Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Aposentadoria - Como preparar a aposentadoria sem fazer esforço 

Data: 13/11/2008

 
 

Os cientistas estão dizendo que você vai viver mais. A expectativa de vida vem aumentando e esse é hoje um dos desafios das empresas de previdência.

Um problema para as empresas de previdência que vão precisar ser mais eficientes na gestão de carteiras para garantir o benefício vitalício de muitos aposentados e para você, que mesmo não gostando de aplicações financeiras, vai precisar pensar na aposentadoria.

"Você não pode viver como um milionário e depois ser enterrado como um indigente", diz Luis Eduardo de Assis, principal executivo do HSBC Investment Bank no Brasil. "Mas também não dá para viver como um miserável e ter um enterro de primeira."

O segredo do planejamento da aposentadoria, não precisar fazer muito esforço. Só dessa forma é possível manter a disciplina no longo prazo. "Coloque no máximo 5% do dinheiro destinado a investimentos em aplicações para aposentadoria", diz Walter Hime, vice-presidente da Real Seguros. "Se você destinar mais do que isso não vive, porque aí não vai ter dinheiro para viajar, para trocar de carro e comprar casa."

Esse é o seu dilema: o quanto guardar para a aposentadoria. Os especialistas garantem que se houver planejamento o processo não é doloroso. O melhor é que o planejamento tributário será seu grande aliado nesse processo.

Oswaldo Nascimento, diretor da Itaú Previdência, diz que você não pode abrir mão do benefício fiscal quando estiver aplicando para a aposentadoria. Uma aplicação de R$ 1 mil num fundo tradicional, os FIFs, se transforma na prática em R$ 725 líquidos, porque 27,5% é a parcela que vai para a Receita Federal. "Imagine que essa aplicação renda dez vezes mais", diz Nascimento. Nesse caso, o investidor ficará com R$ 5,9 mil líquido de IR, se a aplicação estiver num FIF, porque pagou 20% sobre o ganho de capital.

Mas se optar por um PGBL, ocorre o processo inverso. "Se você aplicar os R$ 725, equivale a R$ 1mil", diz Nascimento. No mesmo exemplo, então, o investidor tem ao final da aplicação os R$ 10 mil. Mas observe, que se ele resgatar o dinheiro será tributado de acordo com a tabela do IR, no caso, uma mordida de 27,5% sobre o total do resgate. "Sobra então líquido R$ 7,250 mil, ainda assim maior do que numa aplicação tradicional", diz.

Mas, o planejamento tributário não deve vigorar apenas no período de acumulação. Os analistas dizem que também na hora de resgatar é possível ganhar com o benefício fiscal se houver planejamento. Para isso, a orientação é: compre uma renda vitalícia ou resgate em parcelas mensais, sempre de olho na tabela do Imposto de Renda.

Walter Hime, da real seguros, observa que nos PGBLs você deve investir até o limite de 12% de sua renda tributável. "Esse é o limite de aplicação em que o produto é vantajoso", diz. Aplicações maiores são ruins porque você não obtém o benefício fiscal e além disso terá que pagar IR sobre o valor total do resgate e não apenas sobre o ganho de capital.

Outro ponto importante que você não pode descuidar: os PGBLs só são interessantes para aplicações de longo prazo. Com as taxas de juros atuais, segundo Hime, esses planos ficam competitivos para prazos acima de cinco anos. Mas Marco Marco Simonovitch, diretor da Patagon, diz que o mais eficiente é aplicar em PGBL com horizonte de prazo acima de dez anos.

Para quem não tem IR a pagar, os PGBLs não são interessantes. Para esse público o melhor são os VGBLs, planos que foram regulamentados este mês e que no início do próximo ano já estarão nas prateleiras de bancos e seguradoras. Por fim, a partir de janeiro, os Fapi, outra modalidade de plano aberto de aposentadoria, ganham um brilho com novos benefícios fiscais.

A mudança no formato da pirâmide etária vem provocando uma revolução no sistema de previdência por todo o mundo. E com o mercado brasileiro não é diferente. A primeira revolução ocorre no próprio sistema de previdência oficial. Edson Duarte Jardim, consultor da William Mercer, uma empresa com tradição no mercado de previdência, diz que a previdência social já caiu a um quarto do seu valor no passado. "É um problema para os fundos de pensão", diz Jardim.

Isso porque, muitos fundos complementam o benefício que é pago pelo INSS. "Se cai o benefício, a parcela da previdência privada tem que aumentar para então recompor o benefício do funcionário", diz.

Só esse movimento fez com que o custo dessas aposentadorias aumentassem de 3% para 10% da folha de pagamento, segundo Jardim. Essa é uma das razões que está levando muitos fundos de pensão a promoverem uma migração dos seus planos de benefício definido para contribuição definida.

As mudanças na previdência estão sinalizando que você agora é o principal responsável por sua aposentadoria. Você hoje tem mais opções, transparência e segurança nos produtos que estão nas prateleiras de seguradoras e bancos. Mas note que agora o destino da aposentadoria está em suas mãos. Esse é um assunto só seu. Esperar pela previdência social é um risco cada vez maior. Empurrar o planejamento da aposentadoria para o futuro pode comprometer os resultados.

Veja que R$ 150 mensais ao longo de 30 anos podem lhe render uma aposentadoria de R$ 6 mil. Mas o benefício vai caindo à medida que você adia o início do seu programa de investimentos.

"No longo prazo, a força dos juros compostos é violenta", diz Marco Simonovitch, diretor da Patagon e responsável pelos cálculos e gráfico acima. Simonovitch ressalta que os números são estimativas e projeções e não é possível garantir rentabilidade.

No exemplo foi estimado um ganho médio ao mês de 1% para a carteira de investimentos destinada a aposentadoria. Uma taxa agressiva para muitos, mas para outros bastante razoável, principalmente nos dias de hoje onde só com aplicações de renda fixa é possível ganho mensal de 1,4% .

Cada investidor vai perseguir uma meta de rentabilidade diferente ao longo desses anos até a aposentadoria. É importante determinar qual a taxa média que você precisa para atingir sua meta. A partir daí é só monitorar periodicamente. Se você não está conseguindo atingir sua meta, reavalie sua carteira e destine uma parcela maior a investimentos de maior risco, mas também com maior potencial de retorno.



 
Referência: Valor
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Negócios / EmpreendedorismoA surdez corporativa
Carreira / EmpregoA importância das decisões
Investimentos / FundosUm (1) milhão em 10 mandamentos
Carreira / EmpregoGinástica na empresa: mais um instrumento no combate ao estresse
Carreira / EmpregoFaculdade: contenha a empolgação e analise se seu curso é reconhecido pelo MEC
AposentadoriaSem desculpas: idade e dinheiro não devem impedir adesão à previdência privada
Negócios / EmpreendedorismoCuidado com os detalhes é segredo da gestão do melhor albergue do Brasil
Investimentos / FundosFique atento: juros mais altos nos EUA podem, sim, afetar o seu bolso!
Finanças pessoaisComo organizar as finanças nas diversas etapas da vida?
ImóveisMitos e verdades que podem reduzir o consumo de energia elétrica nos condomínios