Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Finanças pessoais - O que pode e o que não pode quando o assunto é dinheiro e etiqueta? 

Data: 07/09/2009

 
 

Jantar com os amigos, escolher um presente ou realizar uma compra. Essas situações corriqueiras podem se tornar um tanto delicadas na hora de passar no caixa. E o cenário pode ficar ainda mais desagradável se não soubermos como agir. Afinal, o que pode e o que não pode quando o assunto é dinheiro e etiqueta?

Para a consultora em Saúde Financeira e Comportamento Suyen Miranda, a relação que as pessoas têm com o dinheiro consolida uma imagem que é passada a outras pessoas. Se essa relação é saudável, a imagem que se consolida é positiva.

Para não fazer feio
No entanto, saber lidar com o dinheiro não é tão simples, por isso, a consultora dá algumas dicas para você sair bem de algumas situações corriqueiras. Dividir a conta em um restaurante é uma delas.

De acordo com Suyen, é indelicado querer pagar apenas o que você comeu. "Se você não é o convidado de honra e ficou acertado que cada um paga o seu, nada mais justo: pague o que ficar estipulado no rateio das despesas". De maneira geral, quem convidou paga. "Fica mais elegante", afirma Suyen.

Existem situações ainda mais delicadas, que exigem paciência. Passar no caixa e ver o cartão de crédito ser recusado é uma delas. A consultora ressalta que não importa o motivo pelo qual o cartão não passou, o ideal é que você não busque culpados e procure pagar pela compra o mais rápido possível.

"Mantenha a calma, principalmente se o funcionário fizer algum comentário desagradável", aconselha Suyen. "Lembre-se de que qualquer ofensa que ele fizer é passível de ser considerada assédio moral, afinal, você é cliente e age de boa fé", explica.

Na hora de comprar um presente especial, a consultora lembra: "não vá destruir a sua vida financeira por conta de um presente". Ela ainda afirma que não existem regras do tipo "presentes mais caros são os melhores". O que vale mesmo é ser criativo e pesquisar um presente que caiba no seu orçamento.

Empréstimos
Dependendo da situação, ouvir alguém lhe pedindo dinheiro emprestado pode ser desagradável. Para a consultora, porém, não importa o caso, é preciso analisar o pedido. "É procedente o pedido?". Ela explica que, caso seja um amigo que sempre está endividado, deve-se ter cuidado. "Ele já sabe que as pessoas se condoem da situação dele e se aproveita disso".

SSuyen ressalta ainda que, mesmo se for um caso particular, de alguém que raramente pede esse tipo de ajuda, é bom refletir se o empréstimo cabe no seu orçamento. "Analise bem e pense que será quase uma doação, pois muitas vezes esperar o dinheiro ser ressarcido pode muito bem acabar com a relação de amizade", afirma.

Mas, e se for você que precisa da ajuda de algum amigo ou parente? "Não importa a quantia, devolva o quanto antes", afirma Suyen. Ela explica que, nesses casos, fazer de tudo para honrar o compromisso fortalecerá os laços de amizades pessoais e profissionais e melhorará a sua imagem, pois "as pessoas irão respeitar a sua palavra".



 
Referência: InfoMoney
Autor: Equipe InfoMoney
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
AposentadoriaObjetivo da aposentadoria: será que você já juntou o suficiente?
ConsumidorConsumo consciente: prática não depende da classe social
ImóveisLeilões:Imóvel: quando vale a pena comprar em leilão
Ações / Bolsa de ValoresDividendos: Como a empresa distribui ?
Carreira / EmpregoInformal na medida certa
LeisBichos e Condomínios: veja o certo e o errado desta relação
Finanças pessoaisSem controle: efeito manada no consumo prejudica o orçamento
Empréstimo / FinanciamentoFinanciamento de carro: em caso de inadimplência, como funciona a retomada?
Carreira / EmpregoTer uma ação trabalhista pode prejudicar a busca por emprego?
LeisNovo Código Civil ? Lei nº 10.406 de 10/1/2002 (Parte Especial) »»» Livro II - Do Direito de Empresa »»» Título II - Da Sociedade (I)