Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Carro / Veículo - Especialistas mostram qual a melhor hora para trocar de carro 

Data: 30/05/2007

 
 

Se o carro foi comprado novo, não se deve esperar mais de dois anos; se já era usado, venda quando a desvalorização chegar a 30 ou 35%

Trocar de carro é um aborrecimento: envolve vários dias perdidos em anunciar, receber interessados, discutir preço, ir ao banco e ao cartório; depois, começa-se tudo de novo para comprar outro carro. Mas, apesar da chateação, essas são tarefas que ninguém deve adiar por muito tempo:

Analistas de mercado, consultores e avaliadores são unânimes na opinião de que o carro deve ser trocado antes que se transforme numa fonte de despesas de manutenção.

Quanto tempo significa isso? No caso de um carro que foi comprado novo, dois anos de uso é um prazo bom para se trocar por outro zero-quilômetro. No caso de um carro que foi comprado de segunda mão, segundo o consultor econômico José Eduardo Favaretto, deve-se fazer a troca no máximo quando houver de 30% a 35% de desvalorização.

Garantia O consultor de empresas Marcos Cobra, também professor de Marketing da Fundação Getúlio Vargas, lembra que, terminada a garantia de fábrica, o custo de manutenção do veículo aumenta muito, pela falta de cobertura e pelo desgaste das peças. "Em certos casos, o melhor nessa hora é comprar um carro novo", diz Cobra. Para os veículos nacionais, a garantia varia de um a dois anos.

Padrão Cobra admite que o proprietário queira ficar um pouco mais do que isso com o carro, se este estiver bem conservado, mas lembra que a substituição deve ser providenciada no máximo quando o veículo atingir desvalorização entre 30% e 35%. Isso significa cerca de três anos de uso de um carro que foi comprado novo (veja tabela da desvalorização média acima). O consultor dá um exemplo: se esperar que a desvalorização alcance o patamar de 50% para vender o carro, o dono terá de dispor, no mínimo, do dobro da quantia obtida com a venda para comprar um modelo do mesmo padrão.

Na opinião de Favaretto, mesmo terminada a garantia e apesar da constante depreciação, muitos consumidores de veículos novos só trocam de carro após três ou quatro anos de uso. "São pessoas que recorrem aos planos de financiamento com 24 ou 36 parcelas e só vão pensar em uma nova dívida depois de quitadas todas as prestações."

Há mais um argumento contra trocas tardias: "O custo da revisão aos 20 mil km chega perto de 15% do valor do carro, dependendo do modelo", lembra o avaliador Oriovaldo Ribeiro, da concessionária Volkswagen Sopave.

Desgaste Segundo Ribeiro, o brasileiro roda em média 20 mil km por ano. "Em muitos casos, nessa hora o cliente prefere comprar um carro novo utilizando as vantagens dos descontos oferecidos atualmente". Segundo o avaliador, os bônus oferecidos pelas autorizadas na venda de alguns modelos zero-quilômetro podem compensar os efeitos da depreciação.

Outro avaliador, Ricardo Spanguero Mariano, da concessionária GM Anhembi, lembra que, com 40 mil km, o carro já está com quase 60% do nível máximo de desgaste de componentes caros, o que significa que falta pouco para substituir conjuntos como freio e embreagem, sem falar na limpeza do sistema de injeção eletrônica e do motor. "São serviços com peças e mão-de-obra dispendiosas", diz Mariano.

Desvalorização é maior entre os importados

O consultor econômico José Eduardo Favaretto diz que os comerciais leves estão entre os modelos de menor índice de desvalorização: "O apelo de vendas deles está na utilização para o trabalho e não na aparência, que tende a se degradar com o tempo", justifica. Com os veículos de passeio, a situação é diferente: as contínuas mudanças de design, a saída de linha e a aparência são fatores determinantes na hora da venda.

Na opinião do professor Marcos Cobra, a necessidade de troca é mais urgente no caso dos modelos importados, que tendem a desvalorizar-se mais rapidamente que os carros nacionais, porque o fornecimento de peças de reposição nem sempre é imediato. "Mas, em compensação, os importados oferecem prazos de garantia maiores", lembra.

Importados têm, em geral, dois anos de garantia. A Subaru é exceção: oferece garantia de cinco anos (veja a garantia oferecida para cada modelo nacional e importado nas tabelas de carros novos das páginas 12 a 18).
 



 
Referência: -
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Finanças pessoaisCompras de Natal: pense bem na hora de escolher a forma de pagamento
Cartão de créditoCartão de crédito não é educador financeiro, afirma especialista
Negócios / EmpreendedorismoCaracterísticas que transformam o empreendedor em vencedor
Carreira / EmpregoCriatividade: fundamental no ambiente de trabalho, mas como mantê-la?
SegurosSaiba o que o seguro de um automóvel não costuma cobrir
Carreira / EmpregoLentidão ou desconcentração no trabalho? Problema pode estar na alimentação
Ações / Bolsa de ValoresAnálise Fundamentalista
Modelos de documentosContrato de Constituição de Sociedade Simples Ltda.
LeisNovo Código Civil ? Lei nº 10.406 de 10/1/2002 (Parte Especial) »»» Livro III - Do Direito das Coisas »»» Título I - Da Posse
Ações / Bolsa de ValoresO que são ações small caps?