Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Consumidor Apelação em mandado de segurança, ante corte de energia elétrica por suspensão de medida liminar

Petição - Consumidor - Apelação em mandado de segurança, ante corte de energia elétrica por suspensão de medida liminar


 Total de: 15.244 modelos.

 
Apelação em mandado de segurança, ante corte de energia elétrica por suspensão de medida liminar.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

AUTOS Nº .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente, nos autos em que colide com ....., à presença de Vossa Excelência apresentar

APELAÇÃO

Da r. sentença de fls ....., nos termos que seguem.

Requerendo, para tanto, que o recurso seja recebido no duplo efeito, determinando-se a sua remessa ao Egrégio Tribunal de Justiça do estado de ...., para que dela conheça e profira nova decisão.

Junta comprovação de pagamento de custas recursais.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ....

ORIGEM: Autos sob n.º .... - ....ª Vara Cível da Comarca de ....
Apelante: ....
Apelados: .... e outros

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente, nos autos em que colide com ....., à presença de Vossa Excelência apresentar

APELAÇÃO

pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

RAZÕES DE APELAÇÃO

Colenda Corte
Eméritos julgadores

DOS FATOS

A Dra. Juíza "a quo" equivocadamente, ao sentenciar o feito, denegou a segurança ordem, revogando, assim, a liminar concedida inicialmente, supondo que "no conflito de interesses individuais e coletivos, o boa exegese determina que se dê prioridade ao interesse público, embora os direitos sejam da mesma grandeza, prevalece sempre o segundo"; "Em segundo lugar a justiça da prestação pecuniária em contrapartida ao serviço prestado, e a injustiça do inadimplente perante uma comunidade inteira de adimplentes, fazendo com que esses corram o risco de perder o serviço ouvir a tê-lo sem a mesma qualidade, face a diminuição na captação do dinheiro"; Por último "a qualidade do serviço está ligado ao fato da empresa concessionária oferecer diuturnamente e sem interrupção, energização a toda uma universilidade de cidadãos, os quais, em contrapartida, devem efetuar o pagamento dos KWh, consumidos. A legislação que prevê o corte de energia elétrica diz que o consumidor deve ser comunicado previamente do corte, e, razão do inadimplemento, fato ocorrido e demonstrado documentalmente nos presentes autos" (fls. 07).

Mas não é assim. Trata-se de ferimento a direito líquido e certo da apelante. O abusivo e ilegal corte no fornecimento de água decorreu de momentânea impossibilidade financeira, privando o apelante e seus familiares de serviço essencial à vida, e o direito à vida estarantido na Constituição da República.

A sentença merece reforma, como se verá a seguir.

A Dra. Juíza "a quo" via corretamente o tema: "Vinha, até então, deferindo pedido de liminares em remédio heróico, no sentido de determinar a religação de luz e água nas residências de usuários inadimplentes, e como fundamento, entendia que o serviço não poderia ser interrompido por ser essencial e de prestação contínua, como determina o CDC."

Só pode ser assim: trata-se de serviço essencial e prestação contínua, não havendo possibilidade de interrupção por falta de pagamento.

Ora, não há dúvida quanto ao fato de o interesse público prevalecer em detrimento do interesse individual. Não se pode, entretanto, extinguir o direito à prestação de um serviço essencial, como o fornecimento de água sob a tese da prevalência do interesse da coletividade.

É, portanto, um direito do consumidor receber os serviços públicos essenciais. O Estado deve produzir tais serviços porque a lei assim determina. O serviço de luz é essencial e indispensável à própria manutenção da vida digna, não sendo possível prescindir dela.

O fundamento da "justiça da prestação pecuniária em contrapartida ao serviço prestado, e a injustiça do inadimplente perante uma comunidade inteira de adimplentes, fazendo com que esses corram o risco de perder o serviço ou vir o tê-lo sem a mesma qualidade, face a diminuição da captação em dinheiro" é facilmente rebatido . Existem outros meios leais para a Companhia buscar o adimplemento do débito, e o corte não passa de uma afronta aos limites da legalidade.

As políticas públicas de favorecimento aos desprivilegiados, referidas na sentença da juíza "a quo", como tarifa social reduzida, torneiras públicas e carência de pagamento por determinado tempo não legalizam a suspensão do fornecimento de serviços essenciais.

A alegação final de que "a continuidade do serviço está ligada ao fato da empresa concessionária oferecer diuturnamente e sem interrupção, água e esgoto, a toda uma universalidade de cidadãos, os quais, em contrapartida devem efetuar o pagamento do volume consumido" não condiz com as reais características dos serviços públicos essenciais.

DO DIREITO

Celso Antônio Bandeira de Mello sustenta alguns princípios do Direito Público reportados notadamente ao serviço público: "(I) inescusável dever do Estado de prestá-lo ou promover-lhe o prestação, sob pena de responsabilidade perante os administrados; (2) adaptabilidade - atualização e modernização; (3) universalidade - generalidade do público; (4) impessoalidade - inadmissibilidade de discriminações entre os usuários; (5) continuidade - impossibilidade de interrupção e o pleno direito dos administrados a que não seja suspenso ou interrompido; (6) modicidade das tarifas";

O Superior Tribunal de Justiça também já proclamou a impossibilidade do corte: "o serviço público é subordinado ao princípio da continuidade, sendo impossível a sua interrupção e muito menos por atraso no seu pagamento".

"Agravo regimental contra liminar que determinou a empresa concessionária à continuação da prestação de serviços de fornecimento de energia elétrica. Consumidor, in casu, o município repassa a energia recebida aos usuários de serviços essenciais.

Consoante jurisprudência iterativa do E. STJ. a energia é um bem essencial à população, constituindo-se serviço público indispensável, subordinado ao princípio da continuidade de sua prestação, pelo que se torna impossível a sua interrupção.

O corte de energia, como forma de compelir o usuário ao pagamento de tarifa ou multa, extrapola os limites do legalidade, uma vez que o direito de o cidadão se utilizar dos serviços públicos essenciais para a sua vida em sociedade deve ser interpretado com vistas a beneficiar a quem deles se utiliza.

O corte de energia autorizado pelo CDC e legislação pertinente é previsto uti singuli, vale dizer, da concessionária versus o consumidor isolado e inadimplente; previsão inextensível à administração pública por força do princípio da continuidade, derivado do cânone maior do supremacia do interesse público.

A mesma razão inspira a interpretação das normas administrativas em prol da administração, mercê de impedir, no contrato administrativo a alegação do exceptio inadimpleti contractus para paralisar serviços essenciais, aliás, inalcançáveis até mesmo pelo consagrado direito constitucional de greve.

A sustação do fornecimento previsto nas regras invocados pressupõe inadimplemento absoluto, fato que não se verifica quando as partes reconhecem relações de débito e crédito, recíprocas e controversas, submetidas à apreciação jurisdicional em ação ordinária travada entre agravante e agravado.

O corte de energia em face do município e de suas repartições atinge serviços públicos essenciais, gerando expressiva situação de periclitação para o direito dos municípios. Liminar obstativa da interrupção de serviços essenciais que por si só denota da sua justeza.

Decisão interlocutória gravosa cuja retenção do recurso pode gerar situações drásticas de periculum in mora para a coletividade local. Agravo desprovido." (AGRMC 3982, Ministro Luiz Fux, STJ, DJU 25.03.2002, p. 177).

Aqui no Paraná a 3°. Câmara Cível do Tribunal de Justiça, em acórdão relatado pelo Des. Abrahão Miguel (Apelação Cível e Reexame Necessário no 23523600, j. 10/02/98), definiu assim:
"Mandado de Segurança - interrupção do fornecimento de água por falta de pagamento - segurança concedida.

A Companhia de Saneamento deve cobrar as contas de água e esgoto pelas vias judiciais próprias. Sentença correta. Recurso voluntário improvido. Não conhecimento do reexame necessário".

Está inequivocamente comprovada a ilegalidade da suspensão do fornecimento dos serviços públicos essenciais aos usuários inadimplentes.

A interrupção no fornecimento dos serviços essenciais aos usuários pela ausência de pagamento da tarifa enseja, inclusive, direito à indenização, conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça: "Administrativo. Direito do consumidor. Ação de indenização. Ausência de pagamento de tarifa de energia elétrica. Interrupção do fornecimento. Corte. Impossivilidade. Arts 22 e 42, do lei n° 8.078/90 (código de proteção e defesa do consumidor).

Recurso Especial interposto contra Acórdão que entendeu não ser cabível indenização em perdas e danos por corte de energia elétrica quando a concessionária se utiliza de seu direito de interromper o fornecimento a consumidor em débito. O corte de energia como forma de compelir o usuário ao pagamento de tarifa ou multa, extrapola os limites da legalidade.

Não resulta em se reconhecer como legítimo o ato administrativo praticado pela empresa concessionária fornecedora de energia e consistente no interrupção do fornecimento da mesma, em face de ausência de pagamento de fatura vencida.

A energia é, na atualidade, um bem essencial à população, constituindo-se serviço público indispensável, subordinado ao princípio do continuidade de sua prestação, pelo que se torna impossível a sua interrupção.

O art. 22, do Código de Proteção e Defesa do Consumidor, assevera que "os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos". O seu parágrafo único expõe que nos casos de descumprimento, total ou parcial, das obrigações referidas neste artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a cumpri-Ias e a reparar os danos causados na forma prevista neste código". Já o art. 42, do mesmo diploma legal, não permite, na cobrança de débitos, que o devedor seja exposto ao ridículo, nem que seja submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça. Os referidos dispositivos legais aplicam-se às empresas concessionárias de serviço público.

Não há de se prestigiar atuação da Justiça privada no Brasil, especialmente, quando exercida por credor econômica e financeiramente mais forte, em largas proporções, do que o devedor. Afronta, se assim fosse admitido, os princípios constitucionais da inocência presumida e da ampla defesa.

O direito do cidadão de se utilizar dos serviços públicos essenciais para a sua vida em sociedade deve ser interpretado com vistas o beneficiar o quem deles se utiliza.

É devida indenização pelos constrangimentos sofridos com a suspensão no fornecimento de energia elétrica.

"Recurso Especial provido para determinar o retorno dos autos ao Juízo de origem a fim de que, e nada mais, o MM. Juiz aprecie a questão do quantum a ser indenizado". (RESP 430812/MG, Ministro José Delgado, STJ, DJU 23.09.2002, p. 277).

DOS PEDIDOS

Do exposto, requer a prolação de acórdão que casse a sentença recorrida, para que seja novamente disponibilizado o serviço de energia elétrica na residência da apelante, tudo por ser de Direito e da mais inteira Justiça.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Consumidor
Pedido de apresentação de documento em posse do requerido
Dano material por extravio de bagagem
Ação contra delimitação de prazo para utilização de créditos em celular pré-pago
Ação cautelar de sustação de protesto para retirada de nome de cadastro de inadimplentes
Contra-razões de apelação, em que se reitera a prática de anatocismo por parte de banco
Ação de indenização onde o autor alega ter comprado comida estragada,onde à ré se recusou a devol
Acórdão omisso de juros legais
Pedido de indenização por danos morais
Devolução de valores de previdência privada
Alegações finais pelo réu, sob alegação de cobrança indevida
Ação de adjudicação compulsória para entrega de escritura definitiva por parte de construtora
Embargos de declaração para fins de pré-questionamento (02)