Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Ações / Bolsa de Valores - Vantagens e Desvantagens da Análise Fundamentalista 

Data: 07/06/2010

 
 

Confesso que acho difícil mensurar e separar vantagens de desvantagens deste método de análise de ações. Eu o considero muito interessante e ele se encaixa bem com o meu perfil, mas como disse no artigo anterior, “Ações no Longo Prazo com Análise Fundamentalista”, as vantagens e desvantagens de cada escola acabam sofrendo uma “classificação”, indo de positiva a negativa dependendo de cada perfil (fundamentalista ou técnico). Resulta que ser melhor ou pior representa uma opinião.

Sendo assim, eu diria que as vantagens da Análise Fundamentalista (AF) podem ser também as desvantagens deste método. Ou seja, seus princípios e exigências representam enormes diferenciais na avaliação de uma empresa ou setor, mas exigem esforço e dedicação, além de conhecimento específico de finanças corporativas e temas correlatos (contabilidade, economia etc.).

Listo aqui algumas características principais que podem ser interpretadas positivamente ou não:

  • Conhecimentos específicos requeridos: uma boa análise significa olhar as empresas como negócios. Logo, entender as características setoriais de cada empresa é também desejável. A contabilidade também é fundamental na análise econômico-financeira da empresa. Logo, os números e o que eles representam deverão ser parceiros do analista. Trata-se de conhecimento específico relacionado à análise de balanços;
  • Prazo de investimento: uma boa análise vai demandar um pouco mais de trabalho. Esse é um dos motivos que o fará segurar o papel na sua carteira por um tempo mais longo (não vale o trabalho se for pra vender em curtíssimo prazo). Além disso, ao verificar que o papel está barato, o investidor irá aguardar até que o patamar do mercado se eleve e faça a sua ação se tornar cara. Aí é hora de analisar novamente, fazer novas projeções e decidir sobre a venda ou não;
  • Movimento do mercado: o bom analista não precisa seguir fielmente o movimento do mercado (ou seguir a manada). Diferentemente da Analise Técnica, que muito se utiliza do efeito manada para suas estratégias, a AF muitas vezes prega justamente o comportamento oposto, como nos ensinam as decisões de compra e investimento de Warren Buffett em plena crise financeira. Quase sempre, a regra é essa: quando muitas pessoas vendem, os preços tendem a cair e talvez seja bom comprar (e vice-versa);
  • A fama das empresas: a boa análise pode concluir que as empresas mais famosas, que estão presentes na seleção do Índice Bovespa por exemplo, podem ser investimentos não tão bons por estarem muito caros ou por serem empresas com menor potencial de crescimento, apesar de serem bem conhecidas. Nessa hora, as empresas de “segunda linha”, ou small caps, podem representar minas de ouro por serem empresas sólidas, mas ainda não tão valorizadas pelo mercado.

Um exemplo simples, mas prático
José de Souza recebeu uma herança não esperada, uma quantia razoável, e quer investi-la. Para isso, está pesquisando a situação e as finanças das empresas com a ajuda da Análise Fundamentalista. Com as notícias recentes sobre a descoberta de jazidas subterrâneas de petróleo em potencial, o mercado em geral está comprando os papéis da principal empresa petrolífera estatal, mesmo com a divulgação de que os projetos só terão início em 5-6 anos e os lucros somente serão incluídos em 7-8 anos.

Entretanto, José descobriu uma empresa de máquinas e equipamentos industriais que não é tão coberta pela mídia em geral e seus índices indicam que o preço está muito baixo, apesar dos lucros crescentes nos últimos 3 anos. Seus custos de produção estão caindo cada vez mais, a dívida não ultrapassa metade do patrimônio com juros em moeda nacional. O setor está em crescimento e parece promissor. Agora, ele terá de fazer uma escolha.

Esse é um exemplo de algumas experiências pelas quais passará o analista fundamentalista. Apesar de simplista, o exemplo pretende ser didático. Comprar o que está na onda do mercado pode não ser tão interessante, mas ser sócio de uma empresa menor e com potencial ainda inexplorado pode valer a pena. Ou não. Para quase tudo na vida podemos começar de um nível mais básico e evoluir ao longo do tempo. Aprenda, invista em estudo, crescimento pessoal e prática.



 
Referência: Dinheirama
Autor: Pablo Santos
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
ConsumidorParado no aeroporto? Confira o que fazer e a quem recorrer
Impostos / TributosLinks e telefones
Currículo (curriculum)Saiba em quais situações anexar foto ao currículo
Finanças pessoaisMorar fora exige planejamento financeiro e pesquisa
Carreira / EmpregoMandou e-mail equivocado ou fez um comentário infeliz? Saiba o que fazer
Salário e negociação na carreiraVai trabalhar de graça? Analise seus objetivos antes de responder sim!
Carreira / EmpregoPesquisa inédita no Brasil revela quais são os perfis profissionais
Investimentos / FundosOs dez erros que os investidores mais cometem e que podem ser evitados
Currículo (curriculum)Dicas para começar a elaborar seu currículo
Entrevista de empregoProcesso seletivo: você já pensou na sua privacidade ao participar?