Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Investimentos / Fundos - Emoção x Razão: conheça os 5 perfis de comportamento do investidor 

Data: 11/10/2011

 
 
Decidido a começar a investir, você foi atrás de informações sobre as diferentes aplicações, fez comparações, simulações sobre o seu perfil de investidor e está lendo o noticiário econômico. Agora, se sente totalmente preparado para aplicar o seu dinheiro, certo?

Nem tanto. Segundo explica a doutora em psicologia econômica Vera Rita de Mello Ferreira, no livro A Cabeça do Investidor, além de alimentar o lado racional com informações técnicas, é preciso equilibrá-lo com o lado emocional, já que “sempre somos guiados por um forte motivador de natureza emocional” em todos os aspectos de nossa vida, incluindo investimentos.

E são as emoções que interferem na capacidade de percepção, distorcendo até o mais técnico dos relatórios, por exemplo, sem que às vezes a pessoa se dê conta disso, pois permanecem no inconsciente. É como se fossem um “semáforo”, diz Vera Rita: “o que me agrada, sobre mim ou sobre o que me cerca, eu permito acesso à consciência, acredito ser real ou provável de acontecer, e deixo em paz; mas se ameaça me trazer desconforto, dor, frustração, (...)faço de conta que não são meus, nem reais ou prováveis”.

Cinco perfis de comportamento
Mas, como não é possível se desligar das emoções, Vera Rita recomenda que o investidor sempre procure o autoconhecimento, para aprender a lidar com elas. Para ajudar nessa tarefa, ela traça em seu livro cinco perfis básicos de investidor, do mais emocional ao que sabe integrar razão e emoção. Veja algumas características de cada um deles:

Predominantemente pressionado por emoções primitivas: dificuldade para aceitar a realidade e tentar modificar o que for preciso; impulsivo; reage com intensidade, ou mesmo com violência, muitas vezes desproporcionalmente; deixa-se influenciar facilmente; é muito parcial nas suas avaliações; ansioso; otimista ou pessimista demais; pode ser arrogante e acreditar-se onipotente.
Frequentemente pressionado por emoções primitivas: alguém que já consegue, às vezes, refletir antes de sair desembestado...; já entrou em fria por se comportar desse modo mais dominado pelas emoções primitivas, viu que não é bom, mas cada vez que isso acontece encontra justificativas, sem se deter de fato para pensar no assunto.
Malabarista: possivelmente o tipo mais comum, que às vezes usa bem a cabeça, em outras se atrapalha feio, podendo variar conforme o tipo de situação; já viu que é legal, útil para si mesmo funcionar de outro jeito, mais equilibrado, e tenta fazer isso quando se lembra, mas nem assim tem sucesso sempre.
Mais consciente das próprias limitações: está no “bom caminho”, já consegue se flagrar em muitos momentos, parou para pensar, mas nem sempre dá conta de administrar as diferentes pressões, internas e externas, por isso acaba metendo os pés pelas mãos em alguns momentos; mas está mais firme no propósito de mudar e se tornar uma pessoa mais madura e equilibrada.
Racional, ou seja, equilibrado integrando bem emoção e razão: esse é o tipo mais raro, que consegue lidar melhor com seus sentimentos disparados por experiências de frustração – e ainda assim seguir pensando; sabe que não é infalível, por isso, não se sente superior aos outros; é capaz de compaixão e de compor com parceiros, em situações afetivas, financeiras, profissionais e outras; suporta ficar triste, sem ficar demasiado aflito; tem confiança em si e na vida.

Armadilhas
A autora dedica grande parte da obra a mostrar os principais erros que o investidor pode cometer ao se deixar levar apenas por suas emoções. Um deles é ter apenas uma visão parcial da situação, em vez de enxergar o contexto inteiro, inclusive as oscilações inevitáveis do mercado. “Ou eu vejo que está tudo maravilhoso, portanto, não tem risco nenhum e eu não vou tomar nenhuma providência pra me precaver ou eu acho que está tudo perdido, não tem saída nenhuma, então, vou entrar no desespero e não consigo enxergar nenhuma estratégia para reverter a situação”, explicou Vera Rita, em entrevista à InfoMoney TV.

O lado emocional também pode prejudicar a capacidade de o investidor avaliar o preço das coisas, incluindo aí ativos financeiros. “Uma série de coisas pode determinar o valor, mas a mais importante é o que na psicologia econômica se chama âncora, a partir de onde a pessoa sai para fazer suas estimativas de valor. Então, se ela ouve falar que tem um apartamento por R$ 600 mil, isso fica na cabeça e, mesmo que ela não se dê conta, começa a fazer todos os cálculos em cima deste valor, deste ponto de referência. Isso porque nossa cabeça não consegue fazer avaliações em cima de valores absolutos”, comenta a autora.

O investidor também pode cometer o engano de achar que é capaz de antecipar movimentos do mercado, quando, na verdade, está confundindo essas previsões com suas expectativas, sejam elas positivas, sejam negativas. “Se todo mundo fosse atrás de uma previsão no mercado financeiro, então, todo mundo iria ganhar porque todo mundo iria comprar, então, iria subir demais, ou todo mundo iria vender, então, iria cair demais. Os ganhos e as perdas são decorrentes de assimetrias de previsões, bola de cristal ninguém tem”, diz Vera Rita, recomendando que o investidor troque ideia com outras pessoas, para conferir como estão as suas expectativas.

Uma outra recomendação, não só para este caso, mas também para quem quer evitar decisões erradas por conta do lado emocional, é fazer uma espécie de diário e sempre consultá-lo. “A pessoa deve anotar, seja por gravador, seja por escrito, tudo o que cerca o momento em que ela está avaliando os dados para daí fazer a escolha. Depois volta, retoma, e vai talvez aprendendo com essa experiência”, explica a doutora em psicologia econômica.



 
Referência: InfoMoney
Autor: Ana Paula Ribeiro
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Investimentos / FundosEconomizar, poupar e investir: três etapas do planejamento financeiro
SegurosMotorista deve seguir orientações para não ficar sem seguro em enchentes
Modelos de documentosDeclaração para Dispensa de Redenção do ISS.
Como agirComprou e não usou. E se tiver defeito?
SegurançaRecebeu restituição do Leão? Veja dicas de segurança para os trâmites online
Carreira / EmpregoGestores gastam mais da metade de seu tempo em atividades de "apagar fogo"
Como agirDesentupidoras - Cuidados para não entrar pelo cano (Contratar uma desentupidora é mais complicado do que se imagina)
Investimentos / FundosDívida externa: saiba como funcionam e como investir
Negócios / EmpreendedorismoGanhe mais tempo em 4 lições
MotivaçãoPlanejamento Estratégico Pessoal