Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Negócios / Empreendedorismo - Investimento em líderes é retorno garantido  

Data: 08/10/2008

 
 
Se antigamente as organizações consideraram as chefias apenas canais para delegar ordens e cobrar resultados, com o fenômeno da Globalização a realidade corporativa mudou completamente. A prática comprova o fato, basta apenas prestar um pouco de atenção, pois não são poucos os exemplos de empresas que investem no desenvolvimento técnico e comportamental dos gestores. Os benefícios se traduzem através de lideranças preparadas a trabalhar com pessoas, entender as equipe e, conseqüentemente, alcançar resultados positivos que atendam as expectativas do negócio e garanta a competitividade da companhia diante de um mercado altamente competitivo e em constante transformação.

As companhias que apostam na filosofia de líderes humanizados, capacitados e parceiros das equipes sentem o retorno e não dá para afirmar o contrário. O Ecad (Escritório Central e Arrecadação e Distribuição), por exemplo, tem direcionado investimentos concisos para o desenvolvimento dos líderes em várias vertentes. Na organização, a área de Recursos Humanos foi criada há dez anos e de lá para cá possui um papel fundamental para a formação dos colaboradores.

O Ecad é a instituição criada pelas associações de música para representar os seus associados (compositores, intérpretes, músicos, editores e produtores fonográficos), denominados “titulares de música”, no que se refere à cobrança e distribuição de valores referentes ao direito autoral de execução pública. Conta com 23 unidades, aproximadamente 600 funcionários, 150 agências autônomas e mais de 50 escritórios de advocacia terceirizados.

Segundo Janaína Araújo, gerente executiva de RH, o propósito da criação da área de Recursos Humanos foi exatamente o de investir nas pessoas e implantar uma cultura que vê nas pessoas fundamentais para o alcance dos resultados. Para se ter uma idéia, hoje, todos os líderes já vivenciaram e passam por um processo contínuo de desenvolvimento através de treinamentos internos e externos. Um fato que também motivou o Ecad a adotar iniciativas tão direcionadas para os gestores, foi desenvolvê-los e retê-los, cada vez mais. Dessa forma, a empresa conseguiria alcançar resultados ainda melhores.

“Fazem parte de nossa estratégia para retenção e desenvolvimento dos talentos na organização ações como programas de treinamento, atividades que visem a qualidade de vida dos funcionários, convenções gerenciais, plano de sucessores e pesquisas salariais de mercado. Queremos estar atentos ao que o mercado vem praticando, para atrairmos talentos que possam colaborar com o nosso desenvolvimento”, afirma Janaína Araújo.

Esse trabalho, por sua vez, tem sido evidenciado e alcançado através da correta adequação dos perfis às funções existentes, da renovação das equipes aliada ao desenvolvimento dos talentos internos e da aplicação dos instrumentos de integração e motivação dos profissionais. Mas como a proposta da empresa funciona no dia-a-dia? A gerente executiva de RH comenta que a organização trabalha com relatórios gerenciais que funcionam como indicadores para o auxílio na tomada de decisões.

“Temos também a preocupação de investir no aumento da velocidade das informações para toda a instituição. Nesse sentido, disponibilizamos para todos os funcionários treinamentos à distância e um sistema de avaliação de desempenho por competência on-line”, relata, ao acrescentar que dentre os diversos projetos da área de Recursos Humanos, destacam-se vários focados exclusivamente para os gestores.

Nesse sentido, foram criados o PDE – Programa de Desenvolvimento dos Executivos, que tem a finalidade de proporcionar coaching individual, atividades de qualidade de vida, cultural e de desenvolvimento profissional e pessoal ao corpo de executivos da instituição. Já o PDG – Programa de Desenvolvimento Gerencial, tem como base atividades de desenvolvimento profissional e pessoal ao corpo de gerentes de unidades do Ecad.

Na seqüência dos investimentos para os líderes, encontram-se:
- A avaliação de desempenho por competência (informatizada), que é aplicada para identificar o grau de conhecimento que cada colaborador possui em relação às competências requeridas pela instituição, proporcionando assim, subsídios para investimento em T&D;
- Cursos de curta duração internos e externos de Gestão de Pessoas, técnico, bem como comportamental. Essas atividades capacitam, reciclam e desenvolvem os colaboradores do Ecad;
- Graduação e pós-graduação, Encontro de Coordenadores e Encontro Técnico das Áreas.

Mas, os investimentos não param por aí, pois o Ecad realiza convenções gerenciais, para: promover a integração e a troca de experiência de todas as gerências; premiar os destaques do ano; treinar e motivar as lideranças; bem como divulgar as metas anuais. “Temos a prática de promover reuniões gerenciais, para planejar e divulgar o planejamento estratégico do Ecad. Fazemos a revisão do Plano de Cargos e Salários e nesse sentido realizamos uma pesquisa de mercado e revisar a estrutura de cargos e salários aplicada, além de promovermos a análise do crescimento de cada colaborador da instituição”, sintetiza Janaína Araújo.

Quando indagada se a participação dos gestores é opcional nas atividades, a gerente executiva explica que os treinamentos institucionais - que fazem parte do plano de carreira de determinada função - são obrigatórios, já os demais são realizados através do interesse de cada líder. Mesmo assim, a organização percebe que até os opcionais possuem alto índice de participação. Inclusive, o próprio Ecad já observou que todas as ações são consideradas pelos gestores como uma forma de investimento – pessoal e profissional – principalmente, como sendo uma grande oportunidade de desenvolvimento.

Em relação aos benefícios que o investimento nas lideranças proporciona à empresa, Janaína Araújo destaca: evidência de um clima organizacional adequado; aumento nos resultados operacionais da empresa; qualidade nas tarefas desenvolvidas; melhora na qualidade do atendimento prestado; baixo índice de turnover e orgulho dos profissionais em trabalhar no Ecad. “Os gestores participam de forma engajada e motivada. Os treinamentos e as ações de desenvolvimento são oferecidos pela área de RH e todos participam com total comprometimento”, comemora a gerente executiva.

As mudanças – Como acontece em qualquer outra organização, quando se realiza um trabalho bem estruturado, é comum que ocorram mudanças internas e no caso do Ecad, por exemplo, não foi diferente. Quando a empresa passou a investir maciçamente nos líderes observou-se uma inovação positiva nas relações líderes-liderados. Na visão da empresa, ações de treinamento tanto técnico quanto comportamental trazem bons resultados para todos.

E a rotina corporativa do Ecad mostra que a partir desses investimentos os gestores passaram a contar com equipes bem preparadas e essas, por sua vez, a contar com lideranças com características mais apuradas e desenvolvidas. No final, todos ganharam: líderes, empresa e equipes.

Mesmo que o retorno proporcionado pelas ações serem visíveis, a área de RH tem a preocupação de realizar um acompanhamento contínuo dos executivos, da avaliação de desempenho por competência e dos resultados obtidos após o investimento nos líderes. Além disso, a área de RH proporciona um canal aberto e informal a todos. Isso possibilita estímulo a feedbacks constantes sobre as ações propostas na organização.

Vale ressaltar que a empresa adotou a avaliação de desempenho por competência, por acreditar que essa é uma grande oportunidade de dar feedback, o que acabou resultando em melhoria da performance e uma destacada qualidade do trabalho desenvolvido pelos gestores. Além, disso, essa ferramenta foi a que mais se enquadrou à realidade da organização, por possibilitar momentos de reflexão, análise de comportamento, atitudes e metas, entre líder e liderado.

Ao ser questionada se o trabalho focado nos gestores causou algum tipo de impacto, uma vez que isso mexeu com a zona de conforto das pessoas, a gerente executiva de RH, responde afirmativamente. “A maioria dos gestores sentiu um impacto, até mesmo por estarem na zona de conforto. Programas como os já citados, fizeram com que muitos refletissem sobre suas carreiras e posturas, atitudes de liderança como formação acadêmica, tomada de decisão, relacionamento com clientes internos e externos, atingimento de metas, entre outros fatores. Tudo isso foi realizado com o acompanhamento direto da área de RH, nos aspectos psicológico-comportamental e técnico”, enfatiza.

Por fim, Janaína Araújo diz que para a Gestão de Pessoas é fundamental o investimento nas lideranças, porque o retorno é refletido no bem-estar e na capacitação da equipe. “As pessoas são de suma importância para alcance dos resultados da empresa. A área de Recursos Humanos é percebida na empresa, pelos gestores, como uma área estratégica e que valoriza o potencial humano. Por isso, está diretamente ligada à superintendência executiva”, conclui.



 
Referência: rh.com
Autor: Patrícia Bispo
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Carreira / EmpregoÉ possível manter-se motivado após alcançar o cargo desejado?
Defenda-seFraudes: Boletos de cobrança e as faturas falsas, infladas ou indevidas
Carreira / EmpregoPós-graduação: o que considerar na hora de escolher a sua?
Carreira / EmpregoProfissional concursado: veja como as eleições podem interferir na sua carreira!
AluguelRenovação: Se um locatário não consegue enquadrar a locação nos requisitos legais para renovar o contrato?
Negócios / EmpreendedorismoFazendo a diferença
Impostos / TributosCódigos de Recolhimento do INSS (Pagamentos / Recolhimentos)
FilhosPrevidência: investindo no futuro do seu filho
Negócios / EmpreendedorismoO sonho (e o custo) do negócio próprio
Carreira / EmpregoVaidade e egoísmo: como lidar com o chefe narcisista?