Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos

 Total de: 15.244 modelos.

 
 

    Precisa redigir uma carta, um abaixo-assinado, um requerimento ou outro modelo de documento e não sabe como começar ?

    Nossos modelos de documentos são grátis, liberados para cópia. Caso necessite modifique de acordo com suas necessidades.

    Envie também seu modelo de documento. Caso não tenhamos em nosso banco de dados , incluiremos. Se desejar divulgamos seu nome e e-mail.
 

 Possuímos hoje em nosso site um total de 15.244 Modelos de Documentos! Aproveite.



 




Veja o Modelo de Documento randômico em destaque:


Sorteamos dentro do assunto Petição , onde está a categoria Consumidor :



Restituição de valores pagos a prevedência privada


PREVIDÊNCIA PRIVADA - APOSENTADORIA - CONTRATO DE ADESÃO - CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR - RESTITUIÇÃO DE VALORES PAGOS - CLÁUSULA ABUSIVA
 

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da ......ª Vara Cível da Comarca de ............


Autos processuais nº ............
Requerente: ................
Requerido: ...................


..................., já identificado nos autos processuais em epígrafe, por seu bastante procurador judicial infra-assinado, com o devido acato e respeito VEM perante Vossa Excelência apresentar

MEMORIAIS ESCRITOS

no feito restituitório movido contra .........., pessoa jurídica de Direito Privado também ali identificada, fazendo nos exatos termos permitidos pelo Direito vigente, esperando, ao final, ver providas suas razões de ingresso.

1. DOS FATOS.

O requerente aos ........... firmou dois contratos com o requerido, através do intermédio do gerente do ............, relativo à plano de previdência privada, denominado ........... e outro de aplicação financeira intitulado "..........".

O ........., contrato nº .......... e objeto deste feito, é um acordo que tem por objetivo o recebimento de uma parcela pelo segurado, corrigida mensalmente pela TR, configurando-se como plano de aposentadoria privada.

Tais contratações foram realizadas por intermédio do gerente do ........., instituição financeira com agência nesta Comarca, aonde se realizavam os débitos das parcelas devidas pelo aqui requerente, diretamente na conta-corrente nº ...................

Ao receber as explicações do gerente da instituição financeira e ao assinar os contratos, o suplicante foi informado que os valores pagos poderiam ser resgatados posteriormente, em caso de interrupção dos negócios, mediante simples requerimento à instituição administradora do plano, sendo este fato corroborado pelos documentos que lhe foram entregues, os quais estão acostados aos presentes autos.

Decorrido o prazo de 24 meses o suplicante requereu o resgate dos valores pagos, recebendo em sua conta -corrente apenas a quantia relacionada ao .........

Diante de tal situação, o suplicante, através de novo requerimento, este dirigido a ambos os suplicados, expôs a situação e, novamente, solicitou a devolução das parcelas pagas em relação ao plano ........., sendo que, naquele instante, restou informado de que por se tratar de uma contratação de risco, os valores quitados não seriam resgatáveis.

O suplicante ingressou em Juízo com feito restituitório, requerendo a devolução das parcelas pagas, assim como indenização por danos materiais e morais.

Em emenda à inicial, o suplicante expôs da necessidade de prova pericial no processo de conhecimento, assim como esclareceu acerca dos pedidos formulados na inicial, ou seja, determinou que o feito dirige-se a ................ Seguros e Previdência, esclarecendo que a instituição financeira ............. só foi incluída no pólo passivo da relação devido ao intermédio da negociação; esclareceu, ainda, que o valor requerido refere-se a devolução das parcelas pagas, assim como o arbitramento dos danos materiais e morais havidos.

Contestado o feito restituitório, o suplicado argumenta que o contrato mantido pelo suplicante caracteriza-se como contrato de risco e que, portanto, não tem direito à restituição das parcelas pagas quando da interrupção do contrato. Além de tal fato, expõe que os documentos do suplicante não condizem com seu plano, uma vez que em se tratando de contrato pré-impresso, os contratos emitidos destinam-se a todas as modalidades de contrato de previdência privada, sendo que o contrato ora em epígrafe não se adapta à cláusula de resgate, já que se trata de contrato de risco

Em Audiência de Conciliação, presentes as partes, nenhum acordo restou frutífero, sendo ainda expostos todos os pontos controvertidos bem como requeridas e explicitadas todas as provas pretendidas pelas partes marcando-se nova audiência para a data de .......... de ........... de ...........

Novamente a tentativa de conciliação restou infrutífera, a ré dispensou o depoimento pessoal do autor sendo portanto colhido somente o depoimento pessoal do representante legal da ré.

De tal depoimento cabe ressaltar que os contratos firmados entre o suplicante e o suplicado pertencem à modalidade de adesão, sendo que nem ao menos uma cópia foi repassada ao suplicante.

Ainda além, com o referido depoimento verifica-se a continuidade da confusão na elaboração dos contratos em discussão pois nem mesmo o representante legal da empresa pode explicar ao certo suas características, corroborando as alegações feitas na inicial de que os termos do contrato tendem a ludibriar os contraentes que somente o firmam a partir da certeza de restituição.

Entendendo que a contratação foi precedida de publicidade enganosa, descumprimento contratual unilateral pela instituição financeira e má-fé, entre outras ilegalidades, o suplicante comparece perante o Poder Judiciário para apresentar os presentes memoriais.

Tais os fatos necessários.

2. DO CONTRATO DE PREVIDÊNCIA PRIVADA COMO ADESÃO.

O contrato de previdência privada é um contrato bancário e de adesão, dirigido a toda massa e regulando-se com regras gerais do contrato e pelas normas do Direito do Consumidor.

O código de Defesa do Consumidor ao definir contrato de adesão, assim dispõe:

Artigo 54
Contrato de Adesão é aquele cujas cláusulas tenham sido aprovadas pela autoridade competente ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor de produtos ou serviços, sem que o consumidor possa discutir ou modificar substancialmente o conteúdo.

Isto reflete que tais contratos possuem cláusulas gerais dirigidas à massa, sendo estas detentoras de atributos como o "preestabelecimento, unilateralidade da estipulação, uniformidade, rigidez e abstração" .

Segundo a nobre doutrinadora Cláudia Lima Marques , in contratos no Código de Defesa do Consumidor, os contratos de adesão não respeitam as normas de caráter cogente contidas na Lei 8.078/90, assim nos ensinando:

"O fenômeno da elaboração prévia e unilateral, pelos fornecedores, das cláusulas dos contratos possibilita aos empresários direcionar o conteúdo de suas futuras relações contratuais com os consumidores como melhor lhes convém. As cláusulas contratuais assim elaboradas não têm, portanto, como objetivo, realizar o justo equilíbrio nas obrigações das partes, ao contrário, destinam-se a reforçar a posição econômica e jurídica do fornecedor que as elabora."

Com isso muitas instituições estão utilizando-se de sua superioridade para angariar recursos através de planos como este, sob a alegação de que se tratam de contrato de risco e que, portanto, não prevê a restituição das parcelas anteriormente pagas.

Nosso jurisprudencial, em casos semelhantes, assim já se manifestou:

PLANO ASSISTENCIAL DE CARÁTER PRIVADO. PREVISÃO DE DESLIGAMENTO DO ASSOCIADO COM DEVOLUÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES POR ELE PAGAS. NEGATIVA DO ÓRGÃO ASSISTENCIAL EM CUMPRIR O PREVISTO EM SEU REGULAMENTO. DEMANDA JUDICIAL. SUA PROCEDÊNCIA.
Prevendo, o regulamento do plano assistencial de caráter privado, que, ao desligar-se, o associado tem direito à devolução de contribuições, não poderá, o órgão assistencial, adimplidas que tenham sido condições, recusar-se a cumprir o que havia sido pactuado. Ação de cobrança proposta por associado contra o órgão assistencial julgada procedente em instância inicial. Improvimento do apelo do réu."

No mesmo diapasão:

"CONTRATO DE ADESÃO - CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR, ARTS. 51 E 53 - Na exegese dos arts. 51 e 53 do Código do Consumidor são abusivas as cláusulas que, em contrato de natureza adesiva, estabeleçam, rescindindo este, tenha o promissário que perder as prestações pagas, sem que do negócio tenha auferido qualquer vantagem." (STJ - REsp 60.563-6 - SP - Rel Min. Waldemar Zveiter - DJU 27/11/1995)

Desta forma e de acordo com todos os documentos aqui acostados como prova documental, evidente que a contratação em debate previa o resgate após prazo de carência e que, tal previsão não restou cumprida pelos suplicados, devendo os mesmos restarem submetidos aos rigores da lei, principalmente face a existência do Código de Defesa do Consumidor.

3. DA INCIDÊNCIA DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR.

O suplicante, por estar submetido à protetividade determinada pelo Código de Defesa do Consumidor, deve usufruir de suas prerrogativas, tais como, ver aplicada tal norma ao contrato de previdência privada - ...........

Observando nosso jurisprudencial verifica-se a plena incidência do Código de Defesa do Consumidor, perante estas modalidades contratuais:

APELAÇÃO CÍVEL Nº 193051216-7 CÂMARA CÍVEL - CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROTEÇÃO CONTRATUAL: DESTINATÁRIO. CLÁUSULA ABUSIVAS. ALTERAÇÃO UNILATERAL DA REMUNERAÇÃO DE CAPITAL. DISPOSIÇÃO DE CREDITADO; IMPOSIÇÃO DE REPRESENTANTE. CONHECIMENTO DE OFÍCIO.
O conceito de consumidor, por vezes, amplia-se no Código de Defesa do Consumidor, para proteger quem é "equiparado".

É o caso do art. 29:
Para o efeito das práticas comerciais e da proteção contratual. O Código de Defesa do Consumidor rege as operações bancárias, inclusive de mútuo ou de abertura de crédito, pois relações de consumo. O produto da empresa de Banco é o dinheiro ou o crédito, bem juridicamente consumível, sendo portanto, fornecedora; e consumidor o mutuário ou creditado.

Diante de tais, a aplicabilidade de tal diploma legal deve restar ordenada a abranger a relação jurídica em debate.

4. DA OFERTA E PUBLICIDADE ENGANOSA.

A oferta constitui "uma manifestação de vontade unilateral através da qual uma pessoa faz conhecer sua intenção de contratar e as condições essenciais do contrato" .

Pelo Código de Defesa do Consumidor a oferta de bens e serviços ,assim restou disciplinada:

Artigo 30
Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado.

Artigo 31
A oferta e a apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre riscos que apresentem à saúde e segurança dos consumidores.

Porém, a oferta difundida pela Segunda suplicada, a qual encantava e ainda encanta os olhos dos segurados, não passou de propaganda enganosa, pois, ao receber o explicativo do plano de previdência restou clara possibilidade de resgate dos valores pagos, porém nos extratos, em letras bem menores, isso já vinha alterado, afirmando tal contrato ser de risco.

Entretanto, a proposta de inscrição ao Fundo Prever Aposentadoria Nacional, aqui acostada como prova documental, ao dispor sobre a flexibilidade do plano, assim dispôs:

Flexibilidade do Plano: você pode, a qualquer momento:
- resgatar o fundo, após o prazo de carência, parcial ou totalmente

Desta forma aplicável o contido no Código de Defesa do Consumidor, quando determina:

Artigo 35
Se fornecedor de produtos ou serviços recusar o cumprimento à oferta, apresentação ou publicidade, o consumidor poderá, alternativamente e à sua livre escolha:

I- exigir o cumprimento forçado da obrigação, nos termos da oferta, apresentação ou publicidade;
II - rescindir o contrato, com direito à restituição de quantia eventualmente antecipada, monetariamente atualizada, e perdas e danos.

Cabe lembrar que a oferta vincula o fornecedor, determinado o CDC o cumprimento daquilo que foi avençado.

Artigo 6º
São direitos básicos do consumidor

III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem;
IV- a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos ou serviços.

Artigo 36
A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, identifique como tal.

Todo consumidor possui o direito assegurado de ter informações completas, exatas e claras sobre produto ou serviço que pretende adquirir, sendo que, infelizmente tal fato não restou observado pelos suplicados em relação à contratação aqui em debate, devendo os mesmos sujeitarem-se ao disposto pela Lei 8.078/90, quando disciplina:

Artigo 37
É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva.

Parágrafo 1º
É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou ,por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito de natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços.

Artigo 3º
Para efeitos deste Código, a publicidade é enganosa por omissão quando deixar de informar sobre dado essencial do produto ou serviço.

Desta forma, para a legislação vigente basta apenas a indução ao erro e não a enganosidade real, sendo que nesse caso existiram as duas, agravando ainda mais a situação do suplicante e demonstrando má-fé do suplicado.

Uma cláusula contratual pode ser considerada como enganosa também quando é considerada dúbia, quando ela não diz algo claramente, divergindo o real significado.

Tal entendimento é o da jurisprudência:

PUBLICIDADE ENGANOSA. CONTRATO DE COMPRA E VENDA. CLÁUSULA COM CONTEÚDO DUBIO, COLOCANDO O CONSUMIDOR EM DESVANTAGEM PERANTE O PROMITENTE VENDEDOR. APLICAÇÃO DO CDC. Tratando-se de relações de consumo, onde a publicidade veiculada é enganosa, já que sonega informações quanto a existência de cláusula de reajuste nas parcelas do imóvel, além do que aludida cláusula tem conteúdo dubio, não esclarecendo quais os critérios que deflagrariam a necessidade de reajuste, viável a rescisão do contrato, com a devolução de todas as parcelas pagas pela compradora, sendo correto determinar-se a condenação da vendedora em perdas e danos, visto que a expectativa do consumidor, em adquirir o imóvel, restou frustrada pelo agir do vendedor. Devolução dos valores pagos ao corretor do negócio. Tendo o corretor participado ativamente do negócio, faltando com o dever de informação e boa-fé na conclusão deste, inclusive tendo participado na propaganda enganosa, deve devolver ao consumidor os valores pagos a título de corretagem, principalmente porque não pode se falar em resultado útil da corretagem, visto a rescisão do contrato em prejuízo do consumidor. Negaram provimento aos apelos das rés e proveram parcialmente o recurso adesivo da autora. (APC n.º 599169224, Décima Nona Câmara Cível, TJRS, Relator Des. Carlos Rafael dos Santos Júnior, Julgado em 19/10/1999).

Por isso, deverão restar os suplicados condenados a ressarcir os danos causados ao suplicante derivados da oferta que o vinculou e à prática de publicidade enganosa, e ainda, do prejuízo causado pela não restituição dos valores pagos reajustados.

Diante do exposto, permite-se o suplicante, na exata forma legal,

REQUERER


Seja apreciado os presentes Memoriais Escritos julgando-se procedente o presente feito restituitório, restando a requerida condenada a restituir as parcelas pagas cumulada com indenização de danos materiais e morais havidos e ainda, cominações legais e honorários advocatícios.

Nestes Termos

Pede Deferimento


............., ....... de .......... de .............


.................
Advogado