Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Negócios / Empreendedorismo - Confiar é preciso... 

Data: 30/05/2007

 
 

A confiança no ambiente corporativo é fundamental para a sustentabilidade dos negócios. Os executivos que costumam repetir o bordão: "Manda quem pode, obedece quem tem juízo" podem começar a ser considerados ultrapassados. "Os sistemas de produção, da chamada nova economia, baseados em conhecimento e qualidade, exigem a liberdade de partilhar idéias sem medo. E quem reproduz esse bordão diz, implicitamente, que a opinião do subordinado não o interessa e que ele é o único que pode julgar o que é importante ou não", afirma Marco Tulio F. Zanini, gerente de projetos e professor da Fundação Dom Cabral.

Ele lançará, em junho, o livro que receberá o título de Gestão do ativo intangível - Confiança e trabalho na nova economia e adianta algumas idéias com exclusividade para este jornal. Segundo ele, se o diferencial competitivo das empresas está no conhecimento que têm e desenvolvem, grande parte de seu capital pertence aos seus empregados. "Nesse contexto, a sustentabilidade do negócio dependerá da capacidade da organização de proporcionar um ambiente em que as pessoas possam trabalhar de maneira colaborativa, oferecendo 100% de seu potencial", afirma Zanini.

Para isso, é necessário estabelecer relações de confiança entre a companhia e os profissionais e vice-versa. De acordo com o professor, um estilo de gestão baseado em confiança é, sobretudo, conseqüência de padrões gerenciais baseados em valores compartilhados e princípios de justiça, que promovam situações de vantagens e benefícios mútuos, incentivando os colaboradores a se engajarem na criação de um valor econômico superior.

"Para construir um ambiente de confiança, a alta rotatividade tem de ser evitada", comenta Zanini. "Se um profissional tem a perspectiva de não voltar a interagir com o outro no longo prazo, não tem porquê depositar sua confiança nele. Assim, quem entra numa empresa que troca seus profissionais com freqüência, percebe que precisa desenvolver um plano B e não trabalha motivada, nem comprometida", diz.

De acordo com ele, no Brasil, os modelos de gestão são, muitas vezes, verdades assumidas pelos executivos a partir de sua trajetória profissional. "Quer dizer, a partir do modo como ele aprendeu a trabalhar e a maneira como conseguiu resultados e sucesso nas empresas", afirma Zanini. Além disso, a maioria das companhias mira-se num estilo desenvolvido nos Estados Unidos ou na Europa, que possuem realidades culturais completamente diferentes da brasileira.

Segundo Zanini, as relações de trabalho são marcadas pelo modo como a sociedade está organizada. Assim, em países como o Brasil e outros da América Latina, as distâncias sociais se reproduzem no escritório. Para explicar melhor sua teoria, Zanini usa como exemplo a relação que se tem com a empregada doméstica. "Ela pode até morar dentro de casa, mas estamos muito distante dela, do que ela pensa, do que ela vive. Até na arquitetura esse distanciamento se reproduz. O "quartinho" da empregada é sempre afastado da área social", explica.

Nas culturas, como a européia, em que a percepção de igualdade é maior, as disputas de poder são menos marcantes. "A vontade de dominar está no ser humano. Mas em países como o Brasil ser uma pessoa da alta cúpula significa muito. Significa ter um status social diferenciado", afirma.

De acordo com o professor da Fundação Dom Cabral, ao contrário dos modelos de gestão que privilegiam a adoção de mecanismos coercitivos, como a pressão por resultados individuais no curto prazo, as melhores práticas revelam: as empresas que incentivam a associação voluntária entre seus colaboradores e adotam um estilo de gestão baseado em confiança podem ser muito mais eficientes.

Em sua pesquisa, ele estudou três empresas que atuavam em um setor com alto nível de incerteza. Uma delas tinha uma gestão mais voltada para transparência. A direção da companhia tinha uma conversa franca com os profissionais. "Os níveis de confiança dentro dessa organização estavam muito melhores do que nas outras duas", conta. "Ao entrevistar o diretor de recursos humanos dessa empresa, ele me disse que esse estilo oferece sim um certo risco porque se compartilha informações confidenciais. Mas, com isso, a companhia conseguiu motivar os funcionários de um modo que superam até limitações de infra-estrutura."



 
Referência: -
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Empréstimo / FinanciamentoComo usar sua casa para conseguir um empréstimo barato
Carreira / EmpregoDiante de uma redução da jornada de trabalho, como o profissional deve agir?
UtilidadesMuseu de Transportes Públicos
Carreira / EmpregoOperacional ou estratégico? Veja onde seu trabalho se enquadra
ImóveisNão conseguiu vender um imóvel? Problema pode estar na documentação
Turismo / ViagensBagagem: Para quem vai ao exterior - E se o viajante estiver em trânsito?
Carreira / EmpregoA idade chega: profissionais mais experientes não devem nada em performance!
Modelos de documentosEstatuto da associação dos empregados da empresa...................................
ConsumidorVantagens e desvantagens do antigo Juizado de Pequenas Causas
Carreira / EmpregoGestão por competências: um novo desafio para as lideranças