Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Ações / Bolsa de Valores - Erros: Conheça os cinco erros mais comuns de quem começa a investir em ações 

Data: 30/05/2007

 
 

Mais do que nunca, 2006 tem se mostrado um ano muito favorável para o mercado de ações. Recordes de pontuação, forte fluxo de capital estrangeiro e entrada de novas empresas na Bolsa são apenas alguns dos fatores que tem chamado a atenção dos investidores, entre eles aqueles que nunca investiram ou estão apenas começando neste mercado.

A combinação destes fatores com taxas de juros em queda, reduzindo a rentabilidade das aplicações de renda fixa que boa parte dos brasileiros está acostumada, se mostra um forte atrativo para investimentos neste mercado. Mas será que aplicar em ações não requer um cuidado especial?

Embora muitos dos mitos que cercam o mercado de ações não sejam verdadeiros, o investimento em renda variável certamente traz riscos maiores do que a renda fixa. Qualquer erro de estratégia de investimento pode ter um impacto muito maior sobre a rentabilidade da aplicação. E muitos investidores iniciantes cometem erros que poderiam ser evitados.

Erro 1: comprando caro
A percepção correta dos riscos que existem no mercado de ações talvez seja o erro mais comum que iniciantes cometem. São em momentos de alta que a Bolsa ganha destaque, aparecendo como uma alternativa vantajosa de investimentos. É nesta hora, quando quem já está no mercado há mais tempo já acumula ganhos, que a tentação de "participar da festa" é maior para quem ainda não aplicou.

Portanto, mesmo que inconscientemente, muitos novatos se aventuram no mercado de ações exatamente quando o mercado acumula ganhos significativos. Embora a possibilidade de novos ganhos sempre exista, a probabilidade de uma correção também aumenta.

O grande segredo para ganhar na Bolsa, da mesma forma do que em praticamente todos os negócios, é óbvio: comprar barato e vender caro. Portanto, quem já compra caro pode estar correndo riscos maiores de não atingir seus objetivos de rentabilidade.

Erro 2: postura emocional
Investir em bolsa implica em ter sangue frio suficiente para ver o preço de suas ações cair e não tomar nenhuma atitude impensada. Existem muitos casos em que correções de curto prazo ocorrem, porém os fundamentos de longo prazo seguem inalterados. Um investidor mais experiente normalmente sabe avaliar esta situação, tomando a decisão correta.

Porém, muitos dos que começam não têm este preparo. Afinal, não é fácil ver que, digamos, 10% do valor que foi tão difícil de economizar possa simplesmente ter "evaporado" em um curto período de tempo. Será que as perdas vão aumentar? Para muitos, é mais fácil vender sem pensar, o que pode certamente trazer a este investidor uma percepção incorreta sobre o mercado de ações.

Erro 3: analisar rentabilidade passada
Acreditar que o bom desempenho recente da Bolsa "garante" uma rentabilidade atrativa no futuro. Este é outro equívoco comum de muitos iniciantes no mercado de ações. O investimento em renda variável, como o nome indica, é sujeito a altos e baixos e, portanto, não se pode tentar prever o futuro da Bovespa olhando para os últimos meses.

No mercado de ações, as cotações são definidas não por eventos passados, mas sim pelas perspectivas que o mercado tem do futuro. Assim, não importa quão brilhante o passado de uma empresa tenha sido, o desempenho de seus papéis daqui para frente irá depender de como ela irá crescer e dos resultados que apresentará.

Erro 4: investir pensando no curto prazo
O investimento em ações é recomendado apenas para quem não precisa dos recursos aplicados no curto prazo. Apesar de existir a possibilidade de ganhos rápidos em situações pontuais, como novas ofertas públicas, por exemplo, investir em renda variável precisando rapidamente do dinheiro pode ser perigoso.

Como as cotações variam bastante, existe sempre a possibilidade do momento de correção coincidir com o prazo no qual o investidor precisa dos recursos. Nestas horas, mesmo acreditando que os papéis podem se recuperar, o investidor é obrigado a assumir perdas porque necessita do dinheiro. Quando o prazo é maior, esta probabilidade cai bastante.

Erro 5: por todos os ovos na mesma cesta
Diversificar, ou seja, evitar colocar todos os ovos na mesma cesta é um dos conceitos básicos do investimento em ações. O problema é que poucos investidores que estão começando seguem esta recomendação.

Se o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, já apresenta uma variação muito mais intensa do que outros investimentos, imagine cada ação que faz parte da Bovespa. De forma geral, comprar mais do que uma ação permite ao investidor obter uma melhor relação entre risco e benefício.

Se uma ação cai de maneira significativa, há sempre a chance de outro papel que compõe a carteira mostrar um desempenho melhor, reduzindo a intensidade da perda. Portanto, o conselho ao investidor iniciante é montar uma carteira com ao menos cinco ações ou investir em fundos de índice como o PIBB ou mesmo fundos ou clubes de investimento em ações.

 



 
Referência: InfoMoney
Autor: Equipe InfoMoney
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Investimentos / FundosVocê é um grande investidor? Compare suas opções dentro da renda fixa
Ações / Bolsa de ValoresPor dentro de um fundo de ações
Carreira / EmpregoGrupos virtuais: seu emprego pode estar aqui
Carreira / EmpregoIniciativa: como funcionário, você executa ou espera acontecer?
Negócios / EmpreendedorismoA prevenção dos acidentes de trabalho como meio de contenção de custos nas empresas
Defenda-seSeus direitos: saiba como é calculado o valor da pensão alimentícia
Modelos de documentosContrato - Modelo Básico de Contrato Social
Carreira / EmpregoComo conciliar a vida no interior e o trabalho na capital?
ConsumidorConsumidor que comprar material de construção terá crédito com a NF Paulista
Carreira / EmpregoPequenas iniciativas e muita criatividade podem alavancar o sucesso das empresas