Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Negócios / Empreendedorismo - Mercado pet tem grandes oportunidades, mas exige especialização e inovação 

Data: 02/03/2011

 
 
Imagine um mercado com mais de R$ 9,6 bilhões de reais movimentados por ano e de 84 milhões de “potenciais clientes”. É com essa realidade que os investidores do mercado pet convivem hoje no Brasil. Os dados (2009) incluem a movimentação com pet food, medicamentos veterinários, serviços, equipamentos e acessórios para o universo dos milhões de pequenos bichos (gatos, cães, peixes, pássaros, entre outros). Os números são da Anfalpet (Associação Nacional de Fabricantes de Produtos para Animais de Estimação).

Trata-se de um mercado diferenciado. Não há grandes players, como no varejo, no setor de supermercados e eletrodomésticos, por exemplo, o que significa um vasto nicho de possibilidades para empreendimentos, serviços e ideias.

Para o consultor da Petconsult, consultoria do mercado pet, Jefferson Braga, o mercado ainda está em processo de amadurecimento. “Costumo definir esse mercado como pobre, amador e incipiente. Falamos de um mercado com formato de cadeia tradicional, ou seja, de dentro para fora; partimos dos fabricantes, distribuidores e chegamos aos pontos de vendas, podendo estes serem no formato de clínicas veterinárias, pet shops, salões de estética e mega lojas. Esse formato faz com que o ponto de venda acabe sofrendo as mais diversas agruras administrativo-financeiras, pela falta de formação no assunto.“

Outro consultor da área, o gestor da Planet Zoo Pet Solutions!, Vanderson Santana, concorda com a opinião de que faltam iniciativas de qualidade no mercado nacional. “Ainda trabalhamos essencialmente com importação em diversos segmentos da cadeia. Estamos na linha do 'nada se cria, tudo se copia'. Temos poucas pessoas especializadas, a fabricação de itens nacionais é crítica e a maior parte das grandes indústrias ainda não enxergaram as perspectivas abertas pelo segmento”, analisa.

Oportunidades
Como o mercado ainda é pouco profissionalizado, sobram oportunidades para quem quiser investir, apostar e inovar em produtos e serviços para os animais de estimação. Braga recomenda quem está interessado em entrar no mercado a repensar os modelos já existentes, que se mostram desgastados. “Veja, se pegarmos, por exemplo, uma sala de estética, podemos criar um ambiente agradável, claro, climatizado, limpo e que seja confortável para os profissionais e para os animais, o oposto do que vemos um muitos locais com salas apertadas, escondidas, encardidas e mal cheirosas. O comportamento do animal muda num ambiente climatizado, agradável e o proprietário verá a diferença.”, exemplifica.

Braga destaca ainda a possibilidade de trabalhar com o mercado de produtos. “Diferente do que se pensa, muita gente gasta com seus pets. Compram artigos de luxo, produtos de alta qualidade, como por exemplo: coleiras com cristal Swarovski, camas emborrachadas de nylon de paraquedas, brinquedos importados, perfumes, roupas etc. Tem espaço para muita coisa, basta saber explorar o mercado”.

Vanderson Santana acredita que a maior parte dos empreendedores que apostam em negócios pet tem dificuldade de sair das soluções óbvias, o que torna o mercado todo muito igual. “Veja o caso do hotel para cães, por exemplo. É um serviço extremamente popular, mas deveria ser o último recurso dos donos dos bichos. Os animais são retirados dos seus ambientes, de sua convivência e são obrigados a entrar em um contexto totalmente diferente, causando um estresse psicológico absurdo. Mesmo assim, os serviços de cuidadores de cães nas próprias residências, tão populares em outros países, são quase inexistentes aqui”.

Outro problema, apontam os consultores, é a forma como são tratados alguns dos lançamentos tidos como inovadores no Brasil. “Acontece o lançamento de soluções, produtos e novidades, mas de certa forma eles vão se perdendo, por falta de inserção, divulgação, relacionamento com os clientes”, diz Santana.

Falta capacitação
Muitos dos gestores e empreendedores de pets desconhecem o nicho de mercado em que se inserem. É muito comum listar, entre as motivações de novos donos de estabelecimentos do tipo, por exemplo, o fato de simplesmente gostarem de animais ou contar com um veterinário na família. “É um negócio extremamente complexo. Há legislação municipal, estadual e federal e diversas exigências. É necessário conhecer e se relacionar com os clientes para garantir um diferencial e estar constantemente atualizado sobre novidades no segmento”, aponta Santana.

E o problema não se dá apenas no nível da gestão. A avaliação é que faltam trabalhadores especializados para atuar nos mais diversos empreendimentos do setor. “A mão de obra desse mercado é escassa e mal formada. Não dispomos de profissionais sequer para área de estética na quantidade adequada. Conheço empresários prontos para investir em estética de maneira adequada, mas que não encontram os profissionais qualificados.”, relata Braga.

Mercado aquecido
O crescente poder aquisitivo do brasileiro e a mudança de hábitos, incluindo o animal cada vez mais nas rotinas das famílias, habilitam o mercado pet a ser uma grande aposta para o futuro. “A vida moderna traz consigo modificações perceptíveis e a inserção dos pets é uma delas. Há algum tempo que falamos da “humanização” dos pets, do tratamento de animais como membros das famílias. É importante considerar, no contexto geral do mercado, que a estabilização econômica tem papel importante, elevando os níveis de consumo, seja para produtos de luxo, seja para alimentar um pet com ração ao invés de comida”, explica Braga, consultor da Petconsult.

Vanderson Santana vê o momento como positivo para compra e venda de pet shops e investimentos em empresas ligadas ao setor. “Aqueles que realmente queiram fazer um projeto diferente, com planejamento, poderão ter êxito. Vale apostar em ter uma boa linha de produtos, investir muito em serviços, fidelizar, vender conceitos e dispor de atendimento diferencial, individualizado”, recomenda.


 
Referência: InfoMoney
Autor: Equipe InfoMoney
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
ImóveisReforma e Construção: Alvarás de aprovação de planta e de execução. E o antigo 'Habite-se'
VendasFormação de uma equipe de vendas, como funciona
Carreira / EmpregoComo anda sua empregabilidade?
Finanças pessoaisDicas financeiras para o Dia dos Namorados
Turismo / ViagensConfira dicas para realizar uma viagem tranquila nestas férias
Investimentos / FundosEstrangeiros: O que é preciso para um estrangeiro começar a investir?
Carreira / EmpregoAjuda ao colega no ambiente de trabalho tem de ter limite
Carreira / EmpregoInovação, iniciativa... Por que as competências avaliadas pelos líderes não mudam?
Modelos de documentosModelos de Cartões E Bilhetes De Boas-Festas
Carreira / EmpregoAnsiedade: saiba como ela ajuda ou atrapalha o sucesso profissional