Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Consumidor Embargos do devedor sob alegação de nulidade de citação e invalidade de penhora, além de excesso de execução

Petição - Consumidor - Embargos do devedor sob alegação de nulidade de citação e invalidade de penhora, além de excesso de execução


 Total de: 15.244 modelos.

 
Embargos do devedor sob alegação de nulidade de citação e invalidade de penhora, além de excesso de execução.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE .....

...., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

EMBARGOS DO DEVEDOR

em face de

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

PRELIMINARMENTE

DA NULIDADE DE CITAÇÃO

Necessário frisar que o meio utilizado para a citação da Embargante foi inadequado, visto que, ao ser citada por via postal e ter esta sido entregue ao porteiro do prédio onde mora, somente tomou ciência muitos dias após a sua entrega, não havendo mais prazo para o oferecimento de embargos.

Porém, de acordo com a Ementa 97 das Turmas Recursais dos Juizados Especiais Cíveis tal citação não procede, devendo ser considerada portando nula, senão vejamos:

EMENTA 97:

Citação Postal. Juizados Especiais. Pessoa Física. A citação por correspondência só é valida quando positivo o aviso de recebimento em mão própria. Nulidade de citação reconhecida para anular o processo. (Acórdão da 1ª Turma Recursal. Recurso n° 1593-4. Rel. Juiz Antônio César Figueira).

Assim, deverá ser considerada nula a citação e todos os atos posteriormente praticados.

DO MÉRITO

1. DA IMPOSSIBILIDADE DE PENHORA SOBRE BENS DE TERCEIROS:

Ressalta-se ser ilegal a penhora que recaia sobre bens de terceiros, porque é pressuposto da execução a responsabilidade executiva do sujeito passivo, senão vejamos:

"Bens de ninguém respondem por obrigações de terceiro, se o proprietário estiver inteiramente desvinculado do caso do ponto de vista jurídico" (Alcides de Mendonça Lima, in Comentários ao Código de Processo Civil, v. VI, tomo II, n.º 1.041, p. 471).

Cumpre esclarecer que o Sr. Oficial de Justiça ao constatar que a embargante não possuía bens penhorou o que se encontrava na residência de sua mãe: um aparelho de televisão........... Sublime-se que não é possível executar bens de terceiro sem vinculá-lo à relação processual, o que se dá mediante regular citação, já que ninguém pode ser privado de seus bens sem a observância do devido processo legal e sem que lhe sejam assegurados o contraditório e os meios ordinários de defesa em juízo, conforme o art. 5.º, LIV e LV da Constituição Federal (Humberto Theodoro Júnior, in Curso de Direito Processual Civil, vol. II, p. 50).

2. DO EXCESSO DE EXECUÇÃO:

Outrossim, há um evidente excesso de execução. O acordado entre as partes, conforme sentença homologada em 1 de abril de 1998, de fls. , foi que a Embargante efetuaria o pagamento das despesas referentes ao dia 12 de agosto de 1997 em diante, "exceto as parcelas referentes a atrasos de contas anteriores".

Ocorre porém, que conforme se verifica, houve a cobrança dessas multas por parte do Embargado, tendo por conseqüência a penhora excessiva.

3. DA IMPENHORABILIDADE DOS BENS:

Observe-se o não cumprimento do disposto no art. 648 do Código de Processo Civil que determina que os bens considerados por lei como impenhoráveis ou inalienáveis não estarão sujeitos à execução.

Ademais, a Lei n.º 8.009/90 dispõe sobre a impenhorabilidade do bem de família, in verbis:

Art. 1º. Parágrafo único:

"A impenhorabilidade compreende o imóvel sobre o qual assentam a construção, as plantações, as benfeitorias de qualquer natureza e todos os equipamentos, inclusive os de uso profissional, ou móveis que guarnecem a casa, desde que quitados".

Art. 2º.:

"Excluem da impenhorabilidade os veículos de transporte, obras de arte e adornos suntuosos."

Não resta dúvida de que a utilização do bem objeto da penhora é indispensável à vida moderna, sendo certo que se encontra excluído do rol previsto no artigo 2º. da supracitada lei.

Com efeito, a inobservância da exclusão dos bens previstos na Lei n.º 8.009/90, implica em ato nulo de pleno direito, podendo ser declarado em qualquer fase processual e até mesmo ex officio. A corroborar com o exposto destacam-se as seguintes decisões:

"Rec. Esp. n.º 128.061-SP (Reg. 97/0026390-8)

Rel. Sr. Min. Hélio Mosimann

EMENTA

Execução Fiscal. Penhora. Lei 8.009/90. Bens Móveis que guarnecem a residência modesta do executado.
Impenhorabilidade.

Pela aplicação das disposições contidas na Lei n.º 8.009/90, os bens móveis que guarnecem a residência modesta do executado e sua família, tais como o freezer, televisão, aparelho de som e armários, tornam-se impenhoráveis, o que ocorre da mesma forma, em relação ao imóvel destinado à entidade familiar".

"Rec. Esp. n.º 68.213-SP (Reg. 95/304384)

Rel. Sr. Min. Ruy de Aguiar

EMENTA

Execução. Penhora. Aparelho de som. Aparelho de TV ainda que a cores e de som são impenhoráveis.

Recurso conhecido, pela divergência, mas improvido".

DOS PEDIDOS

Destarte, tendo em vista a nulidade da penhora, vício que priva o processo de toda e qualquer eficácia e da intenção da embargante em cumprir com suas obrigações, desde que dentro do que foi acordado em sentença, requer a V. Exa.:

a) que faça cessar a constrição sobre os bens penhorados, restituindo as partes ao estado anterior à penhora impugnada,

b) a citação do réu (exeqüente), para que, querendo ofereça resposta, sob pena de revelia;

c) que seja o réu condenado ao ônus da sucumbência, sendo que a verba honorária devida seja revertida para o Centro de Estudos da Defensoria Pública Geral do Estado, nos termos da Lei Estadual n.º 1.146/87, mediante depósito na conta n.º ............., em qualquer agência do .........., contendo na guia de depósito o número do processo, Juizado e Comarca.

Dá-se à causa o valor de R$ .....

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Consumidor
Medida cautelar inominada, em face de cobrança de valores por parte de instituição bancária sem a
Pedido de restituição de valores, cumulado com nulidade de cláusula contratual de perda de parcel
Embargos à execução alegando nulidade de cláusula de contrato celebrado com instituição financeir
Apresentação de contra-razões de apelação pelo PROCON
Embargos de declaração para fins de pré-questionamento (01)
Defesa administrativa junto ao Procon
Alienação fiduciária de busca e apreensão de bem deixado na qualidade de depositário
Requerimento para retirada de nome de cadastro de inadimplentes
Ação de cobrança de tratamento médico
Contestação em ação revisional de contrato cumulada com repetição de indébito, compensação, quita
Interposição de ação em face de reajustamento abusivo de valores pagos para financiamento da casa
Alegações finais, em que o autor pugna pela condenação da ré ao pagamento de indenização por extr