Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Filhos - Crianças e orçamento? Essa combinação é possível! 

Data: 18/09/2008

 
 
Como pai, ou mãe, sua preocupação é de proporcionar ao seu filho uma vida feliz e tranqüila: estudo, boas condições de moradia, alimentação e vestuário. Melhor do que ninguém, você sabe o esforço que essa missão exige: horas de trabalho, dedicação e estratégia para conciliar receitas e despesas. E seu filho tem consciência disso? Sabe o que é necessário para atingir a tão sonhada estabilidade financeira?

Pois aí entra a questão orçamento. Será que isso é assunto para criança? A resposta é sim, desde que você respeite, naturalmente, a forma de pensar de cada etapa da vida do seu filho.

De nada adianta passar mil conceitos para uma criança de dois, três anos. Ela não absorverá nada! Por isso, opte pelo caminho do aprender brincando, ou mesmo de envolvê-la no dia-a-dia.

Orçamento não é bicho-papão!

Para iniciar o conceito de orçamento para o seu filho, é importante que esse hábito já faça parte da sua vida. Caso contrário, responda: como exemplificar algo que você mesmo nunca colocou em prática? Desmistifique, primeiro, essa palavra na sua casa. Orçamento doméstico não é um bicho-papão, e sim uma forma eficiente de administrar melhor o seu dinheiro.

Organize-se e coloque suas contas em dia, separando receitas e despesas. O ideal é que o casal se envolva nesse processo, reunindo esforços para garantir bons resultados. O fato de conversarem sobre o assunto de forma tranqüila e construtiva já será visto por seu filho, desde cedo, como algo bastante natural.

Curiosidade é uma das principais características das crianças, certo? Então, jamais se recuse a responder uma pergunta, e isso vale muito no quesito dinheiro. Seu filho pode, em determinado momento, questionar por que chegam tantas contas em casa, ou o motivo de vocês trabalharem tanto. Nessa hora, sua resposta será decisiva! Nada de praguejar seu chefe, o governo ou o gerente do seu banco!

Primeiros passos no orçamento

Que tal você fazer com seu filho um "mini-orçamento"? Isso ficará mais fácil se ele já receber mesada. Coloque para ele, num papel, o quanto recebe por mês e mostre que é importante, no final do período, sobrar algum dinheiro da mesada.

Argumente que, se ele gastar tudo, não poderá comprar o brinquedo que tanto queria. Esse dado é importante: embora você sinta vontade de presenteá-lo, resista! Deixe que ele faça isso uma vez, por conta própria.

Vamos a um exemplo prático: suponha que você dê ao seu filho uma mesada de R$ 20. Mostre a ele, sem fazer mil cálculos, que para comprar o jogo que tanto quer, no preço de R$ 30, ele vai precisar:
  • Juntar R$ 5 por mês em seis meses; ou
     
  • juntar R$ 10 por mês em três meses; ou
     
  • juntar R$ 15 por mês em dois meses.
Dessa forma, você lhe transmite a consciência de que, quanto mais conseguir poupar, mais cedo ele realizará seu sonho. Convenhamos que, no caso das crianças, esse exemplo se torna muito fácil de aplicar, já que ele não tem obrigação de gastar com nada essencial, certo?

Na prática

Com o tempo, leve esse exemplo para o seu orçamento. Seu filho entenderá tudo de forma muito mais simples. Você não precisa entrar no detalhe de quanto ganha ou do total de gastos da sua casa, mas pode levá-lo a algumas conclusões:
  • podemos usar água, luz, telefone, celular e outros itens, desde que paguemos por eles;
     
  • escola, uniforme, roupas e comida também custam!
     
  • o trabalho rende um salário mensal, que ajuda a pagar as contas que chegam em casa;
     
  • o carro precisa de combustível, e meus pais pagam por isso.
Assim, você pode expor alguns pontos. Por exemplo: "nesse mês vamos ter que pagar o conserto do carro, onde podemos economizar um pouco?" Você se surpreenderá com as respostas:
  • ficar menos tempo no banho;
     
  • evitar pedir dinheiro fora de hora;
     
  • tomar lanche em casa em vez de ir tanto ao fast food favorito;
     
  • reduzir o número de guloseimas em casa.
As soluções, obviamente, serão encontradas pela criança dentro do mundo "dela". Mas você vai perceber, com o passar do tempo, quantos resultados positivos alcançarão juntos, nessa troca de experiência. Lembre-se que você pode aprender muito com seu filho. Experimente, começando o quanto antes!


 
Referência: financaspraticas.com
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Defenda-sePortador de deficiência: Quais os direitos fundamentais garantidos, previstos na Constituição?
Carreira / EmpregoAuto-estima: Como você está?
Investimentos / FundosConheça os fundos DI
Carreira / EmpregoQuando a produtividade cai no trabalho: Veja qual é o papel do chefe
Carreira / EmpregoDiplomados ocupam cargos de nível médio; veja os motivos e as saídas
CambioCompetências comportamentais são mais valorizadas pelas empresas
Dívidas / Endividado ?Multas por atraso - Orientações do Procon
ImóveisMedidas simples ajudam a evitar assaltos às residências nas férias e feriados
Turismo / ViagensVai viajar? Confira como comprar passagem aérea mais barata
Ações / Bolsa de ValoresDivã do investidor: o que define curto, médio e longo prazo no mercado de ações?