Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Trabalhista Empregador contesta Reclamatória Trabalhista, negando jornada extraordinária, adicional de insalubridade e descontos indevidos

Petição - Trabalhista - Empregador contesta Reclamatória Trabalhista, negando jornada extraordinária, adicional de insalubridade e descontos indevidos


 Total de: 15.244 modelos.

 
Empregador contesta Reclamatória Trabalhista, negando jornada extraordinária, adicional de insalubridade e descontos indevidos.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DA .... VARA DO TRABALHO DE ..... ESTADO DO .....

AUTOS/RT Nº .....

....., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o n.º ....., com sede na Rua ....., n.º ....., Bairro ......, Cidade ....., Estado ....., CEP ....., representada neste ato por seu (sua) sócio(a) gerente Sr. (a). ....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG nº ..... e do CPF n.º ....., por intermédio de seu advogado (a) e bastante procurador (a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

CONTESTAÇÃO

à reclamatória trabalhista interposta por ....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DO MÉRITO

1.CONTRATO

O reclamante foi admitido em .... (e não em .... como alega ...., em ....), e dispensado sem justa causa em ....

As verbas rescisórias foram-lhe pagas no dia 29/11/93, portanto dentro do prazo legal, conforme documento anexo. Tendo em vista a ocorrência de reajuste no período posterior a data de pagamento das rescisórias, a reclamada procedeu à quitação das respectivas diferenças através de termo de rescisão COMPLEMENTAR, que vai anexo.

Ambos os termos de rescisão atestam a correção dos pagamentos efetuados sob as rubricas postuladas, com o que restam infundadas as pretensões do reclamante.

2. HORÁRIO DE TRABALHO

O reclamante trabalhava das .... às .... horas, com uma hora de intervalo para refeição, de segunda a sexta-feira, compensando os sábados conforme o acordo por ele firmado (anexo). Essa jornada consta nos cartões-ponto que vão anexos.

Inverídica "in totum", a jornada alegada pelo reclamante, pois, na verdade ele laborava tão somente nos horários supra discriminados, tudo de conformidade com os registros mecânicos por ele efetuados nos cartões-ponto, que comprovam a inexistência de quaisquer excessos.

O reclamante jamais trabalhou em domingos ou feriados, e muito menos em horário noturno.

3. INSALUBRIDADE

O adicional de insalubridade somente é devido quando presentes agentes nocivos, e, mesmo assim, desde que o empregador não forneça os equipamentos de proteção. No caso, o reclamante jamais esteve em contato com quaisquer agentes nocivos, mesmo em razão de sua função.

Não obstante, a reclamada mantém todos os equipamentos de proteção e segurança adequados, mantendo-os sempre à disposição de todos os seus empregados, orientando-os, para utilizarem sempre que necessário, e sempre de acordo com as características da função exercida.

Ainda que houvesse no local de trabalho algum agente nocivo, e, mesmo que a reclamada não dispusesse de aparelhos de proteção para o uso de seus empregados, jamais o adicional atingiria o percentual de 40% reclamado pelo autor. A gravação de percentual depende do índice de agressividade dos agentes, apurável segundo os parâmetros legais. De qualquer modo, compete ao reclamante o ônus da prova.

Mesmo que houvesse justificativa para o deferimento do referido adicional, a base de cálculo somente poderia ser o Valor de

Referência (ou Salário de Referência), e não o salário mínimo, e muito menos o salário normativo da categoria.

4. DESCONTOS E VALES TRANSPORTES

Os descontos efetuados pela reclamada foram apenas e tão somente aqueles autorizados pela lei.

Nota-se que o reclamante refere-se a descontos de forma genérica, sem especificar quais valores ou em quais ocasiões teriam sido efetuados.

O pedido de devolução de "vales desconhecidos", por exemplo, traz implícita carga de má-fé, além de ser absolutamente inepto, inclusive porque não especifica valores nem datas, impossibilitando a defesa.

Os vales transportes foram descontados até o limite legalmente autorizado. Note-se que o limite legal é estabelecido em percentual, e não em valores. Existem variantes que determinam a diferenciação dos valores do desconto, tais como a quantidade de passagens utilizada, o preço das tarifas (em Curitiba a tarifa é diferenciada, conforme se trate de ônibus de linha regular, ou de ônibus metropolitano). A equiparação pedida pelo reclamante é totalmente descabida, na medida em que ignora essas variantes. Aliás, na inicial ele nem sequer se dá ao trabalho de iniciar paradigma, ou referir-se a quaisquer condições que pudessem implicar na pretendida equiparação; tivesse feito tais indicações, seria então possível à reclamada formular sua defesa. Requer-se, por cautela, que, se devidamente autorizado por esse MM. Juízo, esclareça o autor o seu pedido, para que então possa a reclamada contestá-lo, devolvendo-se-lhe prazo para a necessária defesa.

Independentemente dessa providência, requer-se que o autor esclareça e demonstre quais os valores que teriam ultrapassado o limite percentual autorizado a título de vale transporte, para que seja possível à reclamada formular sua defesa. Tal como posto, o pedido é totalmente inepto.

Jamais a reclamada descontou faltas que tivessem sido justificadas pelo reclamante. Se ele entende o contrário, que o demonstre, para possibilitar a defesa. O mesmo se diga com relação aos uniformes e refeições.

DOS PEDIDOS

Assim, pela mesma ordem em que foram formulados, merecem ser indeferidos os pedidos, como seguem:

a - Anotações na carteira: a data correta da admissão é ...., pelo que improcedem o pedido, sendo que as demais anotações já foram feitas;
b - Contrato de experiência: ainda que as qualidades do reclamante já fossem conhecidas pela reclamada, nenhum efeito geraria a pretendida nulidade do contrato de experiência. Aliás, trata-se de pedido inócuo e sem objeto, e portanto inepto;
c - Férias, natalinas e FGTS: as férias e respectivo abono, bem como as natalinas, foram devidamente pagas na rescisão conforme documentos anexos (rescisão e respectivo complemento). Quanto ao FGTS, pode ser sacado pelo reclamante mediante os próprios termos de rescisão, conforme o contido nos quadros... em diante dos termos de rescisão, que lhe foram entregues. A multa de 40% foi paga através dos mesmos documentos, no quadro ....;
d - Depósitos fundiários: o reclamante nem sequer noticia a existência de diferenças! Nem ao menos se deu ao trabalho de demonstrar quais seriam, para que a reclamada pudesse contestá-las! Simplesmente alega, na esperança que esse MM. Juízo as defira pura e simplesmente. Ora, deve o reclamante atender ao disposto no art. 818 da CLT, ou pelo menos indicar em que consistiriam as diferenças, se é que entende que existem. Ou pelo menos tivesse juntado aos autos os extratos de sua conta vinculada, indicando em qual ou quais meses estariam as diferenças. Sem isso, impossível contestar o pedido, restando caracterizado o cerceamento de defesa. A inépcia do pedido é evidente. Aliás, também o é o engano do reclamante, que pede "liberação de guias", sendo que o próprio termo de rescisão possibilita o saque - o que leva a crer que o autor deixou de levantar seu saldo por ignorar esse detalhe, partindo precipitadamente para a suposição de que a reclamada não teria feito os depósitos. E, em juízo, nenhuma condenação pode ocorrer em meras suposições colhidas ao acaso por uma das partes.
e - O pagamento das rescisórias foi efetuado no dia ...., no sétimo dia após a dispensa, conforme documento anexo, e, portanto, dentro do prazo legal. Descabido, pois, o pedido da multa, somente aplicável quando verificado atraso - o que não ocorreu.
f - g - h - Horas extras e adicional noturno, domingos e feriados: os cartões-ponto anexos demonstram que o reclamante cumpria apenas a jornada normal de trabalho, não tendo laborado em horários noturnos, nem aos domingos ou feriados. Indevido o principal, sucumbem os acessórios;
i - Insalubridade: compete-lhe o ônus da prova. Todavia, a reclamada está convicta da não existência de agentes insalubres em suas instalações, sendo que, para maior conforto de seus empregados que trabalham em funções outras de possível comprometimento, dispõe de luvas, máscaras e protetores, para eliminar qualquer possibilidade de risco. Na pior das hipóteses, jamais o percentual chegaria aos pretendidos 40%;
j - Não houve qualquer infração às cláusulas Convencionais. Ainda que tivesse havido, a multa seria uma só, e jamais uma a cada pretensa infração. Também não poderia corresponder a um salário mínimo.
k - Repete-se a deslealdade processual, no pedido do reclamante que trata da devolução de descontos, quando "Requer a devolução de todo", pretende locupletar-se ilicitamente, pelo que não merece ver agasalhada pretensão por esse MM. Juízo. A reclamada não efetuou nenhum desconto a título de uniforme, nem tampouco de refeição. O desconto de vales transporte obedeceu a limitação legal. Os valores não eram "desconhecidos" do reclamante, mesmo porque a reclamada os fornecia para dar cumprimento a disposição normativa, outrora mera liberalidade, sempre com o pleno conhecimento dos empregados. Não houve falta "justificada", pois aquelas relativas a dias não trabalhados constituíram desconto plenamente lícito, por serem injustificadas.
l - As importâncias gastas com transporte estão contidas em regulamentação legal, com limitação de desconto devidamente disciplinada, sendo que esses parâmetros foram obedecidos pela reclamada, conforme já se disse anteriormente. O fato de residir lá ou cá é irrelevante, pois os dispositivos legais tratam da quantidade de vales que sejam necessários, e não as distâncias entre a residência e o local de trabalho. Os critérios imaginados pelo reclamante são absolutamente SUBJETIVOS, e demonstram ignorância da lei, o que não é admissível. Se, ainda assim, entende devida alguma diferença, que a demonstre e indique, para que a reclamada possa contestar o pedido, esse aliás totalmente inepto.

m - O FGTS apenas incidiria se houvesse condenação, e, mesmo assim, sobre as verbas de caráter remuneratório.

n - A aplicação do art. 467 somente é possível quando se tratar de salário "strictu sensu" - o que não é o caso dos autos - e, ainda assim, quando inexistente controvérsia - o que também não é o caso dos autos. Os juros são acessórios somente aplicáveis na existência do principal, e não podem ser capitalizados. Honorários: hão de depender da sucumbência. Requer-se que, nos termos da Lei nº 8.906 de 04/07/94, seja neles condenado o autor, total ou parcialmente, conforme venha a ser decidido o mérito de cada uma das postulações.

Requer, por cautela, a compensação de valores pagos. Impugna, outrossim, os documentos não autenticados (art. 830 CLT) e os apócrifos. Requer a aplicação do Enunciado 330/TST, bem como a total IMPROCEDÊNCIA da ação, com a condenação do autor nas custas e despesas processuais.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Trabalhista
Pedido de juntada de artigos de liquidação trabalhista
Interposição de recurso ordinário pelo reclamante, aduzindo que não há de se falar em prescrição
Reclamatória trabalhista, na qual se pleiteias indenização por despedida em período de estabilida
Contra-razões de recurso de revista - Abonos salariais
Contestação, a ausência de vínculo empregatício, além da inexistência de grupo econômico
Pedido de busca e apreensão de livros contábeis, em reclamatória trabalhista
Pedido de indenização em decorrência de acidente de trabalho
Reclamatória trabalhista pleiteando o pagamento de verbas rescisórias e seus devidos reflexos, al
Contra-razões de recurso de revista de abono provisório
Pedido de penhora
Reclamatória trabalhista, pleiteando-se declaração de estabilidade de cenária e unicidade contrat
Pedido de devolução de valores retidos a título de INSS