Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Ambiental Defesa administrativa contra auto de infração ambiental (02)

Petição - Ambiental - Defesa administrativa contra auto de infração ambiental (02)


 Total de: 15.244 modelos.

 
Defesa administrativa contra auto de infração ambiental, lavrado sob o fundamento de queimada de vegetação.

 

ILUSTRÍSSIMO SENHOR DIRETOR PRESIDENTE DO IAP - INSTITUTO AMBIENTAL DO .........., EM ..........

AUTO DE INFRAÇÃO N.º ..........

............., brasileiro, casado, portador da Carteira de Identidade n.º ............ e inscrito no CPF/MF sob n.º ..........., residente e domiciliado na rua ............., n.º ........., .............., nesta Capital, por intermédio de seu procurador abaixo assinado, ............., brasileiro, casado, advogado regularmente inscrito na OAB-..... sob n.º ............., com escritório na rua ............., n.º ........, nesta Capital, onde recebe intimações e notificações, inconformado com os fundamentos que motivaram a lavratura do auto em exame, vem com o devido respeito e acatamento diante de Vossa Senhoria, com fundamento no artigo 5º, LV da Constituição Federal, artigo 71, I da Lei n.º 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, bem como nos demais dispositivos legais aplicáveis à espécie, apresentar

DEFESA ADMINISTRATIVA

passando a expender, para tanto, as seguintes razões de fato e de direito:

1. Dos Fatos:

Há cerca de ....... anos explora-se a cultura da erva-mate nativa na região da Fazenda ......, em ......., ......., atualmente imóvel de propriedade do autuado.

Este, de seu lado, vinha beneficiando-se da referida cultura por cerca de .......... anos, sendo que há aproximadamente ........ anos deixou de promover os necessários tratos culturais que a erva-mate nativa existente na região reclamava, diante da pouca produtividade da mesma. Desta sorte, passou a nascer no local a vegetação conhecida por "samambaia".

Com a chegada do inverno e a ocorrência do fenômeno da geada, a grande quantidade de "samambaias" acabou por secar, tornando-se as mesmas altamente inflamáveis.

Tratando-se de uma fazenda é comum, como sabido, a possibilidade de pessoas estranhas adentrarem na área - sem o conhecimento do proprietário - para colher pinhão ou outro tipo de produto. Por certo que numa ocasião como essas, alguém invadiu a Fazenda do autuado e, ao tentar acender uma fogueira, o fogo acabou por alastrar-se acidentalmente sobre as "samambaias" ressecadas, queimando toda a extensão de vegetação mencionada no auto de infração em exame.

Note-se que o autuado não contribuiu com qualquer parcela de culpa, pois simplesmente deixou de manter os tratos culturais na região, já que não mais lhe interessava economicamente (exploração de erva-mate).

Por desconhecer a legislação ambiental, neste particular, e temeroso pela possível invasão de "sem terras" que ocupam propriedades vizinhas (pois os mesmos poderiam entender que o local estava abandonado), o autuado inadvertida e desautorizadamente efetuou a "destoca" da área.

Na seqüência, o Fiscal acabou por lavrar auto de infração, impondo-lhe uma multa de R$ ..........., seguido da suspensão do desbaste da vegetação nativa, da interdição da utilização da área suprimida para fins agropastoris (Termo de Embargo n.º ........), bem como da apreensão de .......m3 de material lenhoso (Termo de Apreensão e Depósito n.º ....).

A penalidade imposta não pode persistir, senão veja-se:

2. Do Direito:

2.1 Improcedência do auto de infração

O Fiscal enquadrou a conduta do autuado no artigo 70 da Lei Federal n.º 9.605/98. Para melhor análise, cumpre transcrever o dispositivo:

"Art. 70. Considera-se infração administrativa ambiental toda a ação ou omissão que viole as regras jurídicas de uso, gozo, promoção, proteção e recuperação do meio ambiente."

Ainda constou como norma aplicável ao caso o artigo 38 do Decreto Federal n.º 3.179/99, o qual tipifica como infração à Flora "Explorar área de reserva legal, florestas e formação sucessoras de origem nativa, tanto de domínio público, quando de domínio privado, sem aprovação prévia do órgão ambiental competente, bem como da adoção de técnicas de condução.".

Ora, da simples análise dos dispositivos legais acima, não se vislumbra qualquer ilícito perpetrado pelo autuado. De fato, o mesmo está autorizado a usar as terras objeto do auto de infração, bem como a explorá-la, como se extrai da Cláusula II do Contrato de Arrendamento registrado sob o n.º ....., às margens da matrícula ........, e sob o n.º ....., junto a matrícula ....., ambas do Cartório de Registro de Imóveis da Comarca de ........., em anexo.

Nesta disposição contratual, o autuado - na qualidade de ARRENDATÁRIO da empresa ..........., proprietária das terras -, encontra-se autorizado a explorar a "atividade agrícola e pecuária da área arrendada, no que for de interesse do ARRENDATÁRIO, compatível com o local e na proporção que achar conveniente." E, na Cláusula VIII, alínea "b" do mesmo instrumento, está clara a possibilidade do autuado "proceder a destoca".

Portanto, se o mesmo praticou o ato descrito no Campo .... do auto de infração ("supressão de ......... de vegetação em estágio médio"), certamente o fez em locais permitidos (vide Planta do imóvel, anexa à defesa apresentada no Auto de Infração n.º ..........), nos termos do contrato citado, não havendo qualquer violação das regras de uso e de proteção de reserva legal. De conseqüência, não se afigura justo e tampouco jurídico a imposição das penalidades constantes do auto de infração.

Note-se que o autuado, ciente de sua obrigação de conservação e proteção do meio ambiente (através da preservação das formações de origem nativa, por exemplo), ainda assumiu em ........ de ......... de ........, a responsabilidade pelo cumprimento do " ......... ", seguindo orientação da Delegacia Estadual do IBDF no Estado do ......... (vide as averbações lançadas nas inclusas cópias das matrículas que compõem a Fazenda ..........).

Este fato, convenhamos, demonstra a sua intenção inequívoca de respeitar as regras que orientam a legislação ambiental. Em outras palavras, não iria o mesmo assumir tal compromisso e, após, deliberadamente, atentar contra o patrimônio que ele próprio comprometeu-se em tutelar!

Ademais, como frisado no item n.º ....., acima, o autuado apenas deixou de promover os necessários tratos culturais em relação à erva-mate nativa existente na região afetada, diante da pouca produtividade da mesma, ensejando o nascimento da vegetação conhecida por "samambaia". Esta, ressecada pelas geadas ocorridas no início do inverno, tornaram-se material de fácil combustão, propiciando a queimada da área mencionada no auto de infração em exame. Portanto, da verificação deste fato acidental, não se pode atribuir ao mesmo qualquer atitude culposa, quanto mais dolosa.

Na seqüência, a "destoca" por ele promovida deveu-se, entre outras razões, ao temor de possível invasão de "sem terras" que ocupam propriedades vizinhas (pois os mesmos poderiam entender que o local estava abandonado). Daí a imputar-lhe a condição de autor de crime ambiental, convenhamos, vai uma distância muito grande.

Não fosse isso, o § 3º, do artigo 72 da Lei n.º 9.605/98, traça importante regra para o caso em debate. Eis o teor da norma:

"§ 3º A multa simples será aplicada sempre que o agente, por negligência ou dolo:
I - advertido por irregularidades que tenham sido praticadas, deixar de saná-las, no prazo assinalado por órgão competente do SISNAMA ou pela Capitania dos Portos, do Ministério da Marinha;
II - opuser embaraço à fiscalização dos órgãos do SISNAMA ou da Capitania dos Portos, Ministério da Marinha.".

Ora, o autuado não se enquadra em qualquer das hipóteses dos dois incisos do dispositivo citado, as quais aparecem como condição para que seja possível a aplicação da pena de multa. Com efeito, jamais foi advertido, seja pelo SISNAMA, seja pela Capitania dos Portos, com vistas a sanar eventual irregularidade, bem como nunca criou qualquer embaraço à fiscalização desses órgãos. E nem poderia, diga-se, pois não consta do auto de infração que o mesmo tenha se recusado a assinar qualquer documento, ou a permitir a entrada do fiscal em sua Fazenda.

Diante dessas considerações, é de se julgar improcedente a lavratura do Auto de Infração n.º ..........., excluindo a imposição de multa ao autuado.

2.2 Substituição ou redução da pena de multa

Ultrapassadas as razões acima, o que se admite somente para argumentar, é de se substituir a pena aplicada, ou ainda de reduzi-la, na forma abaixo.
Nos termos de previsão legal (§ 4º, do artigo 72 da Lei n.º 9.605/98), a sanção de multa simples - aplicada no caso em tela -, poderá ser substituída por prestação de "serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente". E, não contanto o autuado com antecedentes, parece inegável a possibilidade de se efetuar esta conversão legal.

Para demonstrar a sua boa-fé, o autuado compromete-se, inclusive, a promover o plantio de espécies nativas em áreas vizinhas à afetada, em quantidade igual à em questão, sob a orientação de técnicos especializados do IAP ou da Secretaria Estadual do Meio Ambiente.

Entretanto, não sendo do entendimento de Vossa Senhoria em substituir a pena de multa, há ainda que se considerar a disposição do artigo 72, caput, da Lei n.º 9.605/98: "As infrações administrativas são punidas com as seguintes sanções, observado o disposto no art. 6º" (grifos nossos). Por sua vez, o artigo 6º do mesmo Diploma Legal, impõe à autoridade competente quando da imposição e gradação da penalidade, a consideração dos "antecedentes do infrator quanto ao cumprimento da legislação de interesse ambiental" (inciso II).

Portanto, se o autuado assumiu, em .........., a responsabilidade pelo cumprimento do "Plano de Manejo Sustentado", conforme dito acima, e jamais contou com qualquer registro de prática de crime ambiental, não há razão para, nos termos do artigo acima citado, ser rejeitada a redução da penalidade imposta ao mesmo.

Diante do até aqui exposto é a presente para requerer:

a) seja julgada improcedente a lavratura do Auto de Infração n.º ........., a fim de excluir a imposição da multa de R$ .............. ao autuado;
b) em caráter sucessivo ao pedido acima, a substituição da sanção de multa por prestação de serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente, sendo que o autuado compromete-se a promover o plantio de espécies nativas em áreas vizinhas à afetada, em quantidade igual à em questão, sob a orientação de técnicos especializados do IAP ou da Secretaria Estadual do Meio Ambiente;
c) caso não atendidos os pedidos acima, o que não se espera, a redução da multa constante do auto de infração ao patamar de 10% (dez por cento);
d) em qualquer dos casos, seja liberada a área objeto do embargo (Termo n.º ........) para fins agrossilvo-pastoris;

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Ambiental
Crime de desobediência por poluição sonora
Ação civil pública para proibição de instalação de aterro sanitário e industrial em Município
Pedido de suspensão da execução, em razão de ausência de bens penhoráveis por parte do réu
Denúncia pelo crime de transporte ilegal de madeira da mata nativa
Ação civil pública com liminar de dano à biodiversidade
Agravo de instrumento dano ao meio ambiente
Dano ambiental de contaminação de água para abastecimento doméstico
Ação civil pública em face de poda e extração irregular de árvores
Ação Civil pública de devastação ambiental
Ação civil pública devido a danos causados ao meio ambiente
Ação civil pública, objetivando impedir construção de prédio, face à desobediência ao plano de ur
Ação civil pública referente à construção de oficina de conserto de máquinas e depósito de destro