Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Carro / Veículo - Comprar carro em leilão pode ser um ‘mico’ 

Data: 30/05/2007

 
 

Comprar carro em leilão pode ser um ‘mico’
 

A possibilidade de comprar um carro por preço inferior ao de mercado tem levado muitos consumidores aos leilões de salvados realizados por seguradoras. Mas o que a grande maioria não sabe é que pode acabar com o “mico” na mão.

Quem melhor pode falar sobre isso é Daniele Lima de Brito. Por duas vezes, ela tentou revender o carro comprado em um leilão da Porto Seguro, mas teve de aceitá-lo de volta. “Adquiri o carro batido, mandei arrumar, mas nenhuma seguradora concordou em segurá-lo, nem mesmo a própria Porto Seguro. Àqueles a quem o vendi também não conseguiram fechar contrato de seguro e me devolveram o carro”, conta.

Conforme explica Sônia Marcelino, advogada e corretora de seguros, todos os carros vendidos em leilão são resultados de sinistros: ou sofreram colisão com perda total ou foram recuperados de roubos/furtos. “Os roubados/furtados não costumam dar dor de cabeça ao novo proprietário. Os batidos, porém, “viram carros condenados”, resume. Na opinião dela, as seguradoras não deveriam vender carros que tiveram perda total. “Se vendem teriam, no mínimo, de informar ao comprador, no ato do leilão, que o seguro pode ser recusado.”

Júlio Melo, gerente do Serviço de Atendimento ao Cliente da Porto Seguro, garante que é possível, sim, segurar veículos comprados em leilão. Entretanto, é preciso que ele esteja com toda a documentação em ordem e seja aprovado na vistoria prévia para a aceitação do risco, “quando é avaliado se os reparos foram feitos com a qualidade necessária”. No caso de Daniele, Melo diz que, na vistoria prévia, foram constatadas avarias que tornavam impossível a aceitação do risco. “Por isso, o carro não foi segurado.”

Para Frederico da Costa Carvalho Neto, advogado especialista em consumo, “o consumidor deve ser informado, ao fazer a compra em leilão, de todos os problemas do carro e, até, a possibilidade de recusa do seguro. “Se alguma informação for omitida, a seguradora pode ser responsabilizada, pois um carro sem condições de circular com segurança não pode ser vendido”, opina.

“Uma vez vendido”, justifica Júlio Melo, “a qualidade do reparo é de responsabilidade do consumidor”. Segundo ele, consta do Edital de Leilão de Veículos Salvados da Porto Seguro que os veículos são “vendidos no estado em que se encontram, portanto, é de pleno conhecimento do consumidor”, explica.

Se, mesmo sabendo desses detalhes, o consumidor optar por comprar carro em leilão de salvados, a advogado Sônia Marcelino recomenda que o interessado procure um corretor de seguros para avaliá-lo, pois eles já sabem que tipo de carro costuma ter o seguro recusado. E alerta: “Na dúvida, é melhor nem comprar.”

Perda total não é razão de recusa
Além da Porto Seguro, Sul América e Marítima também não consideram, por princípio, que a perda total é razão para a recusa de seguro. “Fazemos uma vistoria criteriosa no veículo antes de aceitarmos ou recusarmos o seguro”, explica José Carlos de Oliveira, diretor do Ramo Autos da Marítima. “Se o carro passar pela vistoria e estiver com o laudo de inspeção veicular do Detran aprovado, o seguro é aceito”, diz.

A Sul América aceita seguro de carros que tenham sofrido colisões fortes somente mediante um laudo feito por organismos de inspeção credenciados ao Inmetro. “O documento é importante porque certifica a capacidade de circulação do veículo”, explica Paulo Umeki, diretor-técnico de automóveis da Sul América. O laudo, segundo a Assessoria de Imprensa do Inmetro, é de responsabilidade do comprador e custa em torno de R$ 60.

Já a Real Seguros só aceita segurar veículos salvados se eles foram vendidos por ela, conforme explica o diretor de Automóveis da seguradora Walter Pereira, e após a realização de vistoria. “Vamos verificar se o reparo foi bem-feito e se ele oferece segurança”, afirma. Todos os carros vendidos em leilão pela Real podem ficar em boas condições de uso após o reparo, informa Pereira. “Se não houver essa possibilidade, o carro nem é vendido.”

A Bradesco Seguros também não oferece nenhuma restrição aos veículos provenientes de leilão, “desde que sejam aprovados pela vistoria prévia a que todos os seguros novos são submetidos”, ressalta André Boudon, da Assessoria de Comunicação da seguradora.


 

Antes de dar o lance, saiba que:
  • No leilão, a seguradora deve fornecer todas as informações sobre os defeitos do veículo;
  • As seguradoras fazem vistoria prévia nos carros batidos. Se o reparo não for bem-feito, o seguro pode ser recusado;
  • Carros recuperados de roubo ou furto não costumam enfrentar restrições para o seguro;
  • Algumas seguradoras só aceitam segurar carros que tenham sofrido colisões fortes mediante um laudo de organismos de inspeção credenciadas ao Inmetro. O documento é de responsabilidade do comprador .
  • O reparo de carros batidos é de responsabilidade do consumidor. Por isso, é importante que seja feito em oficina de confiança;


  •  


     
    Referência: -
    Aprenda mais !!!
    Abaixo colocamos mais algumas dicas :

    Assunto:Perguntas:
    Modelos de documentosDirigindo-se às autoridades: Representação
    Cartão de créditoSaque com cartão de crédito: facilidade aparente que custa muito caro!
    FilhosCom limite de gastos, cartão adicional para os filhos é uma ferramenta de educação financeira
    SegurançaRecebeu restituição do Leão? Veja dicas de segurança para os trâmites online
    Carreira / EmpregoEloqüência na Gestão de Carreira
    Impostos / TributosLinks e telefones
    Defenda-sePropaganda: Você sabe mesmo o que é publicidade enganosa e abusiva?
    Negócios / EmpreendedorismoFidelização: 12 ações para convencer o cliente a voltar
    Modelos de documentosContrato - Prestação de Serviços Técnicos de Prof. Autônomo prazo indeterminado
    ConsumidorFalta dos preços de produtos em vitrines dificulta compras do consumidor