Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Carreira / Emprego - Muito além do verbo To Be 

Data: 11/12/2008

 
 

Escolher um bom curso de idiomas pode ajudar
em seu crescimento profissional. Confira as dicas

Antes considerada um diferencial, atualmente a fluência em Inglês já é um pré-requisito para profissionais dos mais diversos cargos e áreas de atuação. O mundo dos negócios adotou a língua anglo-saxônica para se comunicar, mas outros idiomas também começam a aparecer com força, como o Espanhol, Mandarim (China), Alemão e Francês. E eles, sim, podem fazer a diferença.

O domínio de outros idiomas exige que o profissional tome alguns cuidados na hora de escolher uma escola de línguas, para não ver seu investimento de tempo e dinheiro ir por água abaixo. No entanto, não adianta ter muita pressa, pois determinados idiomas exigem um tempo maior de aprendizado. “O mais importante para o aluno é identificar a sua necessidade e buscar uma escola de idiomas que possa auxiliá-lo nesse objetivo. Um curso de idiomas deve ser encarado como um planejamento de vida, contendo prazos, metas, estudo, etc.”, afirmou Graça Paiva, coordenadora do Corporate, área de atendimento corporativo do Cel®Lep.

Com 500 empresas francesas instaladas no Brasil, o Francês se torna uma opção para os profissionais brasileiros. “O Inglês isoladamente não serve para todas as situações. O importante é você ter o Inglês como língua estrangeira predominante, mas sempre aliar um outro idioma como complemento a isso. O idioma Francês propicia uma formação cultural em conjunto com a facilidade de comunicação em países de língua francesa ou bilíngües, como o Canadá”, disse Renato Vieira, diretor comercial e de marketing da Aliança Francesa em São Paulo.

Confira abaixo as principais dicas para escolher uma boa escola de línguas:

  • Consultar outras pessoas que já freqüentam a escola.
  • Verificar a reputação da escola no mercado.
  • Analisar a relação custo-benefício.
  • Verificar a seriedade, a ética e o compromisso da escola em promover o aprendizado (por exemplo, quanto ao treinamento dos professores).
  • Ambiente acolhedor e estimulador: o aluno não deve se sentir como mais um número de matrícula, mas alguém que será acompanhado e avaliado, e principalmente estimulado a aprender. Escola e aluno, cada um terá a sua responsabilidade.
  • A escola deve mostrar transparência em relação ao que vai oferecer, seja quanto à estrutura ou à forma de atuação.
  • Classes com grupos pequenos geram mais envolvimento e melhores resultados.
  • O mercado está cada vez mais aberto para empresas estrangeiras. Ter um outro idioma como Espanhol, Francês, Italiano, Alemão, Japonês, Chinês pode facilitar na hora da seleção.
  • Procurar uma escola de idiomas que trabalhe de acordo com a sua necessidade e expectativa. Nem sempre os cursos que oferecem grandes promoções vão dar um retorno significativo, ainda mais se você procura um rápido aprendizado para se enquadrar no mercado.
  • Localização da escola também é um fator a ser considerado. Atualmente, algumas escolas possuem filiais pelas principais regiões das cidades para atender a demanda de alunos. Informe-se para descobrir qual delas é de mais fácil acesso para você.
  • A escola deve trabalhar junto ao aluno quanto às expectativas que ele traz para poder maximizar seu aprendizado e conseguir atingir seus objetivos com tranqüilidade.

Inglês para entrevistas
Para quem ainda não sabe, existem escolas de idiomas que oferecem cursos de Inglês para entrevistas. A Melbourne International possui o Job Search Skills for Interviews, que é um curso voltado para profissionais que já possuem um conhecimento prévio do idioma e que realizarão uma entrevista de emprego em Inglês. “Elaboramos o curso de acordo com a área de trabalho do profissional. Tentamos sempre buscar o máximo de conhecimento possível da área dele para poder treiná-lo para a entrevista. A pessoa deve ter pelo menos 100 horas de Inglês e o conhecimento básico da estrutura do idioma. No curso ele aprenderá postura, entonação, pronúncia e outros tópicos”, informou Cristiane Pessuti, proprietária e professora da Melbourne International.

“Nossa escola é especializada também em outros exames, e isso exige que os professores dos cursos sejam bem gabaritados. Alguns profissionais da Melbourne possuem Mestrado em Psicologia voltada à Educação, que une o ensino do idioma com o lado psicológico, fundamental em uma entrevista de emprego. No Job Search Skills for Interviews, os professores devem ter uma noção de processo seletivo, colocação profissional, etc. Trabalhei em uma empresa de captação de profissionais bilíngües e atuava junto ao RH da empresa. Nos processos seletivos que realizávamos, percebi que as pessoas sabiam Inglês, mas não possuíam o conhecimento adequado para uma entrevista. Daí surgiu a idéia de lançar o curso”, concluiu Cristiane.



 
Referência: carreiras.empregos.com.br
Autor: Gabriel Aguillar
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Investimentos / FundosRenda fixa e variável: conheça os riscos dos investimentos e como diminuí-los
Defenda-seFraudes: Corrupção no Setor Público
Salário e negociação na carreiraBenefícios: uma escolha do funcionário!
Como agirDesentupidoras - Cuidados para não entrar pelo cano (Contratar uma desentupidora é mais complicado do que se imagina)
MotivaçãoPara que serve uma relação?
Cartão de créditoCobrar mais em compras com cartão é ilegal
Turismo / Viagens10 roteiros curtos e baratos para o final de semana em SP
Carreira / EmpregoTrês pontos ajudam você a responder se está na empresa certa!
Modelos de documentosRequerimento: Concessão de empréstimo para aquisição de casa própria
MotivaçãoPalavras e atitudes que detonam a motivação e o clima