Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Previdenciário Apelação por parte de INSS, ante decisão que concedeu ao autor o direito de pagar a indenização do período em que deixou de recolher as contribuições

Petição - Previdenciário - Apelação por parte de INSS, ante decisão que concedeu ao autor o direito de pagar a indenização do período em que deixou de recolher as contribuições


 Total de: 15.245 modelos.

 
Apelação por parte de INSS, ante decisão que concedeu ao autor o direito de pagar a indenização do período em que deixou de recolher as contribuições, com base nos valores devidos à época.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA .... VARA PREVIDENCIÁRIA DA JUSTIÇA FEDERAL - SEÇÃO JUDICIÁRIA DE .....

O INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -- INSS, por seu procurador signatário, já devidamente qualificado nos autos do Mandado de Segurança nº. ........... impetrado por ................., não se conformando com a r. decisão de fls. , vem, mui respeitosamente, perante Vossa Excelência, com fundamento nos arts. 513 e seguintes do CPC, interpor

APELAÇÃO

Da r. sentença de fls ....., nos termos que seguem.

Requerendo, para tanto, que o recurso seja recebido no duplo efeito, determinando-se a sua remessa ao Egrégio Tribunal Regional Federal da .... Região, para que dela conheça e profira nova decisão.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]



EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ....

ORIGEM: Autos sob n.º .... - ....ª Vara Previdenciária da Justiça Federal de .......
Apelante: INSS
Apelado: ....

O INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -- INSS, por seu procurador signatário, já devidamente qualificado nos autos do Mandado de Segurança nº. ........... impetrado por ................., não se conformando com a r. decisão de fls. , vem, mui respeitosamente, perante Vossa Excelência, com fundamento nos arts. 513 e seguintes do CPC, interpor

APELAÇÃO

pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

RAZÕES DE APELAÇÃO

Colenda Corte
Eméritos julgadores

DOS FATOS

Diz o impetrante que esteve inscrito no INSS, na qualidade de contribuinte individual autônomo, no período de ../... a .../...; que tendo completado o tempo de serviço exigido, requereu em .../.../...., aposentadoria por tempo de serviço; que estando em atraso com o pagamento das contribuições no período de .../... a .../...., o INSS emitiu o Relatório de Cálculo de Média de DIC e Relatório Discriminativo de Cálculo de Retroação de DIC, para pagamento destas contribuições, cujo valor totaliza R$ ......, atualizado até .../....../.......

Ocorre que, segundo expõe, no período anterior, de .../.... a .../...., o impetrante sempre contribuiu na classe 01, enquanto que no Relatório Discriminativo de Cálculo de Retroação de DIC, os valores das contribuições das competências de .../... a ..../.... são todas iguais e bastante superiores aos valores devidos à classe, na qual vinha contribuindo desde a sua inscrição como contribuinte individual.

Que, as contribuições do período cobrado pelo INSS, se calculadas na classe 01, e se forem corrigidas pelos índices de ......./..... serão bastante inferiores ao que o impetrado pretende cobrar.

Que o impetrante após a inatividade como autônomo, passou a exercer a profissão de motorista, empregado, cujos contratos de trabalho iniciaram em ....../..../...... a ..../..../...., permanecendo até a presente data.

Que,para elaboração do cálculo da indenização, o INSS louvou-se nas disposições da Ordem de Serviço Conjunta INSS/DAF/DAA n. 55, de 19.11.96, e outras disposições de lei.

Requer, portanto, seja concedida a segurança para o fim de ser declarada a inexigibilidade do crédito que está sendo cobrado pelo INSS à título de indenização pelo tempo de serviço que remonta ao período de .../... a .../...., determinando que se fixe como base de cálculo o valor mínimo (classe 01) e não com relação aos salários de contribuição, na condição de empregado, como quer que seja feito.

DO DIREITO

Sem razão a r. sentença, uma vez que a exigência da indenização com base nos 36 (trinta e seis) últimos salários-de-contribuição, tem supedâneo na Lei n.0 9.032/95, conforme será demonstrado a seguir.

O ART. 2o. DA LEI 9.032/95

A Lei 9.032, de 28.04.95, por seu artigo 2o. introduziu modificações no art. 45 da Lei 8.212/91 (Plano de Custeio da Previdência Social), cujos § 1o e 2o ficaram assim redigidos:

"Parágrafo 1o. No caso de segurado empresário, ou autônomo e equiparados, o direito de a Seguridade Social apurar e constituir seus créditos, para fins de comprovação do exercício de atividade para obtenção de benefícios extingue-se em 30 (trinta) anos.

§ 20. Para a apuração e constituição dos créditos a que se refere o § anterior a Seguridade Social utilizará como base de incidência o valor da média aritmética simples dos 36 (trinta e seis) últimos salários-de-contribuição do segurado."

Referido dispositivo legal foi regulamentado pela Portaria INSS/DAF 3.604, de 23.10.96 e pela Ordem de Serviço INSS/DAF n.0 55, de 19.11.96.

Como afirma o próprio Impetrante na inicial, o ato ora atacado embasa-se no artigo 2º. da Lei 8.032/95, retro-transcrito, não podendo ser ilegal cumprimento à dispositivo legal.

Onde, pois, está a ilegalidade do referido ato, se tem ele base legal? Em verdade, o ato administrativo atacado não poderia de forma alguma ser diferente, eis que seu praticante, o agente público, está jungido ao princípio da legalidade, no dizer do insuperável HELY LOPES MEIRELLES:

"Legalidade - A legalidade, como principio de administração (CF, art. 37, caput), significa que o administrador público está, em toda a sua atividade funcional, sujeito aos mandamentos da lei e às exigências do bem comum, e deles não pode se afastar ou desviar, sob pena de praticar ato inválido e expor-se à responsabilidade disciplinar, civil e criminal, conforme o caso. A eficácia de toda atividade administrativa está condicionada ao atendimento da lei. Na Administração Pública não há liberdade nem vontade pessoal. Enquanto na administração particular é licito fazer tudo que a lei não proíbe, na Administração Pública só é permitido fazer o que a lei autoriza. A lei para o particular significa 'pode fazer assim'; para o administrador público significa 'deve fazer assim'. As leis administrativas são, normalmente, de ordem pública e seus preceitos não podem ser descumpridos, nem mesmo por acordo ou vontade conjunta de seus aplicadores e destinatá rios..." (in "DIREITO ADMINISTRATIVO BRASILEIRO" Malheiros Editores, 22a. ed., 1197, pág. 82).

Perfeitamente legal, portanto, o ato administrativo em foco.

Como visto, a Lei 9.032/95, por seu art. 2o §1o 2o definiu critério de atualização da base de cálculo da contribuição previdenciária nos casos que menciona para efeito de pagamento de contribuições em atraso, e para fins de utilização de tempo de serviço respectivo na obtenção de benefícios previdenciários. O objeto da norma foi o de tornar mais real e atual o valor a ser pago.

O Código Tributário Nacional, por seu art. 97, inc. IV e §2o valida o procedimento legal, nos seguintes termos:

"Art. 97. Somente a lei pode estabelecer:
.........

II - a majoração de tributos, ou sua redução, ressalvado o disposto nos arts. 21, 26, 39, 57 e 65;
.........

IV a fixação da alíquota do tributo e da sua base de cálculo, ressalvado o disposto nos arts. 21, 26, 39, 57 e 65;"
.........

§ 2º. Não constitui majoração de tributos, para os fins do disposto no inc. II deste artigo, a atualização do valor monetário da respectiva base de cálculo."

Correto, portanto, o que fez a Lei 9.032/95 ao determinar a atualização da base de cálculo de forma a que o pagamento venha a expressar valores consentâneos com a incidência atual da contribuição.

Evidentemente, isto nada tem a ver com os arts. 150,inc. III letra "a" da C.F., que se refere a criação ou majoração de tributos, o que não é o caso, nem diz respeito ao art. 144 do Código Tributário Nacional,estando autorizado, como visto, por seu art. 97 e seu §2o.

Ainda, cabe frisar que não há a infrigência ao princípio da isonomia, visto que, a lei é de aplicação geral, não havendo distinções, mas apenas enquadramento legal ao caso concreto.

DOS PEDIDOS

Ex positis, requer a Autarquia apelante dignem-se Vossas Excelências conhecerem do recurso e dar-lhe provimento, para o fim de reformar a sentença monocrática, com a decisão pela legalidade do ato tido como coator.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Previdenciário
Contra-razões de apelação, sob alegação de que o laudo pericial não foi impugnado pelo INSS
Medida cautelar inominada para reaver do INSS diferenças acerca de benefício previdenciário monet
Ação de concessão de benefício assistencial, movida em face do INSS
Contra-razões de apelação de aposentadoria (01)
Discordância de cálculo apresentado pelo INSS, em liquidação de sentença
Embargos de declaração de revisão da pensão
Concessão de auxílio-acidente
Requerimento de pensão previdenciária
Ação de concessão de amparo assistencial, em face do INSS
Ação ordinária com antecipação de tutela para receber tratamento hospital
Impugnação ao cálculo apresentado por contador judicial
Contra razões em apelação no qual o INSS alega que não existe união estável