Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Ações / Bolsa de Valores - O complexo mercado de derivativos presente no seu dia-a-dia 

Data: 08/11/2007

 
 

Vamos ilustrar o conceito com um exemplo simples. Quando você compra uma apólice de seguro de seu carro a seguradora vende um seguro que valerá por determinado prazo e cobra um prêmio de seguro. Este prêmio é fixado pela seguradora tomando-se em conta o valor do ativo-objeto (no caso, seu carro). Quanto mais alto o preço do seu carro, mais alta será a indenização exigida por você (comprador) e conseqüentemente o valor do prêmio pago. O prêmio também será mais alto quanto maior for o risco de furto ou acidente e quanto mais longo for o período de cobertura de riscos (1 mês, 1 ano, 2 anos). Ou seja, a compra de uma apólice de seguro se assemelha à compra de uma opção de venda de um derivativo. O valor pago pelo seguro corresponde ao preço pago pelo segurado para ter esta "opção de venda", que, no caso das opções também é chamado de prêmio que o comprador paga para ter um direito de vender um determinado ativo a um preço no futuro. Portanto, a apólice de seguro é uma forma de derivativo porque seu preço depende do valor do objeto segurado e das outras variáveis (risco de furto, acidente, etc..) e caso o veículo segurado tenha um sinistro, o detentor da apólice tem o direito de acionar a seguradora e receber o valor segurado.

É difícil afirmar há quanto tempo existem derivativos. Apesar de ser um termo relativamente novo, existem evidências de que desde meados do século 19 a famosa Bolsa de Mercadorias de Chicago (EUA) já negociava contratos futuros de produtos agrícolas. Contrato futuro é uma das classes de derivativos. Além deles, existem os swaps (troca, em inglês), opções e contratos a termo, que são uma variação dos futuros.

Futuros

Um contrato futuro é um acordo de intenções no qual as partes envolvidas se comprometem a comprar ou vender determinado ativo para liquidação física ou financeira, em data futura, mas a um preço estabelecido hoje. Para entender melhor como funciona na prática, imagine se a pessoa "A" compre em Outubro de 2007 um contrato futuro de soja, com vencimento em julho de 2008 ao preço de R$ 300 por saca. Imagine que em julho, data da liquidação do contrato, a soja esteja sendo negociada no mercado à vista por R$ 350/saca. Neste caso, o comprador pode optar por receber a mercadoria e vender as sacas de soja no mercado pelo preço de R$ 350 ou receber R$ 50 por saca, que é a diferença entre o preço que ele comprou e o preço no mercado no dia do vencimento.

No nosso exemplo, houve valorização do ativo, mas poderia ter ocorrido uma desvalorização e daí, uma correção para baixo. Para evitar que seja realizados os acertos financeiros apenas no vencimento, as Bolsas introduziram os ajustes diários, que servem para quem compra e quem vende receber diariamente créditos ou débitos referentes às diferenças dos preços. Além disto, para minimizar risco de inadimplência por conta das oscilações entre preços pré-acordados e os praticados no mercado à vista, existe um sistema de margens de garantia que, no Brasil, é feito pela câmara de compensação da Bolsa Mercantil e de Futuros (BM&F).

Você que é investidor pessoa física, antes de começar a "tentar" ganhar dinheiro no mercado futuro é bom relembrar que não há garantia de lucro e que as boas performances passadas de alguns mercados não garantem ganhos futuros. Além disso, as operações neste mercado são normalmente muito arriscadas, pois embutem elevado risco para quem quer especular com os preços de alguns ativos. Por outro lado, podem ser realizadas operações de proteção utilizando os mercado futuros, mas neste caso, é bom o investidor conhecer bem as características dos contratos.



 
Referência: comoinvestir.com.br
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Consórcio"Consórcios são ferramentas para promover educação financeira", diz Abac
Finanças pessoaisConheça 10 razões para investir na educação financeira dos seus filhos
Finanças pessoaisComo administrar sua vida financeira e suas crises?
Economizar / PouparAs contas estão apertadas? Aprenda algumas dicas para economizar com o telefone
Investimentos / FundosO que é CDB - RDB - LC
Impostos / TributosFGTS: conta inativa já pode ser consultada pela internet; acompanhe seu extrato!
Carreira / EmpregoLíder: o que fazer ao saber que um funcionário está procurando novo emprego?
MotivaçãoBasta Um Minuto
Finanças pessoaisPara usar crédito, é preciso ter poupança, defende diretor da Febraban
Economizar / PouparNa hora de cortar gastos, é necessário ser coerente