Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Carreira / Emprego - Quando a comunicação leva ao estresse 

Data: 09/12/2008

 
 

Nunca se falou tanto de estresse, suas causas e formas de prevenção. Este é um campo muito mais vasto do que aparenta, pois o estresse pode ter suas origens nas mais variadas fontes, desde às orgânicas às emocionais, passando pelas existenciais.

Muitos fatores contribuem para agravar o estresse de quem já o tem ou plantar sua semente naquele que ainda não o conhece. Como é um tema que, de uma forma ou de outra, diz respeito a aspectos comportamentais - que é minha área de atuação - vez por outra abordarei aqui alguns dos fatores desencadeadores desse novo integrante do time chamado "mal do século", que tem na sua escalação outros "jogadores" de peso como depressão, infarto, derrame e por aí vai.

Como se sabe, estamos na era da Comunicação: nunca se leu e se escreveu tanto - jornais, revistas, livros, sites -, nunca se assistiu tanta televisão, cinema, teatro ou se ouviu tantas emissoras de rádio - em casa, no carro, no trabalho, na rua. Somos bombardeados a todo instante pelos mais variados tipos de comunicação. Já existem casas comerciais nas quais até o banheiro tem som ambiente, que intercala música (muito bom!) com notícias (argh!). Pode?

Neste capítulo, uma parte da imprensa, ainda que involuntariamente, tem uma grande parcela de responsabilidade. Não é novidade para ninguém que todos os meios de comunicação vivem de audiência, seja de leitores, ouvintes ou telespectadores. Por isso, é às vezes insana a luta travada entre eles para chamar a atenção do público e ganhar sua preferência. E é aqui que o estresse ganha espaço.

Há várias e várias formas de se comunicar algo a alguém - e cada forma obtém efeitos e resultados também diferentes. Faça você mesmo uma experiência: aproxime-se de um colega de trabalho e diga-lhe de sopetão, com a voz grave e um semblante sério, carregado: "VOCÊ NÃO SABE O QUE ACABA DE ACONTECER!" E observe a reação dele: ele pára tudo o que está fazendo, arregala os olhos, a boca pende aberta, sobrancelhas levantadas e faz silencio absoluto, até ganhar forças para balbuciar, quase sussurrando: "o que aconteceu?".

Antes de revelar que foi uma "brincadeirinha", procure sentir os batimentos cardíacos dele. Depois escolha outro colega e repita exatamente a mesma frase, só que desta vez com a voz macia e em tom baixo, com um leve sorriso nos lábios, um olhar maroto. A primeira reação do outro - além da natural curiosidade, inerente a todo ser humano - vai ser a de também sorrir, como que antevendo uma "fofoca", uma travessura ou uma engraçada "pisada na bola" de alguém.

De certa forma, alguns órgãos da imprensa fazem isso mesmo com a gente. Quando quer nos impactar, tudo ajuda: desde a música de fundo, o tom grave da voz do repórter ou do locutor, o tamanho das letras da manchete, tudo conspira a favor do estresse.

Já se criou até um vocabulário próprio para mexer com nosso ritmo cardíaco - o dólar não sobe: dispara. A Bolsa não cai: despenca. Os rendimentos da nossa aplicação não diminuem: desabam. Uma forte chuva no final da tarde não causa estragos: arrasa. A greve de ônibus não atrapalha o trânsito: paralisa a cidade! Os casos de gripe não estão apenas aumentando: vem por aí uma epidemia! O futebol, a economia, o comércio, a agricultura - ninguém mais tem problemas: agora a palavra é crise. Ou calamidade.

Olha, não sei se acontece com você, mas tem edições de noticiários da TV ou de jornais que efetivamente levam nossa pressão arterial lá pra cima - ou lá pra baixo, a depender da tendência. Aliás, vamos torcer para que os médicos não decidam usar também esse linguajar, senão nossa pressão arterial vai despencar ou disparar - e não mais humanamente baixar ou subir. E tome-lhe estresse!

Esses comentários pretendem alertar as empresas a respeito da enorme importância que tem seus padrões e canais de comunicação interna, do imenso cuidado e atenção que deve ser dedicado a eles. Se não adequadamente elaborados, seus meios e sua forma de comunicação com os funcionários pode contribuir para a criação de freqüentes e indesejáveis bolsões de estresse interno junto a eles.

Alguns comunicados e memorandos sobre assuntos relativamente corriqueiros, às vezes passam a impressão de que um grave acontecimento deve ser esperado para "explodir" a qualquer momento. Uma palavra mal colocada no discurso do presidente - ou do diretor no editorial do jornalzinho interno - pode levar o pessoal a achar que está diante de mais uma onda de demissões ou de uma reestruturação organizacional para redução de custos - o que vem a dar na mesma.

Quantas vezes você já ouviu o boato de que sua empresa vai ser vendida? Ou vai se fundir com a concorrente? Quantas vezes já "demitiram" seu presidente, diretor, chefe - ou até você mesmo? E como é que todos esses boatos chegam até ao chamado "chão de fábrica" ou à força de vendas, que não transitam pelos corredores da matriz e, assim, não têm tempo de se atualizar? E as conseqüências de tudo isso? Dentre outras coisas, mais estresse, naturalmente.

Lógico que não podemos ficar alheios ao que se passa no mundo, mas minha filosofia principal - e um dos meus antídotos contra o estresse - é de que não devemos condicionar nosso bem estar e a nossa harmonia interior a fatores sobre os quais não temos nenhuma influência ou nenhum poder de mudança - como é comum nestes tempos de globalização. Se podemos fazer algo para melhorar o rumo das coisas e da nossa própria vida, então arregacemos as mangas e façamos.

O que definitivamente não podemos é permitir que nossa pressão arterial flutue ao sabor das Wall Street, WorldCom, Nasdaq e de outras artimanhas especulativas. Senão, quem se ferra é a gente.



 
Referência: RH Portal
Autor: Floriano Serra
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Defenda-seJuizado: Quem pode processar e quem pode ser processado ?
Carreira / EmpregoPor que empresas realizam grupamento seguido de desdobramento de ações?
Carreira / EmpregoSer Importante x Ser Raro: o que o mercado quer?
Negócios / EmpreendedorismoCrescimento dos Negócios - 20 Perguntas para Reflexão
Carreira / EmpregoVai um cafezinho? Pausas além do horário de descanso não são garantidas por lei
Investimentos / FundosOnde investir o fundo de emergência
Finanças pessoaisComo fazer um planejamento estratégico de seu tempo?
Investimentos / FundosPsicologia e finanças: união de forças pode ajudá-lo na hora de investir
Análise técnica (ações)Mitos, vantagens e umas boas verdades sobre as operações de day trade
Carreira / EmpregoCarreira ou vida pessoal? Dá para conciliar as duas!