Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Empréstimo / Financiamento - Agiota: uma ameaça ao sistema 

Data: 30/05/2007

 
 

Empréstimos criminosos a juros extorsivos crescem 25% ao ano, fazem 2 milhões de vítimas e preocupam o Banco Central

A bancária Kátia, 57, descobriu um novo jeito de ganhar dinheiro: transformou-se numa agiota há nove anos. "Essa profissão me dá lucro", diz, sem revelar o sobrenome. Agiotas como ela chegam a cobrar 20% de juros ao mês, o dobro da taxa de crédito cobrada pelos bancos. Não se sabe ao certo quantos são, mas eles estão na mira do Banco Central. "Estamos preocupados com a quantidade de denúncias", diz João Evangelista de Sousa, chefe do Departamento de Atendimento ao Consumidor do Banco Central. As estatísticas sobre o assunto são escassas e desatualizadas. A mais recente que se conhece – uma pesquisa feita pela Secretaria de Direito Econômico no ano 2000 – revelou que a agiotagem atinge 2 milhões de brasileiros e movimenta R$ 10 bilhões ao ano. Como as reclamações das vítimas crescem à proporção de até 25% ao ano, este número hoje já pode ter mais do que dobrado. Em 2003, os casos relatados ao Banco Central somaram 287. Só nos primeiros quatro meses deste ano, eles já chegaram a 120. Seguindo este ritmo, até dezembro serão 360. Parece pouco, mas esses são apenas os casos que chegam ao BC.

Numa ação conjunta, Ministério Público, Polícia Federal e Banco Central tentam fechar o cerco contra os agiotas. Em São Paulo, discute-se até a criação de uma delegacia específica para este tipo de crime. No mês passado, dois esquemas que envolviam quadrilhas organizadas foram descobertos, resultando até em uma rara prisão de agiota. Um dos casos é de um empresário de São José dos Campos, que foi preso depois de atuar por seis anos na região. "Ele usava uma empresa de fachada para atrair a clientela e movimentou milhões com a agiotagem", diz o procurador José Guilherme da Costa, do Ministério Público Federal. O acusado exigia da vítima, a título de garantia, a assinatura de contratos passando imóveis e outros bens para o nome dele. Como os juros chegavam a 20% ao mês, a vítima dificilmente conseguia pagar a dívida e acabava perdendo os bens. Outras denúncias, vindas do BC, levaram à descoberta de um agiota na região de Jacareí, interior de São Paulo. Na semana passada, ele foi acusado pelo Ministério Público de cometer crime contra o sistema financeiro e contra a economia popular. "Seu alvo principal eram pessoas que tinham o nome sujo e não conseguiam crédito nos bancos", diz o procurador Angelo Augusto Costa, do Ministério Público Federal. O agiota mantinha uma empresa de intermediação financeira e cobrava juros de até 500% ao ano. Um dos maiores esquemas de agiotagem do País foi descoberto no final de 2003, em Brasília. Uma empresa de fachada, a BSB Habitação, lesou 6 mil pessoas. Além de cobrar juros elevados, a firma vendia consórcios e não entregava o produto.

Um dos principais motivos para as pessoas procurarem um agiota é a dificuldade de acesso ao sistema financeiro. "Os bancos são extremamente rigorosos para conceder crédito até para quem tem conta", diz Aluísio de Araújo, professor de economia da FGV. A expectativa no momento é que o programa de microcrédito lançado pelo governo federal tire as pessoas do crédito marginal. Neste ano, a Caixa Econômica Federal já ofertou R$ 164,2 milhões de empréstimos. "Com essa iniciativa começamos a tirar as pessoas da agiotagem", diz Jorge Mattoso, presidente da Caixa.

Ao pegar o empréstimo com um agiota, as vítimas acreditam que conseguirão pagar os juros, mas a dívida cresce muito rápido. "Pedi R$ 4 mil emprestados, paguei R$ 10 mil e o agiota ainda dizia que eu devia R$ 20 mil", diz o funcionário público M.O., de 34 anos, que ganha R$ 2 mil por mês. Pelos dados da Acrimesp (Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo), a vítima geralmente é um pai de família da classe média. "Recebemos várias denúncias de pessoas que caíram nas mãos do agiota pela aparente facilidade de obter crédito desse jeito", diz Ademar Gomes, presidente da Acremesp. As vítimas procuram a entidade sob sigilo, pois têm vergonha de ser identificadas por amigos. Quando chegam a fazer a denúncia é porque já estão tendo até a família ameaçada de morte


NÚMERO DE GOLPES

287 em 2003

120 até abril 2004
Fonte: Banco Central

COMO ATUA O AGIOTA

• Cobra juros de até 20% ao mês
• Faz o empréstimo sem exigência de fiador
• O dinheiro é liberado na hora
• Exige cheques, carro ou imóvel como garantia
• Está instalado em sobrelojas sem placas, geralmente no centro da cidade
• Faz ameaças de morte caso o tomador do crédito deixe de pagar

ONDE DENUNCIAR

Banco Central
0800-992345
www.bcb.gov.br

Associação dos Advogados Criminalistas
do Estado de São Paulo Acrimesp
acrimesp@aol.com



 
Referência: InfoMoney
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
AposentadoriaBenefícios e pensões são principais fontes de renda dos brasileiros
UtilidadesPoluição
Finanças pessoaisSem controle: efeito manada no consumo prejudica o orçamento
Modelos de documentosInstrumento Particular de Contrato de Prestação de Serviços Profissionais Contábeis
Carreira / EmpregoVocê sabe o que é empowerment? Ele pode ajudar a sua carreira!
ConsumidorComprou algo e encontrou mais barato? Nem sempre é possível devolver!
Negócios / EmpreendedorismoHora do sim - Superando o "não" e liderando sua prosperidade
Carreira / EmpregoDe olho no futuro: profissionais usariam tempo livre para investir na carreira
Investimentos / FundosComo montar uma carteira de investimentos adequada para o seu perfil?
AposentadoriaPrevidência Privada : Quem pode ser meu beneficiário?