Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Contra-razões de apelo contra sentença que abslveu

Petição - Penal - Contra-razões de apelo contra sentença que abslveu


 Total de: 15.244 modelos.

 

CONTRA-RAZÕES - TÓXICOS - APELO CONTRA SENTENÇA QUE ABSOLVEU - ART. 18, IV DA LEI 6368-76

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ____ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE _________

Processo nº _________

Objeto: oferecimento de contra-razões

_________, brasileiro, solteiro, garçom, residente e domiciliado na cidade de _________, pelo Defensor subfirmado, vem, respeitosamente, a presença de Vossa Excelência, no prazo legal, por força do artigo 600 do Código de Processo Penal, ofertar as presentes contra-razões ao recurso de apelação de que fautor o MINISTÉRIO PÚBLICO, propugnando pela manutenção integral da decisão injustamente reprovada pelo ilustre integrante do parquet.

ANTE AO EXPOSTO, REQUER:

I.- Recebimento das inclusas contra-razões, remetendo-se, após os autos à superior instância, para a devida e necessária reapreciação da temática alvo de férreo litígio.

Nesses Termos

Pede Deferimento

_________, ____ de _________ de _____.

DEFENSOR

OAB/

EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO _________

COLENDA CÂMARA JULGADORA

ÍNCLITO RELATOR

CONTRA-RAZÕES AO RECURSO DE APELAÇÃO FORMULADAS POR: _________

Em que pese o brilho das razões expendidas pelo Doutor Promotor de Justiça que subscreve a peça de irresignação estampada à folhas ___ até ___ dos autos, tem-se, que a mesma não deverá vingar em seu desiderato mor, qual seja, o de obter a reforma da sentença que injustamente hostiliza, porquanto o decisum de primeiro grau de jurisdição, - da lavra do intimorato Julgador singelo, DOUTOR ____________ - é impassível de censura, visto que analisou como rara percuciência, proficiência e imparcialidade o conjunto probatório hospedado pela demanda, outorgando o único veredicto possível e factível, uma vez sopesada e aquilatada a prova parida no crisol do contraditório.

Subleva-se o honorável integrante do MINISTÉRIO PÚBLICO, no que concerne ao decreto absolutório emitido pelo ativo sentenciante, bem, como postula, como questão periférica, pelo reconhecimento da causa de aumento de pena, elencada no artigo 18, inciso IV, da Lei Antitóxicos.

Entrementes, o pleito de clave ministerial não deverá prosperar, uma vez que a prova produzida no deambular da instrução processual, adstrita a inquirição de uma única testemunha, in casu, _________ (vide depoimento de folha ______), é de uma inocuidade solar, visto que aludido agente penitenciário, não possui lembrança dos fatos narrados na exordial!

Ora, ante a tal "prova", impossível é emprestar-se agnição a ação penal, a qual fenece e falece, frente a rotunda deficiência probatória hospedada pela demanda, a qual é de tal ordem e magnitude, que assoma intolerável a emissão de um juízo adverso, o qual se vingasse criaria uma situação kafkiana, logo, insustentável, sob o ponto de vista, lógico, axiológico e jurídico.

Ademais, sinale-se, que para referendar-se uma condenação no orbe penal, mister que a autoria e a culpabilidade resultem incontroversas. Contrário senso, a absolvição se impõe por critério de justiça, visto que, o ônus da acusação recai sobre o artífice da peça portal. Não se desincumbindo, a contento, de tal tarefa, marcha, de forma inexorável, a peça esculpida pelo dono da lide à morte.

Nesse norte, veicula-se imperiosa a compilação de jurisprudência autorizada:

"A prova para a condenação deve ser robusta e estreme de dúvidas, visto o Direito Penal não operar com conjecturas" (TACrimSP, ap. 205.507, Rel. GOULART SOBRINHO)

"O Direito Penal não opera com conjecturas ou probabilidades. Sem certeza total e plena da autoria e da culpabilidade, não pode o Juiz criminal proferir condenação" (Ap. 162.055. TACrimSP, Rel. GOULART SOBRINHO)

"Sentença absolutória. Para a condenação do réu a prova há de ser plena e convincente, ao passo que para a absolvição basta a dúvida, consagrando-se o princípio do 'in dubio pro reo', contido no art. 386, VI, do C.P.P" (JUTACRIM, 72:26, Rel. ÁLVARO CURY)

"Sem que exista no processo uma prova esclarecedora da responsabilidade do réu, sua absolvição se impõe, eis que a dúvida autoriza a declaração do non liquet, nos termos do art. 386, VI, do C.P.P" (Ap. 160.097, TACrimSP, Rel. GONÇALVES SOBRINHO).

Registre-se, que, sob o doce império da Carta Magna de 1.988, somente a prova judicializada, ou seja àquela produzida sob o crisol do contraditório é factível de crédito para confortar um juízo de reprovação. Na medida em que a mesma revela-se frágil e impotente para secundar a denúncia, assoma impreterível a absolvição da réu, visto que a incriminação de índole ministerial, remanesceu defendida em prova falsa, sendo inoperante para sedimentar uma condenação, com bem detectado e pinçado, pela sentença, aqui louvada.

Quanto ao segundo ponto esgrimido pelo apelante, de igual sorte, não lhe assiste razão, visto que, a causa especial de aumento de pena estatuída no inciso IV, do artigo 18 da Lei Antitóxicos, somente é aplicável ao delito de tráfico, expungido o delito de estratificado no artigo 16, alusivo ao usuário da droga, denominado pelo vulgo profano de "viciado".

Nesse quadrante fecunda é a jurisprudência, inserta na RT 595:348 e RJTJSP 93:394; 95:430)

No campo doutrinário outro não é o magistério do festejado Professor, DAMÁSIO E. DE JESUS, in, LEI ANTITÓXICOS ANOTADA, São Paulo, 1.999, Saraiva, onde a página 103, obtempera:

"2ª) As causas de aumento de pena do art. 18 só incidem sobre o crime de tráfico do entorpecentes e drogas afins, descartada sua aplicação ao delito do viciado (art. 16). Nesse sentido: TJSP, RT, 558:310, 561:338 e 648:281. NOSSA POSIÇÃO: não obstante a norma se referir-se a todas os delitos, em face do conteúdo do incisos, cremos recair somente sobre o tráfico de drogas, desprezadas as hipóteses dos arts. 15, 16 e 17 desta Lei."

Destarte, a sentença injustamente repreendida pelo dono da lide, deverá ser preservada em sua integralidade, missão, esta, confiada e reservada aos Preclaros e Cultos Desembargadores que compõem essa Augusta Câmara Secular de Justiça.

ISTO POSTO, pugna e vindica o recorrido, seja negado trânsito ao recurso interposto pelo Senhor da ação penal pública incondicionada, mantendo-se intangível a sentença de primeiro grau de jurisdição, pelos seus próprios e judiciosos fundamentos, com o que estar-se-á, realizando, assegurando e perfazendo-se, na gênese do verbo, o primado da mais lídima e genuína JUSTIÇA!

_________, ____ de _________ de _____.

DEFENSOR

OAB/


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
Contra-razões de comutação e coisa julgada formal
Recurso e razões de continuidade delitiva de furto qualificado tentado
Ação penal pública incondicionada por homicídio
Alegações finais de porte de arma
Pedido de progressão da pena
Pedido de abertura de inquérito policial em razão de injúria à proprietária de estabelecimento co
Impetração de habeas corpus, em face de fixação de regime mais repressivo pelo juízo "a quo", em
Revogação de prisão preventiva decorrente de prática de estelionato
Contra-razões de apelação em crime de atentado violento ao pudor
Recurso e razões de furto qualificado (02)
Abertura de inquérito policial por publicação jornalística de calúnia
Pelas provas apresentadas o defensor público requer que o acusado seja submetido a exame-médico l