil Brasileiro, combinado com o artigo 25 do Decreto nº 59.566 de 14 de novembro de 1966, que regulamenta a Lei nº 4.504/64 (Estatuto da Terra), lhe confere este direito. Senão vejamos:

Art. 1219 do Código Civil Brasileiro
"O possuidor de boa-fé tem direito à indenização das benfeitorias necessárias e úteis, bem como, quanto às voluptuárias, se lhe não forem pagas, a levantá-las, quando o puder sem detrimento da coisa, e poderá exercer o direito de retenção pelo valor das benfeitorias necessárias e úteis."
Art. 25 de Decreto nº 59.566, de 14 de novembro de 1966, que regulamenta a Lei nº 4.504 de 30 de novembro de 1964 (Estatuto da Terra).
"O arrendatário, no término do contrato, terá direito à indenização das benfeitorias necessárias e úteis. Quanto às voluptuária somente será indenizado se sua construção for expressamente autorizado pelo arrendador."

Esta norma é aplicável também aos contratos de parceria agrícola.

DOS PEDIDOS

Ante ao exposto, requer à Vossa Excelência, digne-se determinar citação do réu por mandado, para responder a presente ação, sob pena de revelia e com a advertência de que trata o artigo 285, 2ª parte do Código de Processo Civil.

Requer também, a produção de todo o tipo de prova permitido em direito que a interesse da causa possa convir.

Requer finalmente, seja julgado procedente o pedido do autor com a condenação do réu ao pagamento da indenização pelas benfeitorias úteis e necessárias realizadas em seu imóvel (conforme descrito no item nº 7), devendo o pagamento pela bomba d'água ser acrescida de juros e correção monetária, como também ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios.

Poderão confirmar os fatos alegados as testemunhas do rol abaixo nominadas:

1. .... (qualificação), portador da Cédula de Identidade/RG nº ...., residente e domiciliado na ...., lote ...., no município de ....

2. .... (qualificação), portador da Cédula de Identidade/RG nº ...., residente e domiciliado no lote ...., no município de ....

3. .... (qualificação), portador da Cédula de Identidade/RG nº ...., residente e domiciliado na Rua .... nº ...., na comarca de ....

Dá-se à causa o valor de R$ .....

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Pedido de reintegração de posse de imóvel, ante esbulho caracterizado por construção de muro divi
Anulação da avaliação
Interposição de exceção de incompetência (01)
Contestação à consignatória alegando-se a falta de depósito total dos valores devidos e o correto
Trata-se de contestação à ação cautelar, sob alegação de inadimplência do autor quanto à contrato
Agravo de instrumento contra despacho denegatório do recurso de revista
Agravo de instrumento interposto de indeferimento de exceção de incompetência
Pedido de restituição de depósito bancário cumulado com indenização por danos morais
Ação de despejo contra ex empregado
Insolvência requerida pelo devedor
Pedido de citação por carta precatória
Contestação à ação declaratória negativa de relação jurídica