Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Carreira / Emprego - Será que o seu "business english" está realmente ok?  

Data: 13/10/2008

 
 

Cometer uma pequena gafe idiomática numa reunião de negócios em inglês pode ter um impacto bem maior do que se pode imaginar na carreira de um executivo. Dizer, por exemplo, que comandou uma "big operation", quando o correto seria dizer uma "miner operation", pode parecer à primeira vista, um erro sem importância, mas delata uma fragilidade no idioma. O executivo então pode até ser fluente na língua inglesa, mas o engano mostra que ele não está suficientemente preparado para encarar o "chat" corporativo.

Se o seu inglês não o deixa seguro para encarar uma conversa com Bill Gates, não é preciso entrar em pânico. Hoje, existem várias maneiras de colocar o "business english" em dia sem perder muito tempo. Um dos caminhos pode ser a aula por telefone. O diretor de vendas do Citibank, Marcelo Bauer, 30 anos, experimentou o método por alguns meses numa época em que passava mais tempo arrumando as malas e visitando clientes pelo país afora do que em casa. "Eu telefonava de qualquer lugar e isso me ajudava a não interromper o estudo", diz.

Atualmente, com a agenda mais equilibrada, Bauer tem aulas particulares no próprio escritório. Mesmo tendo tido desde criança uma boa formação no idioma e até freqüentado um curso de férias em Nova York, ele não abre mão de praticar o inglês financeiro. Por dez aulas no escritório, ele paga R$ 600.

O professor Roland Leal, que dá aulas pelo telefone, é especializado em inglês de negócios. Ele diz que esse tipo de curso é indicado para quem, assim como Bauer, já fala o idioma, mas quer ter uma pronúncia perfeita para não fazer feio no trato com estrangeiros. Os erros mais comuns são relacionados a vocabulário. Outros erros que denunciam o "estrangeirismo" do inglês, segundo Leal, são traduzir expressões idiomáticas tipicamente brasileiras ou trocar a preposição dos "modal verbs" (verbos preposicionados). "Acertar esses detalhes pode fazer a grande diferença nos negócios", diz o professor. Quatro aulas de uma hora por telefone custam R$ 100.

Consciente de suas limitações para lidar com o inglês financeiro, Célio Figueiredo, 45 anos, gerente de controladoria da Votorantim Metais, decidiu radicalizar: passou os trinta dias de suas férias internado durante 8 horas diárias numa escola de inglês de negócios. "Eu tinha uma dificuldade particular em entender os contratos da empresa", confessa. Antes do curso intensivo, contratos milionários passavam pela sua mão direto para as do superintendente. Agora, Figueiredo pode analisá-los por si mesmo e com mais segurança. "O estudo tem me proporcionado uma nova visão dos negócios", diz. Atualmente, está fazendo um MBA na Fundação Dom Cabral e mantém aulas de inglês no próprio escritório.

Para quem enfrenta reuniões com estrangeiros, faz viagens de negócios para o exterior, atende ligações telefônicas e participa de videoconferências, estar com o "business english" em dia pode ajudar a mudar os rumos da carreira. Pelo mesma lógica, inglês enferrujado pode "frear" uma ascensão quase certa. E é bom investir no idioma com calma, de forma planejada.

Soluções de última hora nem sempre resolvem, como comprovou Valdecir Venâncio, 35 anos, analista de processos da Hewllett Packard. O gerente já perdeu uma oportunidade de se transferir para Miami não por falta de idéias, nem conteúdo técnico. O problema é que, para conseguir o posto o candidato precisava impressionar bem os diretores americanos da empresa. E essa façanha dependia do sucesso de Venâncio em ministrar uma palestra inteiramente em inglês.

Na época, Venâncio recorreu a uma escola especializada. Tevequinze horas de aulas seguidas apostando que ficaria rapidamente apto a desenvolver uma apresentação de meia-hora. Achou que a palestra merecia um OK. Mas, a vaga em Miami acabou ficando com quem tinha o inglês fluente para valer.

Várias escolas estão criando cursos específicos para quem tem pressa e deseja desenvolver- se no idioma já com vocabulário voltado para sua área de atuação. Dominar o inglês especializado de um determinado setor de negócios, segundo especialistas, pode significar uma remuneração 35% maior.

Dominar o inglês do mundo dos negócios é o diferencial-chave para a contratação, testemunha Hélio Ono, 43 anos, atual gerente financeiro da multinacional química Schenectady. Ono recorreu a Up Language Consultants, escola que faz cursos dirigidos para executivos, quando estava desempregado e precisava ser entrevistado por "headhunters". Ono preparou-se para as entrevistas durante sete meses. Enfrentou umas seis entrevistas, as últimas nos Estados Unidos. E conseguiu a colocação que queria. "Para mim, o curso específico foi um achado", diz.



 
Referência: Aprendiz
Autor: Valor
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Documentos PessoaisComo renovar a Carteira de Habilitação?
Carreira / EmpregoComo lidar com pessoas difíceis no trabalho: veja dicas de consultor
Carreira / EmpregoPromoção: funcionário deve estar preparado para o novo desafio
Negócios / EmpreendedorismoComunicação estratégica para empresas familiares
Carreira / EmpregoAjuda dos pais é bem-vinda... mas é preciso moderação!
Turismo / ViagensPlanejar gastos é a melhor maneira de “economizar” durante a viagem de férias
Carreira / EmpregoA importância das decisões
ConsumidorDireitos e ajuda: Conheça seus direitos e saiba como e onde buscar ajuda
Franquia / FranchisingFranquia é um mercado em expansão que exige cuidados
Finanças pessoaisComo reduzir as despesas mensais sem ser considerado um avarento?