Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Comercial Ação ordinária de nulidade cambial cumulada com indenização por perdas e danos e tutela antecipada

Petição - Comercial - Ação ordinária de nulidade cambial cumulada com indenização por perdas e danos e tutela antecipada


 Total de: 15.244 modelos.

 
Ação ordinária de nulidade cambial cumulada com indenização por perdas e danos e tutela antecipada.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

ORDINÁRIA DE NULIDADE DE CAMBIAL COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPATÓRIA

em face de

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

A requerente é pessoa jurídica de direito privado, atuante no mercado tanto .............. quanto no nacional. desde longa data, agindo sempre com lisura e idoneidade em seus negócios.

Ocorre que no dia ..... de ........ de ........., a requerente se surpreendeu com a chegada de aviso do .... Ofício de Protesto desta Capital para cobrança do título nº ............... (doc. .....), face que estes títulos / notas fiscais já haviam sido quitadas mediante depósito na conta corrente da ré em ... de .... de ....... (doc. .... ), de cuja quitação a ré foi cientificada mediante Email (doc.....), nos termos da resposta via FAX pela ré (doc. ....0.

O faz datado de .../.../..... (doc. ..... ) estabelece condições para o levantamento do protesto, qual seja pagamento de juros equivalentes a R$ ... , mais despesas de protesto.

Cabe, dizer que a exigência de juros de R$ ....... sobre uma dívida de R$ ...., vencida em .../...../..... equivale a juros de 10% (dez por cento) ao mês, índice inaceitável e defeso de cobrar nos termos da nossa legislação.

De sobra, em que pese a ré ter fixado como data de vencimento o dia .../..../......, os serviços executados para a autora somente tiverem aceitação técnica em ..../...../......., sendo que a ré tinha e tem ciência que o pagamento somente se processaria com .... (.....) dais da ciência meditante aceitação técnica do serviço por parte do cliente e da contratante, no caso a ................, portanto o título em questão não estava vencido. Porém, só argumentar, ainda que se considerado fosse vencido os juros máximos devidos seriam de R$ ...... (.............), a razão de 1% (um por cento ao mês), jamais pelo índice pretendido que revela-se verdadeira usura em prática contra os interesses da autora.

Já com relação as despesas de protesto, a autora demonstrou a quitação do título, consequentemente caberia a ré de pronto suspender qualquer tramite relacionado ao indigitado protesto.

Portanto, diante da inexistência de qualquer responsabilidade pelo pagamento da duplicata, face ter ocorrido seu pagamento, ainda ante a não conclusão dos serviços que geraram as despesas cobradas capaz de validar tal cambial, torna-se certo sua inexibilidade porém mesmo assim foi enviada a protesto e protestada, o que poderá com isso, esta a causar sérios e irreparáveis prejuízos e abalo a reputação moral e financeira da requerente, que mesmo tendo procurado esclarecer a requerida não logrou êxito, não lhe restando outra alternativa senão a busca de tutela jurisdicional a ser prestada por esse MM. Juízo, para salvaguardar seus direitos.

DO DIREITO

1. DO CABIMENTO DA TUTELA CAUTELAR

O protesto de títulos é instrumento de grande importância para o Direito Comercial, pois, de um lado, atua de forma coercitiva, dando maior força ao credor quanto à satisfação de seu crédito que, uma vez inadimplido, leva a realização do protesto.

Realizado o protesto, sofre o devedor inadimplente grave abalo em seu crédito, posto que torna-se publica a circunstância, podendo ser-lhe negada a compra e crédito junto a fornecedores, especialmente no caso da autora, cuja atividade exige participar de licitações públicas e privadas, e existindo protesto de título, esta automaticamente fica excluída das licitações em andamento.

É sabido que o crédito é elemento de suma importância para as empresas, na medida em que compram ou vendem a prazo, viabilizando com isto a circulação de mercadorias, e consequentemente, a geração de riquezas, tributos e empregos.

Sendo assim, não pode uma empresa ter seu crédito abalado indevidamente, impondo-se, em tal circunstância, o cancelamento do protesto.

Nesse Sentido é o entendimento jurisprudencial:

27146646 - CONTRATO DE ARRENDAMENTO MERCANTIL - "Ação de cancelamento de protesto com pedido indenizatório. Dano moral e material. Responsabilidade civil. Litigância de má-fé. Deve ser cancelado o protesto ou mesmo o cadastramento no registro de devedores, quando quitado o débito, através de termo de rescisão contratual. Responsabilidade civil por protesto indevido, configurado pela conduta ilícita da arrendadora, que demonstrou falta de zelo quando do aponte do título. Cabível a aplicação de pena de Litigância de má-fé, de malicioso da apelada, ao alterar a verdade dos fatos, devendo ser condenado ao pagamento de 1% sobre o valor atualizado da causa (artigo 18 do Código de Processo Civil). Apelo provido, com disposição de ofício". (TJRS - APC 70002379873 - 14ª C.Civ. - Rel. Des. João Armando Bezerra Campos - J. 01.11.2001)

27153930 - CANCELAMENTO DE PROTESTO - TÍTULOS DE CRÉDITO - "Para obter o cancelamento de protesto de títulos cambiais se faz necessária a prova do pagamento e/ou a anuência do credor. A prescrição da ação executiva deve ser declarada, judicialmente, sede de ação própria. Disciplinamento na Lei nº 6.690, de 25.09.1979. Sentença mantida. Apelo improvido". (TJRS - APC 70001454446 - 12ª C.Civ. - Relª Desª Ana Maria Nedel Scalzilli - J. 09.08.2001).

27138575 - APELAÇÃO CÍVEL - PROTESTO DE TÍTULO - MORA NO CANCELAMENTO - DANO MORAL - QUANTIFICAÇÃO - Embora lícito o protesto do título indevida é a sua manutenção após o pagamento da dívida. Cabível o pedido de indenização por dano moral em virtude do constrangimento provocado pela mora no cancelamento do protesto quando não mais existente qualquer débito. O valor a ser arbitrado deverá atender a extensão da responsabilidade do réu e a participação do lesado no evento. Provimento parcial da apelação do autor e não provimento do recurso aderido do réu. (TJRS - APC 70000063313 - 6ª C.Cív. - Rel. Des. Antônio Corrêa Palmeiro da Fontoura - J. 25.04.2001)

A jurisprudência demonstra a postura dos Tribunais é no sentido de admitir concessão da Tutela Cautelar para o cancelamento do protesto da cártula indevidamente apontada em cartório.

Ainda cabe apontar dispositivos pertinentes do CCB:

"Art. 389. Não cumprida a obrigação, responde o devedor por perdas e danos, mais juros e atualização monetária segundo índices oficiais regularmente estabelecidos, e honorários de advogados."

"Art. 476. Nos contratos bilaterais, nenhum dos contratantes, antes de cumprida a sua obrigação, pode exigir o implemento da do outro."

Presentes no caso em tela os requisitos essenciais para a concessão da antecipação da tutela requerida, quais sejam a verossimilhança do pedido e o perigo da demora.

A verossimilhança decorre da ausência de liquidez, certeza e exigibilidade do título ora levado à protesto, face o mesmo estar quitado, bem com pela não entrega satisfatória dos serviços, capaz de legitimar a cobrança do título apresentado, conforme já aduzido.

O perigo da demora emerge do fato de que, em não se procedendo o cancelamento pretendido, tal fato produzirá grande abalo ao crédito da autora, principalmente pelo fato de a excluir de concorrências e licitações públicas e privadas, que no caso é o carro chefe de sua própria existência.

Por outro lado, uma vez efetivado o protesto, o seu levantamento só é possível mediante anuência da credora, cuja anuência está sendo negada, de forma vil e injustificada nos termos do (doc. 10), cujas exigências a autora considera inaceitáveis, principalmente no tocante aos juros absurdos que a ré pretende impor.

2. DOS VALORES JÁ PAGOS E COBRADOS NOVAMENTE

Diante das diversas irregularidades da cobrança ora em tela, a própria dívida, já liquidada, conforme depósito (doc. 9), devidamente reconhecido pela ré (doc. 10).

O diploma substantivo civil, em seu artigo 940, assim diz:

"Art. 940. Aquele que demandar por dívida já paga, no todo ou em parte, sem ressalvar as quantias recebidas ou pedir mais do que for devido, ficará obrigado a pagar ao devedor, no primeiro caso, o dobro do que houver cobrado e, no segundo, o equivalente do que ele exigir, salvo se houver prescrição."

No escólio do insigne J.M. Carvalho Santos, interpretando tal preceito legal, temos:

"1- AQUELE QUE DEMANDAR POR DÍVIDA JÁ PAGA, NO TODO OU EM PARTE, SEM RESSALBAR AS QUANTIAS RECEBIDAS.. É o caso de "re plus petitur": RE plus petitur, cum quis au majorem partem summae, aut rei debitae petit, ut decem debeantur, et, petata, vigint; vel mars demus fit in obligatione et totam domum petat."

Exigir dívida já paga, ou em parte paga, sem ressalvar as quantias recebidas são formas de excesso de pedido, casos de "plus petionibus", para os quais há, desde o antigo Direito, as sanções aqui estabelecidas.

2 - OU PEDIR MAIS DO QUE FOR DEVIDO. Outro aspecto de "plus petitio". equivalente ao texto de "quantum" superior ao realmente contido na dívida, como também no demandar para lugar diferente em que deve ser paga a dívida, ou ainda no pedido de satisfação de obrigação não constante da dívida.

Qualquer espécie de pedido exorbitante se inclui entre os casos de "plus petitio" mencionado...

Isto posto, tendo em vista a inobservância do pagamento já efetuado que fulminaram de forma inconteste títulos cobrados se devidos fossem, remetem-na às sanções do disposto no artigo 940 do Código Civil, com indenização pelo pedido do dobro, na forma preconizada pela lei vigente.

3. DO DANO MATERIAL E MORAL

Como sabido, o dano que resulta do ato ilícito pode ser moral ou patrimonial.

Ainda, quanto ao assunto em comento, CAIO MÁRIO DA SILVA PEREIRA, Professor Emérito na Universidade Federal do Rio de Janeiro e na Universidade Federal de Minas Gerais - "In" Seleções Jurídicas - ADV./COAD - 06/89. leciona:

"... A doutrina da responsabilidade civil, por mais de dois milênios apurou o princípio para proclamar o dever de reparação, imposto a todo aquele que por ação ou omissão voluntária, causa prejuízo a outrem ou lhe ofende os direitos. Foi mais longe, através do raciocínio de RAYMOND SALEILLES e LOUIS JOSSERAND, para sustentar que a reparação do dano pode desprezar a noção tradicional de culpa, criando-se desta forma a doutrina do risco, que no Projeto de Código de Obrigações que eu elaborei 1965, pode resumir-se nestes termos "Independentemente de culpa, o causador do dano sujeita-se a reparação, nos casos estabelecidos em lei."(art. 855). Revelando as minhas preferência pela doutrina denominada "do risco criado" assim redigi o art. 872: "Aquele quem em razão de sua atividade ou profissão, cria um perigo, está sujeito à reparação do dano que causar, salvo prova de haver adotado todas as medidas idôneas a evitá-lo..."

Continua o Mestre:

"PRINCIPIO CONSTITUCIONAL. A transformação conceitual verificou-se com a Constituição Federal de 5 de outubro de 1988. Com efeito, em duas disposições o Legislador Constituinte foi sensível à doutrina moderna. uma primeira vez, em norma pouco expressiva e menos clara enuncia o art. 5º nº V: "é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo além da indenização por dano material, moral ou à imagem." Uma segunda vez, de maneira mais franca embora enunciada casuisticamente, o mesmo art. 5º nº X, proclama: "São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurando o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação." Aludindo a determinados direitos a Constituição estabeleceu o mínimo. Não se trata, obviamente de "numerus Clausus", ou enumeração taxativa. Esses mencionados nas alíneas constitucionais não são os únicos direitos cuja violação sujeita o agente a reparar. Não podem ser reduzidos, por via legislativa, porque inscritos na Constituição. Podem, contudo, ser ampliados pela legislatura ordinária, como podem ainda receber extensão por via de interpretação, que neste teor recebe, na técnica do Direito norte-americano, a designação de "construction".

A doutrina e a jurisprudência, abonam o pleito ora deduzido em busca da tutela jurisdicional a ser prestada por esse MM. Juízo.

O festejado AGUIAR DIAS, em sua obra "Da Responsabilidade Civil Ed. Forense, II, p. 838" já ensinava:

"A tese da reparabilidade conta, em primeiro lugar com a opinião do insigne autor do Código Civil, quando ensina que o dano pode ser material ou moral, este relacionado aos bens espirituais, como a liberdade, a profissão, A HONRA, o respeito aos mortos e conclui que tal dano é indenizável ainda que não se expresse em dinheiro. O direito, por uma contingência dos meios humanos, sempre imperfeitos, vê-se forçado a aceitar essa maneira de ressarcir o dano moral. Mostra mais, que em face do art. 76 do Código Civil, já não é possível a controvérsia. PONTES DE MIRANDA empenha no debate sua profunda autoridade, estranhando, igualmente, que ainda se sustenta a absoluta irrreparabilidade do dano moral. "Que mal entendida justiça é essa, que dá valor ao dano imaterial ligado ao material e não ao dano imaterial sozinho? Mesmo Autor e op. cit. p. 403 e seguintes demonstram que o caso sub judice contempla hipótese de indenização quando preleciona. "A injúria e a calúnia, e em geral, qualquer atentado ao conceito e à consideração das pessoas são outras formas de lesão à honra. A proteção penal do sentimento de honra tem na repressão a esses delitos um exemplo frisante. Diz-se mesmo que é a mais expressiva das manifestações desse empenho da manutenção da paz social. São figuras de ofensa ao sentimento de honra. em sentido estrito.: a)- a difamação, que consiste na imputação de fato ofensivo à reputação de pessoa física ou jurídica, atingindo-a no conceito ou na consideração a que tem direito; b)- a injúria.... c)- a calúnia, que consiste na falta imputação ou denúncia de fato definido como crime.
.........
Assim, tanto autorização as reparações as imputações caluniosas, como as simples manifestações capazes de ofender o conceito de outrem."

Quanto ao abalo de crédito, reparabilidade do dano econômico e moral. IUSSEF SAID CAHALI, "in" Repertório IOB de Jurisprudência - 2ª Quinzena de maio de 1987 - nº 487, escreve:

"Na conjuntura atual, mais do que em outros tempos empenham-se as pessoas na preservação de um conceito ilibado, de um status que não só lhes assegure o respeito dos que com elas convivem, como também lhes facilite as atividades negociais próprias de sua profissões. A reputação pessoal integra-se no direito de personalidade, como atributo da honra do ser humano, merecendo, assim, a proteção das normas penais e das leis civis reparadoras."

Sob a égide dessa proteção devida, acentua-se cada vez mais na jurisprudência a condenação daqueles atos que maculam o conceito do bom nome da pessoa, causando-lhe o abalo do crédito.

Definem-se como tais aqueles atos que, de alguma forma, molestam o prestígio moral da pessoa, posto como condição não apenas para a vida comercial, como também para o exercício de qualquer profissão lícita.

A partir da ofensa provocada pelo ato injurioso, não mais desfrutará da credibilidade que antes lhe era concedida, no espírito do empresário prudente ou de qualquer particular. Instaura-se a erva da suspeição contra a mesma, que o leva a suspender ou restringir o crédito agora abalado.

As pessoas jurídicas, a exemplo das pessoas físicas ou naturais, também possuem bens patrimoniais e extrapatrimoniais. Dentro dos bens patrimoniais, nem todos são corpóreos, como as máquinas, instalações, materiais de escritório, etc. Também existem os bens patrimoniais incorpóreos, que cada vez mais vêm aumentando sua participação no patrimônio total das pessoas jurídicas. São inúmeros os exemplos de empresas em que a grande parte do seu patrimônio é composto por bens imateriais. Em muitos casos, somente o nome vale bilhões de dólares (Coca-Cola, Marlboro, Nike, etc).

Obviamente esse patrimônio imaterial não cai do céu. Ele é resultado da tradição, qualidade dos produtos, eficiência organizacional, pontualidade nos pagamentos, etc. Muitas vezes é resultado de maciços investimentos em imagem, realizado por campanhas sistemáticas de propaganda.

Não há dúvida que esses fatores agregam substancial valor a empresa e não são raros os exemplos de empresas que valem bilhões mas possuem pouco patrimônio material. Essa regra é válida tanto para s gigantescas corporações multinacionais quanto para o pequeno comerciante de esquina.

Além de possuir bens patrimoniais, é indiscutível que as pessoas jurídicas possuem também bens extrapatrimoniais coma a credibilidade, reputação, confiança do consumidor, etc., todos ligados à sua honra subjetiva. Dependendo do grau da lesão a esses bens, uma empresa pode ser levada até a bancarrota.

No próprio ordenamento constitucional podemos observar que o dano moral às pessoas jurídicas é perfeitamente cabível, pois os incisos V e X, do artigo 5º da Constituição Federal prescreveram que:

"V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além de indenização por dano material, moral ou à imagem;"

"X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação."

É interessante notar que o inciso X não existe qualquer distinção entre pessoa natural ou jurídica, o que desautoriza qualquer tentativa de fazê-lo.

Negar esses princípios seria deixar as pessoas jurídicas à mercê de toda espécie de abusos e violações aos seus direitos que nem sempre são de ordem patrimonial.

Ainda o próprio Código Civil assim dispões:

"Art. 402. Salvo as exceções expressamente previstas em lei, as perdas e danos devidas ao credor abrangem, além do que ele efetivamente perdeu, o que razoavelmente deixou de lucrar."

"Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (art. 186 e 187) causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo."

A pessoa jurídica pode ser vítima de um dano em sua honra subjetiva, e esse dano quase sempre transforma-se num dano de natureza patrimonial, e neste caso, dever reembolsado os danos emergentes e lucros cessantes decorrente da atitude da requerida.

No caso em tela, a cobrança da forma em que fora feita, e ainda, fundado em vício insanável dos títulos apresentados, e ainda que se fossem válidos, a desconsideração dos adiantamentos que poderia ser compensado com eventual saldo devedor, ressaltando que restaria ainda grande crédito em favor da autora, é fato sim de dano moral, eis que além de tentar macular o nome da empresa com o protesto, já disseminou tal informação ao transmitir tal informação à terceiros, vez que o protesto é público, e todos os órgãos de cadastro tem acesso on-line do fato no momento que ele acontece.

Deve dessa forma, arcar com indenização à título de danos morais, a serem apuradas em liquidação de sentença ou fixadas por este MM. Juízo, para que não se premie tais atitudes que atentam tanto quanto ao bom nome e zelo da autora, quanto em última instância à própria sociedade. com o desrespeito da lei.

DOS PEDIDOS

Em face ao exposto, e pelo certamente será suprido pelo saber jurídico de Vossa Excelência, respeitosamente requer:

a) a antecipação da tutela, nos termos do artigo 273 inciso I do CPC, para que seja LIMINARMENTE deferida o cancelamento do protesto objeto da distribuição nº .............. do ......... Ofício de Protestos de Títulos desta Capital, evitando assim, que possam ocorrer mais danos de difícil e incerta reparação a requerente, decorrente da lavratura do referido instrumento, de forma indevida, visto a inexistência de justo motivo, pelas razões acima deduzidas.
b) após cumprida a liminar, a citação das requeridas, através do correio, nos endereços retro mencionados, para que, querendo, no prazo legal, apresentem a defesa que entender necessária, sob pena de revelia:
c) Contestada ou não, seja o pedido exordial julgado por sentença procedente, para declarar a inexibilidade da cambial, antes mencionada e descrita, constante do aviso de protesto anexo, condenando ainda as requeridas no pagamento de indenização, bem como indenização por dano material moral, que se requer desde já o seu arbitramento por este MM. Juízo em valor que entender conveniente;
d) condenar a requerida no pagamento de custas processuais, e honorários advocatícios a serem arbitrados por este MM. Juízo;
e) provará o que alega, por todos os meios de provas permitidas em direito, entre as quais, oitiva de testemunhas, juntada de novos documentos, ouvida do r. legal das requeridas sob pena de confesso, perícia e todas as demais, sem exceção.

Dá-se à causa o valor de R$ .....

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Comercial
Discordam os credores da empresa falida, a qual alega a impossibilidade de correção monetária na
Requerimento de falência por parte do credor da pessoa jurídica
Contestação à ação de anulação de duplicata
Interposição de recurso especial, tendo em vista o julgamento da lide em foro do domicílio do cre
Medida cautelar inominada para atendimento hospitalar
Contestação à ação de dissolução de sociedade comercial (01)
Ação cautelar de busca e apreensão por infringência de direitos autorais
Comunicação de atraso no envio de mercadorias
Habilitação de crédito em autos de falência (01)
Pedido de auto-falência, ante dificuldades financeiras da empresa
Réu requer julgamento antecipado da lide por tratar-se exclusivamente de matéria de direito
Contra-razões de apelação, sob alegação de inexistência de direito de preferência de quotas de so